Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 19 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Música é tema da 'Ciranda de Filmes'



23/05/2019 | 07:05


Ano passado não teve, mas este ano a mostra Ciranda de Filmes - Música, Linguagem da Vida chega com vasta programação e com a proposta de continuar a colocar em foco a infância. Evento, que será realizado desta quinta, 23, até domingo, 26, vai ocupar o Espaço Itaú Augusta, com a exibição de mais de 70 filmes, alguns seguidos de conversas com os cineastas, músicos e educadores, além de palestras, vivências, oficinas, tudo com entrada gratuita.

A primeira edição da mostra foi realizada em 2014, sempre com curadoria de Patrícia Durães e Fernanda Heinz Figueiredo, que são as criadoras do evento. E, para esta edição, as duas conseguiram fazer uma seleção minuciosa com alguns títulos inéditos no Brasil, como A Tuba to Cuba, de T.G. Herrington e Danny Clinch, Esteban, de Jonal Cosculluela, Kinders, de Arash T. Riahi e Arman T. Riani, Listen to the Silence, de Marian Chachia, entre outros.

Segundo conta Patrícia Durães, o objetivo do Ciranda é norteado, desde o início, por três eixos. "Nossa ideia foi criar uma mostra de cinema que fala de infância, espaços de aprendizagem e movimentos de transformação", conta a curadora. Ela afirma que depois do primeiro, tendo sempre como base a infância, não a cronológica, mas a que tem dentro de nós, mas também falando da questão da educação mesmo, da situação das crianças, desde a primeira infância, o que norteou o primeiro ano da mostra. "No segundo ano, o tema foi família, no terceiro, mestre, não apenas da escola, mas os que vamos colecionando na nossa vida, no quarto, o que te nutre, sobre a nossa nutrição, de forma ampla, não só nutrição do corpo, como da mente e do espírito.

Chegando a esse quinto, que traz a música, que sempre permeou todas as Cirandas, pois sempre procuramos colocar todas as linguagens artísticas dentro das atividades, que a gente acha que tem de passar pelo sensorial, a pessoa tem de experimentar."

Patrícia, que trabalha há anos com essa temática da educação, conta que a ideia dessa edição foi de mergulhar fundo no tema música. "Está muito ligada ao brincar, que é o tema principal do Ciranda, o primeiro desenvolvimento da criança com o mundo, e a música é o jogar, brincar, e abrimos eixos, então falamos da música como saúde, quanto ao desenvolvimento humano, na questão motora, no ensino da música, do ritmo, que é superimportante, que é o início da comunicação, da sua fala, de todas as expressões."

Claro que na programação o público também vai conferir obras de cineastas brasileiros, como os filmes As Canções, de Eduardo Coutinho, Alive Inside, de Michael Rossato-Bennett, Nelson Freire, de João Moreira Salles, A Pessoa é Para o Que Nasce, de Roberto Berliner, Everybodys Cage, de Sandra Trostel, Tropicália, de Marcelo Machado, Violeta foi para o céu, de Andrés Wood, As Hiper Mulheres, de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, Palavra (En) Cantada, de Helena Solberg, Dominguinhos, de Joaquim Castro, Eduardo Nazarian e Mariana Aydar, além dos curtas-metragens como A Velha a Fiar, de Humberto Mauro, Hermeto, Campeão, de Thomas Farkas, Uma Pequena Mensagem do Brasil ou (A Saga de Castanha e Caju contra o encouraçado Titanic), de Walter Salles e Daniela Thomas.

Entre os convidados, que participarão de bate-papo com o público, a curadora destaca alguns nomes, afirmando que a ideia é que se tenha mais música que palavras. "Nesta quinta-feira, 23, está programado o filme O Piano Que Conversa (2017), documentário de Marcelo Machado, que ficará depois da exibição para uma conversa com o público. Esse é um filme que não usa palavras, só música que é encontro dele com músicos de várias regiões do mundo, provando como essa é uma linguagem universal", conta Patrícia. Outro destaque, entre os convidados que estarão presentes para um bate-papo com os presentes é o Conversas com o Piano. "O Benjamim Taubkin participa dessa conversa musical, na sexta-feira, 24, momento em que vai falar e refletir sobre a linguagem universal da música." Ela deixa claro que em toda essa vasta programação, o que se destaca é a relação que temos com a música, por isso escolher essas produções que têm relação com ritmos diversos. "Vamos trazer muito a questão dessa influência musical em nossas vidas."

CIRANDA DE FILMES

Espaço Itaú Augusta. Rua Augusta, 1.470, Cerqueira César, 3288-6780. Grátis. Até 26/5. ww.cirandadefilmes.com.br

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Música é tema da 'Ciranda de Filmes'


23/05/2019 | 07:05


Ano passado não teve, mas este ano a mostra Ciranda de Filmes - Música, Linguagem da Vida chega com vasta programação e com a proposta de continuar a colocar em foco a infância. Evento, que será realizado desta quinta, 23, até domingo, 26, vai ocupar o Espaço Itaú Augusta, com a exibição de mais de 70 filmes, alguns seguidos de conversas com os cineastas, músicos e educadores, além de palestras, vivências, oficinas, tudo com entrada gratuita.

A primeira edição da mostra foi realizada em 2014, sempre com curadoria de Patrícia Durães e Fernanda Heinz Figueiredo, que são as criadoras do evento. E, para esta edição, as duas conseguiram fazer uma seleção minuciosa com alguns títulos inéditos no Brasil, como A Tuba to Cuba, de T.G. Herrington e Danny Clinch, Esteban, de Jonal Cosculluela, Kinders, de Arash T. Riahi e Arman T. Riani, Listen to the Silence, de Marian Chachia, entre outros.

Segundo conta Patrícia Durães, o objetivo do Ciranda é norteado, desde o início, por três eixos. "Nossa ideia foi criar uma mostra de cinema que fala de infância, espaços de aprendizagem e movimentos de transformação", conta a curadora. Ela afirma que depois do primeiro, tendo sempre como base a infância, não a cronológica, mas a que tem dentro de nós, mas também falando da questão da educação mesmo, da situação das crianças, desde a primeira infância, o que norteou o primeiro ano da mostra. "No segundo ano, o tema foi família, no terceiro, mestre, não apenas da escola, mas os que vamos colecionando na nossa vida, no quarto, o que te nutre, sobre a nossa nutrição, de forma ampla, não só nutrição do corpo, como da mente e do espírito.

Chegando a esse quinto, que traz a música, que sempre permeou todas as Cirandas, pois sempre procuramos colocar todas as linguagens artísticas dentro das atividades, que a gente acha que tem de passar pelo sensorial, a pessoa tem de experimentar."

Patrícia, que trabalha há anos com essa temática da educação, conta que a ideia dessa edição foi de mergulhar fundo no tema música. "Está muito ligada ao brincar, que é o tema principal do Ciranda, o primeiro desenvolvimento da criança com o mundo, e a música é o jogar, brincar, e abrimos eixos, então falamos da música como saúde, quanto ao desenvolvimento humano, na questão motora, no ensino da música, do ritmo, que é superimportante, que é o início da comunicação, da sua fala, de todas as expressões."

Claro que na programação o público também vai conferir obras de cineastas brasileiros, como os filmes As Canções, de Eduardo Coutinho, Alive Inside, de Michael Rossato-Bennett, Nelson Freire, de João Moreira Salles, A Pessoa é Para o Que Nasce, de Roberto Berliner, Everybodys Cage, de Sandra Trostel, Tropicália, de Marcelo Machado, Violeta foi para o céu, de Andrés Wood, As Hiper Mulheres, de Carlos Fausto, Leonardo Sette e Takumã Kuikuro, Palavra (En) Cantada, de Helena Solberg, Dominguinhos, de Joaquim Castro, Eduardo Nazarian e Mariana Aydar, além dos curtas-metragens como A Velha a Fiar, de Humberto Mauro, Hermeto, Campeão, de Thomas Farkas, Uma Pequena Mensagem do Brasil ou (A Saga de Castanha e Caju contra o encouraçado Titanic), de Walter Salles e Daniela Thomas.

Entre os convidados, que participarão de bate-papo com o público, a curadora destaca alguns nomes, afirmando que a ideia é que se tenha mais música que palavras. "Nesta quinta-feira, 23, está programado o filme O Piano Que Conversa (2017), documentário de Marcelo Machado, que ficará depois da exibição para uma conversa com o público. Esse é um filme que não usa palavras, só música que é encontro dele com músicos de várias regiões do mundo, provando como essa é uma linguagem universal", conta Patrícia. Outro destaque, entre os convidados que estarão presentes para um bate-papo com os presentes é o Conversas com o Piano. "O Benjamim Taubkin participa dessa conversa musical, na sexta-feira, 24, momento em que vai falar e refletir sobre a linguagem universal da música." Ela deixa claro que em toda essa vasta programação, o que se destaca é a relação que temos com a música, por isso escolher essas produções que têm relação com ritmos diversos. "Vamos trazer muito a questão dessa influência musical em nossas vidas."

CIRANDA DE FILMES

Espaço Itaú Augusta. Rua Augusta, 1.470, Cerqueira César, 3288-6780. Grátis. Até 26/5. ww.cirandadefilmes.com.br

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;