Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 23 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara resiste, não vota contas e trava

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Análise de balanços da gestão Marinho sobrestam pauta em S.Bernardo; governo tenta rejeitá-los


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

23/05/2019 | 08:20


No primeiro dia em que a análise das contas de 2015 e de 2016, últimos anos de governo do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), sobrestou a pauta, a Câmara de São Bernardo ficou paralisada. Pelo regimento interno, a avaliação das contabilidades se tornou item obrigatório e, como o governo de Orlando Morando (PSDB) ainda não dispõe de votos necessários para rejeitar os balanços do petista, nada foi votado.

A sessão se resumiu à leitura de alguns documentos e a inúmeras suspensões. Vereadores andavam pelos corredores e usaram o tempo para atendimento de munícipes em seus gabinetes. Teve parlamentar que assinou o espelho de presença e, pouco tempo depois, deixou a casa.

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) aprovou as contas de 2015 e de 2016. Mas a comissão mista da Câmara de São Bernardo entendeu que os balancetes merecem rejeição. Se dois terços do Legislativo optarem por não seguir a recomendação do TCE, Marinho pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficaria inelegível – o petista ensaia ser candidato ao Paço em 2020. Nunca a cidade barrou uma conta que veio com parecer positivo do tribunal de contas.

Ontem, a avaliação nos corredores da casa foi a de que o governo Morando não conseguirá os votos necessários para vetar as contas. Alguns parlamentares – inclusive governistas – apontaram falha no diálogo entre Executivo e Câmara como fator principal para a resistência interna.

Durante a sessão, as galerias foram tomadas por militantes do PT. Entre eles estavam o ex-vereador José Ferreira, a ex-presidente estadual do petismo Rozane Sena, a Zaninha, e o ex-secretário de Planejamento de Santo André (no governo de Carlos Grana) Alberto Alves de Souza. Eles disseram que foram à casa protestar por falta de unidades habitacionais, demandas na área da educação e também criticar o fato de o Legislativo estar paralisado devido às contas de Marinho.

Presidente da casa, Ramon Ramos (PDT) estimou que no máximo em 15 dias as duas contas serão analisadas e entrarão em votação. “Os vereadores já se estenderam sobre as contas de 2016 e vão fazer isso nas de 2015. Será bem antes do recesso. Há outros projetos importantes que temos de votar.”

Ramon rechaça influência política na votação e nega pressão do Paço

O presidente da Câmara de São Bernardo, Ramon Ramos (PDT), voltou a dizer que a análise das contas de 2015 e de 2016, últimos anos de gestão do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), será “estritamente técnica” e que a influência do governo de Orlando Morando (PSDB) “é zero” no debate.

“Se fizéssemos uma discussão coletiva, muito provavelmente seria enviesado (para o lado político). Cada vereador tem a liberdade de avaliar os dois pareceres, com auxílio técnico”, afirmou o pedetista.

Ramon também minimizou o fato de São Bernardo nunca ter rejeitado uma conta de prefeito ou ex-prefeito que tenha chegado à casa com parecer positivo do TCE (Tribunal de Contas do Estado). “Veja nas câmaras ao nosso redor. Em Diadema, o TCE recomendou a rejeição e a Câmara aprovou as contas do Lauro (Michels, PV, na semana passada). As do (José) Auricchio (Júnior, PSDB), em São Caetano, também.”
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara resiste, não vota contas e trava

Análise de balanços da gestão Marinho sobrestam pauta em S.Bernardo; governo tenta rejeitá-los

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

23/05/2019 | 08:20


No primeiro dia em que a análise das contas de 2015 e de 2016, últimos anos de governo do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), sobrestou a pauta, a Câmara de São Bernardo ficou paralisada. Pelo regimento interno, a avaliação das contabilidades se tornou item obrigatório e, como o governo de Orlando Morando (PSDB) ainda não dispõe de votos necessários para rejeitar os balanços do petista, nada foi votado.

A sessão se resumiu à leitura de alguns documentos e a inúmeras suspensões. Vereadores andavam pelos corredores e usaram o tempo para atendimento de munícipes em seus gabinetes. Teve parlamentar que assinou o espelho de presença e, pouco tempo depois, deixou a casa.

O TCE (Tribunal de Contas do Estado) aprovou as contas de 2015 e de 2016. Mas a comissão mista da Câmara de São Bernardo entendeu que os balancetes merecem rejeição. Se dois terços do Legislativo optarem por não seguir a recomendação do TCE, Marinho pode ser enquadrado na Lei da Ficha Limpa e ficaria inelegível – o petista ensaia ser candidato ao Paço em 2020. Nunca a cidade barrou uma conta que veio com parecer positivo do tribunal de contas.

Ontem, a avaliação nos corredores da casa foi a de que o governo Morando não conseguirá os votos necessários para vetar as contas. Alguns parlamentares – inclusive governistas – apontaram falha no diálogo entre Executivo e Câmara como fator principal para a resistência interna.

Durante a sessão, as galerias foram tomadas por militantes do PT. Entre eles estavam o ex-vereador José Ferreira, a ex-presidente estadual do petismo Rozane Sena, a Zaninha, e o ex-secretário de Planejamento de Santo André (no governo de Carlos Grana) Alberto Alves de Souza. Eles disseram que foram à casa protestar por falta de unidades habitacionais, demandas na área da educação e também criticar o fato de o Legislativo estar paralisado devido às contas de Marinho.

Presidente da casa, Ramon Ramos (PDT) estimou que no máximo em 15 dias as duas contas serão analisadas e entrarão em votação. “Os vereadores já se estenderam sobre as contas de 2016 e vão fazer isso nas de 2015. Será bem antes do recesso. Há outros projetos importantes que temos de votar.”

Ramon rechaça influência política na votação e nega pressão do Paço

O presidente da Câmara de São Bernardo, Ramon Ramos (PDT), voltou a dizer que a análise das contas de 2015 e de 2016, últimos anos de gestão do ex-prefeito Luiz Marinho (PT), será “estritamente técnica” e que a influência do governo de Orlando Morando (PSDB) “é zero” no debate.

“Se fizéssemos uma discussão coletiva, muito provavelmente seria enviesado (para o lado político). Cada vereador tem a liberdade de avaliar os dois pareceres, com auxílio técnico”, afirmou o pedetista.

Ramon também minimizou o fato de São Bernardo nunca ter rejeitado uma conta de prefeito ou ex-prefeito que tenha chegado à casa com parecer positivo do TCE (Tribunal de Contas do Estado). “Veja nas câmaras ao nosso redor. Em Diadema, o TCE recomendou a rejeição e a Câmara aprovou as contas do Lauro (Michels, PV, na semana passada). As do (José) Auricchio (Júnior, PSDB), em São Caetano, também.”
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;