Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 14 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Esportes

esportes@dgabc.com.br | 4435-8384

Trio de São Caetano recebe homenagens por medalhas

Júnior Camargo/PMSCS/Divulgação Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Carol, Milena e Ícaro ajudaram Brasil a fazer história no Mundial disputado na Inglaterra


Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

22/05/2019 | 07:00


Há dez anos São Caetano é casa do taekwondo brasileiro. Prova disso foi o desempenho dos atletas da equipe no Mundial de Manchester, na Inglaterra, no fim de semana. As pratas de Caroline Santos e Ícaro Miguel, somadas ao bronze de Milena Titoneli, tornaram-se fundamentais para o Brasil alcançar sua melhor posição na história – foram cinco pódios no total. Os atletas foram homenageados ontem peo prefeito em exercício Beto Vidoski (PSDB).

Os atletas receberam, ao lado dos técnicos Clayton e Reginaldo dos Santos, irmãos e que também compõem a Seleção Brasileira, menção honrosa pelas medalhas. “Orgulho enorme para nossa cidade esse feito. No início do trabalho enfrentamos muita resistência, mas os resultados mostram que estamos no caminho certo”, destacou Beto Vidoski, que substitui a José Auricchio Júnior (PSDB), afastado do cargo sob alegação de problemas particulares.

Entre os medalhistas, Milena Titoneli mora em São Caetano e iniciou no taekwondo por meio do PEC (Programa Esportivo Comunitário), escolinhas oferecidas gratuitamente pela Prefeitura. “Sempre sonhei em estar no pódio do Mundial, desde que assistia pela TV. Estou realizada em estar entre as melhores do mundo”, comentou.

Carol e Ícaro demonstraram sentimento de dever cumprido. “Estou realizada. Claro que queria o ouro, mas não deu. Estou feliz porque essa medalha representa cada gota de suor que eu derramei”, comentou. “A última vez em que o Brasil esteve na final foi em 2005, quebrei a marca. Sempre falo: ‘Mire a Lua, caso erre vai ficar com as estrelas’. Foi isso que eu fiz, queria o ouro, fiquei com a prata, mas com a sensação de que poderia ter ido mais longe”, constatou Ícaro. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Trio de São Caetano recebe homenagens por medalhas

Carol, Milena e Ícaro ajudaram Brasil a fazer história no Mundial disputado na Inglaterra

Anderson Fattori
Do Diário do Grande ABC

22/05/2019 | 07:00


Há dez anos São Caetano é casa do taekwondo brasileiro. Prova disso foi o desempenho dos atletas da equipe no Mundial de Manchester, na Inglaterra, no fim de semana. As pratas de Caroline Santos e Ícaro Miguel, somadas ao bronze de Milena Titoneli, tornaram-se fundamentais para o Brasil alcançar sua melhor posição na história – foram cinco pódios no total. Os atletas foram homenageados ontem peo prefeito em exercício Beto Vidoski (PSDB).

Os atletas receberam, ao lado dos técnicos Clayton e Reginaldo dos Santos, irmãos e que também compõem a Seleção Brasileira, menção honrosa pelas medalhas. “Orgulho enorme para nossa cidade esse feito. No início do trabalho enfrentamos muita resistência, mas os resultados mostram que estamos no caminho certo”, destacou Beto Vidoski, que substitui a José Auricchio Júnior (PSDB), afastado do cargo sob alegação de problemas particulares.

Entre os medalhistas, Milena Titoneli mora em São Caetano e iniciou no taekwondo por meio do PEC (Programa Esportivo Comunitário), escolinhas oferecidas gratuitamente pela Prefeitura. “Sempre sonhei em estar no pódio do Mundial, desde que assistia pela TV. Estou realizada em estar entre as melhores do mundo”, comentou.

Carol e Ícaro demonstraram sentimento de dever cumprido. “Estou realizada. Claro que queria o ouro, mas não deu. Estou feliz porque essa medalha representa cada gota de suor que eu derramei”, comentou. “A última vez em que o Brasil esteve na final foi em 2005, quebrei a marca. Sempre falo: ‘Mire a Lua, caso erre vai ficar com as estrelas’. Foi isso que eu fiz, queria o ouro, fiquei com a prata, mas com a sensação de que poderia ter ido mais longe”, constatou Ícaro. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;