Fechar
Publicidade

Domingo, 22 de Setembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Apenas 12% dos casos de asma no Brasil estão sob controle

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


20/05/2019 | 09:52


De acordo com profissionais de saúde, os remédios existentes na rede pública, seja por meio de postos de saúde ou farmácias populares, são suficientes para tratar 90% dos casos de asma no Brasil. Mesmo assim, segundo o membro da Comissão de Asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) José Eduardo Delfini Cançado, apenas 12% das pessoas asmáticas no País estão com a doença controlada, sem os sintomas.

Para os especialistas, as razões para que 88% dos pacientes não estejam fazendo o tratamento correto se dá por falta de informação e conscientização sobre o tema. Cançado explica que é preciso redesenhar a forma como se enxerga a doença no Brasil. "Não adianta distribuir o remédio se o paciente o utiliza da maneira errada", explica.

Isso se dá, segundo a Coordenadora da Comissão de Políticas de Saúde da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), Norma Rubini, por falta de capacitação dos profissionais de saúde. A lógica defendida pelos especialistas é que médicos, enfermeiros e assistentes sociais capacitados poderiam não só fazer o diagnóstico correto na origem, na medicina básica, como também se incumbir do acompanhamento da maior parte dos doentes que chegam aos postos e hospitais.

Além da pouca capacitação profissional existe também a falta de informação à sociedade. Apesar de a asma exigir tratamento a vida toda, muitos pacientes o interrompem quando a saúde deles melhora. "Sentimos falta da educação sobre o assunto. É uma doença com grande impacto social e econômico no Brasil, mas muito pouco discutida", diz Cançado.

Para Norma, é urgente definir estratégias para levar a informação a todo o País. E, de preferência, que sejam políticas de Estado, não de governo. Ou seja, que durem mais que apenas um mandato do Executivo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Apenas 12% dos casos de asma no Brasil estão sob controle


20/05/2019 | 09:52


De acordo com profissionais de saúde, os remédios existentes na rede pública, seja por meio de postos de saúde ou farmácias populares, são suficientes para tratar 90% dos casos de asma no Brasil. Mesmo assim, segundo o membro da Comissão de Asma da Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) José Eduardo Delfini Cançado, apenas 12% das pessoas asmáticas no País estão com a doença controlada, sem os sintomas.

Para os especialistas, as razões para que 88% dos pacientes não estejam fazendo o tratamento correto se dá por falta de informação e conscientização sobre o tema. Cançado explica que é preciso redesenhar a forma como se enxerga a doença no Brasil. "Não adianta distribuir o remédio se o paciente o utiliza da maneira errada", explica.

Isso se dá, segundo a Coordenadora da Comissão de Políticas de Saúde da Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), Norma Rubini, por falta de capacitação dos profissionais de saúde. A lógica defendida pelos especialistas é que médicos, enfermeiros e assistentes sociais capacitados poderiam não só fazer o diagnóstico correto na origem, na medicina básica, como também se incumbir do acompanhamento da maior parte dos doentes que chegam aos postos e hospitais.

Além da pouca capacitação profissional existe também a falta de informação à sociedade. Apesar de a asma exigir tratamento a vida toda, muitos pacientes o interrompem quando a saúde deles melhora. "Sentimos falta da educação sobre o assunto. É uma doença com grande impacto social e econômico no Brasil, mas muito pouco discutida", diz Cançado.

Para Norma, é urgente definir estratégias para levar a informação a todo o País. E, de preferência, que sejam políticas de Estado, não de governo. Ou seja, que durem mais que apenas um mandato do Executivo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;