Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Porta-voz: presidente acredita que Congresso entregará à sociedade melhor reforma



17/05/2019 | 19:46


O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, afirmou nesta sexta-feira que o governo vai continuar defendendo integralmente a proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso.

"Retomamos o posicionamento. A proposta que foi enviada ao Congresso é a proposta que nós entendemos como a melhor. O presidente compreende e, por diversas vezes já vos falou entender que o Congresso Nacional fará o seu melhor trabalho para entregar à sociedade essa questão previdenciária, que hoje quase inviabiliza a manutenção da administração federal e de outros poderes", disse.

Anistia a partidos

O porta-voz também afirmou que Bolsonaro se reúne com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para decidir se veta o projeto de lei que anistia multas aplicadas a partidos políticos. O texto foi aprovado no mês passado no Congresso e o prazo para vetá-lo vence nesta sexta.

Nesta quinta, Maia chegou a assinar o texto no período em que estava como presidente da República em exercício, e deixou pronto para ser publicado no Diário Oficial da União, mas teve dúvidas e optou por não encaminhá-lo à sanção. Até a publicação desta matéria, o Planalto ainda não havia informado sobre uma decisão.

Petrobras

Rêgo Barros também afirmou que Bolsonaro não pretende atuar pessoalmente na definição de preços da Petrobras. "O presidente reafirma a importância que atribui às decisões administrativas da Petrobras no que se refere a essas questões de controle de preço", disse.

Nesta quinta, Bolsonaro afirmou que poderia rever a política de preços da estatal "se não houver prejuízos" para a empresa. "O que ele falou ontem é em tese uma possibilidade de encontrarmos uma solução para um combustível mais barato. Não tem nenhum interesse do presidente e ele já demonstrou isso em momentos anteriores de não incidir com decisões pessoais sobre a administração da empresa", disse Rêgo Barros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Porta-voz: presidente acredita que Congresso entregará à sociedade melhor reforma


17/05/2019 | 19:46


O porta-voz da Presidência, Otávio do Rêgo Barros, afirmou nesta sexta-feira que o governo vai continuar defendendo integralmente a proposta de reforma da Previdência enviada ao Congresso.

"Retomamos o posicionamento. A proposta que foi enviada ao Congresso é a proposta que nós entendemos como a melhor. O presidente compreende e, por diversas vezes já vos falou entender que o Congresso Nacional fará o seu melhor trabalho para entregar à sociedade essa questão previdenciária, que hoje quase inviabiliza a manutenção da administração federal e de outros poderes", disse.

Anistia a partidos

O porta-voz também afirmou que Bolsonaro se reúne com o ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, para decidir se veta o projeto de lei que anistia multas aplicadas a partidos políticos. O texto foi aprovado no mês passado no Congresso e o prazo para vetá-lo vence nesta sexta.

Nesta quinta, Maia chegou a assinar o texto no período em que estava como presidente da República em exercício, e deixou pronto para ser publicado no Diário Oficial da União, mas teve dúvidas e optou por não encaminhá-lo à sanção. Até a publicação desta matéria, o Planalto ainda não havia informado sobre uma decisão.

Petrobras

Rêgo Barros também afirmou que Bolsonaro não pretende atuar pessoalmente na definição de preços da Petrobras. "O presidente reafirma a importância que atribui às decisões administrativas da Petrobras no que se refere a essas questões de controle de preço", disse.

Nesta quinta, Bolsonaro afirmou que poderia rever a política de preços da estatal "se não houver prejuízos" para a empresa. "O que ele falou ontem é em tese uma possibilidade de encontrarmos uma solução para um combustível mais barato. Não tem nenhum interesse do presidente e ele já demonstrou isso em momentos anteriores de não incidir com decisões pessoais sobre a administração da empresa", disse Rêgo Barros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;