Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 25 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Com 300 novos buracos por dia, SP quer acelerar reparos

Pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


17/05/2019 | 07:46


A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quinta-feira, 16, a meta de atender às solicitações de tapa-buraco em até dez dias, até o fim de junho. Segundo a gestão Bruno Covas (PSDB), cerca de 300 novos buracos são abertos na capital diariamente e o prazo máximo atual é de 45 dias entre a abertura do pedido no sistema 156 e a resolução do problema.

Covas assinou um decreto que prevê maiores exigências técnicas às permissionárias e concessionárias de serviços de infraestrutura urbana (tais como telefonia, internet e gás), apontadas como uma das principais responsáveis pela criação de novos buracos na cidade.

O prefeito anunciou ter atendido 41 mil solicitações de tapa-buraco em 40 dias, cumprindo a meta de 38 mil para o prazo (o que representa cerca de 28 mil buracos, pois parte dos pedidos é repetida). De acordo com ele, ainda há 20 mil atendimentos em espera.

Covas disse, ainda, que de 90 a 100 caminhões trabalham exclusivamente com tapa-buraco, número que era de 30 no início do ano. Ele admitiu, contudo, que o serviço é "paliativo" e a solução ideal seria o recapeamento das vias, o que afirma ser inviável em curto prazo.

"O tapa-buraco é um serviço paliativo. O que resolve mesmo é o recapeamento na cidade de São Paulo", aponta ele, que afirma ter aumentado o investimento de R$ 300 milhões anuais (em 2018) para R$ 400 milhões. "Se esse volume (de investimento) for mantido, talvez em 20 anos, a gente possa ter um viário melhor. Se tivesse sido feito há 20 anos atrás, a gente não teria essa quantidade imensa de buracos."

Reclamações

A gestão municipal alega que, das reclamações de serviços de tapa-buraco malfeito, 96% são dos atendidos pelas concessionárias. Diante disso, um sistema de monitoramento começou a ser adotado para arquivar imagens dos trechos antes, durante e depois da resolução do problema. Além disso, será necessário informar a gestão sempre que for aberto um buraco.

O secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, ressaltou que, com o novo decreto, as concessionárias deverão manter o padrão da Prefeitura, como o de "recortar" a área do entorno do buraco para fazer o preenchimento, em vez de apenas aplicar o asfalto. "O decreto é o primeiro passo. Sabemos que precisamos melhorar."

Concessionárias

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) disse que não foi informada oficialmente sobre a mudança e que ainda deve avaliar como se adequará às novas regras. Afirmou ainda que, hoje, a fiscalização do serviço já é "rigorosa".

Responsável pelo abastecimento de gás, a Comgás disse que executa os serviços segundo "as normas aplicáveis" nos casos em que é preciso tapar buraco, e aguarda a publicação do decreto no Diário Oficial da Cidade para saber seu teor. A Enel, responsável pelo serviço de energia, disse que não se pronunciará sobre o tema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Com 300 novos buracos por dia, SP quer acelerar reparos


17/05/2019 | 07:46


A Prefeitura de São Paulo anunciou nesta quinta-feira, 16, a meta de atender às solicitações de tapa-buraco em até dez dias, até o fim de junho. Segundo a gestão Bruno Covas (PSDB), cerca de 300 novos buracos são abertos na capital diariamente e o prazo máximo atual é de 45 dias entre a abertura do pedido no sistema 156 e a resolução do problema.

Covas assinou um decreto que prevê maiores exigências técnicas às permissionárias e concessionárias de serviços de infraestrutura urbana (tais como telefonia, internet e gás), apontadas como uma das principais responsáveis pela criação de novos buracos na cidade.

O prefeito anunciou ter atendido 41 mil solicitações de tapa-buraco em 40 dias, cumprindo a meta de 38 mil para o prazo (o que representa cerca de 28 mil buracos, pois parte dos pedidos é repetida). De acordo com ele, ainda há 20 mil atendimentos em espera.

Covas disse, ainda, que de 90 a 100 caminhões trabalham exclusivamente com tapa-buraco, número que era de 30 no início do ano. Ele admitiu, contudo, que o serviço é "paliativo" e a solução ideal seria o recapeamento das vias, o que afirma ser inviável em curto prazo.

"O tapa-buraco é um serviço paliativo. O que resolve mesmo é o recapeamento na cidade de São Paulo", aponta ele, que afirma ter aumentado o investimento de R$ 300 milhões anuais (em 2018) para R$ 400 milhões. "Se esse volume (de investimento) for mantido, talvez em 20 anos, a gente possa ter um viário melhor. Se tivesse sido feito há 20 anos atrás, a gente não teria essa quantidade imensa de buracos."

Reclamações

A gestão municipal alega que, das reclamações de serviços de tapa-buraco malfeito, 96% são dos atendidos pelas concessionárias. Diante disso, um sistema de monitoramento começou a ser adotado para arquivar imagens dos trechos antes, durante e depois da resolução do problema. Além disso, será necessário informar a gestão sempre que for aberto um buraco.

O secretário das Subprefeituras, Alexandre Modonezi, ressaltou que, com o novo decreto, as concessionárias deverão manter o padrão da Prefeitura, como o de "recortar" a área do entorno do buraco para fazer o preenchimento, em vez de apenas aplicar o asfalto. "O decreto é o primeiro passo. Sabemos que precisamos melhorar."

Concessionárias

A Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) disse que não foi informada oficialmente sobre a mudança e que ainda deve avaliar como se adequará às novas regras. Afirmou ainda que, hoje, a fiscalização do serviço já é "rigorosa".

Responsável pelo abastecimento de gás, a Comgás disse que executa os serviços segundo "as normas aplicáveis" nos casos em que é preciso tapar buraco, e aguarda a publicação do decreto no Diário Oficial da Cidade para saber seu teor. A Enel, responsável pelo serviço de energia, disse que não se pronunciará sobre o tema. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;