Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

General chavista ataca Maduro e pede rebelião militar na Venezuela



13/05/2019 | 13:34


Um general venezuelano que foi próximo a Hugo Chávez se rebelou no fim de semana contra Nicolás Maduro e pediu às Forças Armadas que se levantem contra o presidente venezuelano, que tem contado com o apoio dos militares para se manter no poder, apesar do grave colapso econômico no país.

Ramón Rangel, que se identificou como general de divisão da Força Aérea, disse que o governo venezuelano está sendo controlado pela "ditadura comunista" de Cuba, e que os militares precisam se levantar contra ele. "Eu apelo à Força Armada Nacional Bolivariana para aderirem ao Artigo 328. Não vamos continuar dizendo 'sempre leais, traidores, nunca', porque estamos sendo traidores, traidores de uma Constituição Nacional", afirmou.

O general também disse que "é inconcebível que mais de quatro milhões de venezuelanos peçam esmola fora do país (...). Temos que afastar o medo e sair às ruas para protestar, para buscar a união militar e para mudar este sistema político".

Formado pela Escola de Aviação em 1987, Ramón Rangel foi um dos militares que em 1992 participou da frustrada tentativa de golpe contra o então presidente venezuelano Carlos Andrés Pérez, em 27 de novembro de 1992 (falecido, Pérez foi presidente entre 1989 e 1993 e entre 1974 e 1979).

Na ocasião, a Venezuela passava por uma grave crise econômica, e Chávez e outros quatro tenentes-coronéis do Exército venezuelano mobilizaram oficiais na "Operação Zamora" para tentar derrubar Pérez. O episódio durou pouco mais de um dia, deixou 17 soldados mortos e 50 feridos. As forças de Pérez controlaram a rebelião, e Chávez e seus aliados, entre eles Rángel, se entregaram e acabaram presos.

A revolta não rendeu frutos, mas catapultou Chávez a uma vitória eleitoral. Em 1994, Chávez deixou a prisão, por ordem do então presidente Rafael Caldera, fundou o Movimento V República, com o qual chegou à presidência pela primeira vez em 1998, dando início à sua revolução socialista bolivariana. Rangel sempre esteve ao lado de Chávez, e convivia diretamente com os líderes militares cubanos.

Desde 2012, Rangel trabalhava na criação de uma joint venture em Cuba. Segundo o venezuelano, esse tempo lhe permitiu observar de perto a realidade de uma sociedade submetida a uma ditadura que já dura 60 anos.

"Estive várias vezes em Cuba, a pedido de Chávez. Fiquei lá por seis anos e pude ver o povo cubano ser submetido ao jugo de uma ditadura Castro-comunista por mais de 60 anos", afirma no vídeo. "Eles vivem em condições de pobreza, que são atribuídas aos bloqueios dos EUA, mas é mentira, eles formaram uma cabeça desse grupo comunista de Castro, que não faz os recursos que eles têm, que são muitos, alcançar o povo cubano Eles estão enganando as pessoas, e sabem disso."

Rangel não expressou apoio a Juan Guaidó - o líder da oposição que invocou a Constituição em janeiro para reivindicar a Presidência interina, argumentando que a reeleição de Maduro em 2018 foi fraudulenta. Mais de 50 países, incluindo os Estados Unidos e a maioria das nações sul-americanas, consideram Guaidó o líder legítimo de Venezuela.

Assim como outros oficiais, que abandonaram Maduro, Rangel fugiu para a Colômbia no mês passado, segundo a agência Reuters. Apesar de o pronunciamento de Rangel marcar outro golpe contra Maduro depois de um punhado de deserções semelhantes de oficiais este ano, o pronunciamento não muda o destino do chavismo. O alto escalão das Forças Armadas continuam a reconhecer Maduro como presidente.

O comandante da Força Aérea, Pedro Juliac, postou no domingo uma foto de Rangel no Twitter com as palavras "traidor do povo venezuelano e da revolução" impressas na imagem.

A presidente da ONG de Direitos Humanos Controle Cidadão, Rocío San Miguel, reagiu à declaração do general Ramón Rangel contra Nicolás Maduro, afirmando que o militar é uma figura importante do chavismo.

"O significado do pronunciamento do general de divisão Ramón Rangel é muito importante. Ele conhece a trama de negócios Caracas-Havana. Os segredos do tratamento da doença e morte de Chávez em Cuba e do rumo que está tomando o chavismo militar na sua ruptura com (Nicolás) Maduro", escreveu na sua conta do Twitter.

A Venezuela está sofrendo um colapso econômico e social, além de enfrentar uma hiperinflacionário que alimentou um êxodo migratório de cerca de 3,5 milhões de pessoas nos últimos três anos. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

General chavista ataca Maduro e pede rebelião militar na Venezuela


13/05/2019 | 13:34


Um general venezuelano que foi próximo a Hugo Chávez se rebelou no fim de semana contra Nicolás Maduro e pediu às Forças Armadas que se levantem contra o presidente venezuelano, que tem contado com o apoio dos militares para se manter no poder, apesar do grave colapso econômico no país.

Ramón Rangel, que se identificou como general de divisão da Força Aérea, disse que o governo venezuelano está sendo controlado pela "ditadura comunista" de Cuba, e que os militares precisam se levantar contra ele. "Eu apelo à Força Armada Nacional Bolivariana para aderirem ao Artigo 328. Não vamos continuar dizendo 'sempre leais, traidores, nunca', porque estamos sendo traidores, traidores de uma Constituição Nacional", afirmou.

O general também disse que "é inconcebível que mais de quatro milhões de venezuelanos peçam esmola fora do país (...). Temos que afastar o medo e sair às ruas para protestar, para buscar a união militar e para mudar este sistema político".

Formado pela Escola de Aviação em 1987, Ramón Rangel foi um dos militares que em 1992 participou da frustrada tentativa de golpe contra o então presidente venezuelano Carlos Andrés Pérez, em 27 de novembro de 1992 (falecido, Pérez foi presidente entre 1989 e 1993 e entre 1974 e 1979).

Na ocasião, a Venezuela passava por uma grave crise econômica, e Chávez e outros quatro tenentes-coronéis do Exército venezuelano mobilizaram oficiais na "Operação Zamora" para tentar derrubar Pérez. O episódio durou pouco mais de um dia, deixou 17 soldados mortos e 50 feridos. As forças de Pérez controlaram a rebelião, e Chávez e seus aliados, entre eles Rángel, se entregaram e acabaram presos.

A revolta não rendeu frutos, mas catapultou Chávez a uma vitória eleitoral. Em 1994, Chávez deixou a prisão, por ordem do então presidente Rafael Caldera, fundou o Movimento V República, com o qual chegou à presidência pela primeira vez em 1998, dando início à sua revolução socialista bolivariana. Rangel sempre esteve ao lado de Chávez, e convivia diretamente com os líderes militares cubanos.

Desde 2012, Rangel trabalhava na criação de uma joint venture em Cuba. Segundo o venezuelano, esse tempo lhe permitiu observar de perto a realidade de uma sociedade submetida a uma ditadura que já dura 60 anos.

"Estive várias vezes em Cuba, a pedido de Chávez. Fiquei lá por seis anos e pude ver o povo cubano ser submetido ao jugo de uma ditadura Castro-comunista por mais de 60 anos", afirma no vídeo. "Eles vivem em condições de pobreza, que são atribuídas aos bloqueios dos EUA, mas é mentira, eles formaram uma cabeça desse grupo comunista de Castro, que não faz os recursos que eles têm, que são muitos, alcançar o povo cubano Eles estão enganando as pessoas, e sabem disso."

Rangel não expressou apoio a Juan Guaidó - o líder da oposição que invocou a Constituição em janeiro para reivindicar a Presidência interina, argumentando que a reeleição de Maduro em 2018 foi fraudulenta. Mais de 50 países, incluindo os Estados Unidos e a maioria das nações sul-americanas, consideram Guaidó o líder legítimo de Venezuela.

Assim como outros oficiais, que abandonaram Maduro, Rangel fugiu para a Colômbia no mês passado, segundo a agência Reuters. Apesar de o pronunciamento de Rangel marcar outro golpe contra Maduro depois de um punhado de deserções semelhantes de oficiais este ano, o pronunciamento não muda o destino do chavismo. O alto escalão das Forças Armadas continuam a reconhecer Maduro como presidente.

O comandante da Força Aérea, Pedro Juliac, postou no domingo uma foto de Rangel no Twitter com as palavras "traidor do povo venezuelano e da revolução" impressas na imagem.

A presidente da ONG de Direitos Humanos Controle Cidadão, Rocío San Miguel, reagiu à declaração do general Ramón Rangel contra Nicolás Maduro, afirmando que o militar é uma figura importante do chavismo.

"O significado do pronunciamento do general de divisão Ramón Rangel é muito importante. Ele conhece a trama de negócios Caracas-Havana. Os segredos do tratamento da doença e morte de Chávez em Cuba e do rumo que está tomando o chavismo militar na sua ruptura com (Nicolás) Maduro", escreveu na sua conta do Twitter.

A Venezuela está sofrendo um colapso econômico e social, além de enfrentar uma hiperinflacionário que alimentou um êxodo migratório de cerca de 3,5 milhões de pessoas nos últimos três anos. COM AGÊNCIAS INTERNACIONAIS

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;