Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Metrô deve aumentar PIB regional em até 1,7% por ano

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Com a Linha 18-Bronze, Grande ABC poderá subir no ranking das cidades com maior geração de riquezas do País


Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

12/05/2019 | 09:41


O projeto da Linha 18-Bronze, que prevê trazer o Metrô para o Grande ABC, deve gerar impactos importantes na geração de riquezas das sete cidades. A estimativa é a de que a implantação do novo modal possa ampliar o PIB (Produto Interno Bruto) regional em até 1,7% por ano.

A informação tem como base levantamentos acadêmicos levantados pelo economista e coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura), da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição. “Os estudos apontam que a existência do Metrô permite uma redução significativa no tempo de deslocamento diário de casa para o trabalho, o que, por sua vez, aumenta a produtividade do trabalhador. Isso gera uma série de efeitos sistêmicos positivos”, afirmou.

Segundo o especialista, entre esses efeitos estão a expansão do comércio e dos serviços na região, impulsionados pelo maior mobilidade dos consumidores. “Algumas pesquisas importantes apontam para o impacto do Metrô na produtividade do trabalho, considerando a mobilidade e a acessibilidade que o modal permite. São Paulo tem cerca de 70 km de extensão e pouco mais de 60 estações. É preciso estender a quilometragem do meio de transporte, de forma a reduzir a diferença em relação ao Metrô de outras grandes metrópoles”, completou Conceição.

Os últimos dados municipais divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em dezembro de 2018 mostram que a região acumulou PIB de R$ 112,04 bilhões em 2016. O montante garante a manutenção do Grande ABC (considerando que fosse um município) no quarto lugar do ranking entre as dez cidades com maior participação no PIB nacional, atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Ou seja, com a vinda do novo modal para a região, as sete cidades poderiam alçar posto de maior destaque no ranking, com acréscimo de até R$ 1,9 bilhão anual. “Certamente subiríamos, mas não é possível dizer quantas posições exatamente, pois essa questão é muito dinâmica. Ou seja, todas as regiões estão se mexendo”, destacou o especialista.

O incremento na geração de riquezas dos municípios viria em momento importante, isso porque o Grande ABC vem perdendo a participação na economia nacional. O total de bens e riquezas oriundos das sete cidades passou de 1,89% em 2015 para 1,78% em 2016. Esse movimento é explicado, essencialmente, por conta da indústria, setor que possui maior valor agregado e tem forte representação nas sete cidades, mas que foi duramente atingido durante a crise econômica, cujo auge se deu no biênio 2015/2016.

“Há também outro efeito não desprezível: a existência do Metrô permitiria um maior raio de possibilidades mais rápidas dos trabalhadores procurarem empregos, bem como das empresas contratarem profissionais. Isso nos dois sentidos: daqui para São Paulo, como de lá para a região”, analisou o professor.

Dentre outros benefícios à economia regional já listados pelo Diário que seriam causados pela implantação da linha no Grande ABC, estão a valorização dos bairros no entorno das estações em até 70% no período de dez anos, o aumento em até 10% de arrecadação tributária das prefeituras por conta da ampliação da atividade econômica e a recuperação de áreas abandonadas, entre outras.

A resposta definitiva sobre o meio de transporte que será utilizado na região será dada pelo governador João Doria (PSDB) no mês que vem. A outra opção considerada pelo Estado é o BRT (sigla em inglês para sistema de transporte rápido por ônibus).
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Metrô deve aumentar PIB regional em até 1,7% por ano

Com a Linha 18-Bronze, Grande ABC poderá subir no ranking das cidades com maior geração de riquezas do País

Yara Ferraz
Do Diário do Grande ABC

12/05/2019 | 09:41


O projeto da Linha 18-Bronze, que prevê trazer o Metrô para o Grande ABC, deve gerar impactos importantes na geração de riquezas das sete cidades. A estimativa é a de que a implantação do novo modal possa ampliar o PIB (Produto Interno Bruto) regional em até 1,7% por ano.

A informação tem como base levantamentos acadêmicos levantados pelo economista e coordenador do Conjuscs (Observatório de Políticas Públicas, Empreendedorismo e Conjuntura), da USCS (Universidade Municipal de São Caetano), Jefferson José da Conceição. “Os estudos apontam que a existência do Metrô permite uma redução significativa no tempo de deslocamento diário de casa para o trabalho, o que, por sua vez, aumenta a produtividade do trabalhador. Isso gera uma série de efeitos sistêmicos positivos”, afirmou.

Segundo o especialista, entre esses efeitos estão a expansão do comércio e dos serviços na região, impulsionados pelo maior mobilidade dos consumidores. “Algumas pesquisas importantes apontam para o impacto do Metrô na produtividade do trabalho, considerando a mobilidade e a acessibilidade que o modal permite. São Paulo tem cerca de 70 km de extensão e pouco mais de 60 estações. É preciso estender a quilometragem do meio de transporte, de forma a reduzir a diferença em relação ao Metrô de outras grandes metrópoles”, completou Conceição.

Os últimos dados municipais divulgados pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) em dezembro de 2018 mostram que a região acumulou PIB de R$ 112,04 bilhões em 2016. O montante garante a manutenção do Grande ABC (considerando que fosse um município) no quarto lugar do ranking entre as dez cidades com maior participação no PIB nacional, atrás apenas de São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília.

Ou seja, com a vinda do novo modal para a região, as sete cidades poderiam alçar posto de maior destaque no ranking, com acréscimo de até R$ 1,9 bilhão anual. “Certamente subiríamos, mas não é possível dizer quantas posições exatamente, pois essa questão é muito dinâmica. Ou seja, todas as regiões estão se mexendo”, destacou o especialista.

O incremento na geração de riquezas dos municípios viria em momento importante, isso porque o Grande ABC vem perdendo a participação na economia nacional. O total de bens e riquezas oriundos das sete cidades passou de 1,89% em 2015 para 1,78% em 2016. Esse movimento é explicado, essencialmente, por conta da indústria, setor que possui maior valor agregado e tem forte representação nas sete cidades, mas que foi duramente atingido durante a crise econômica, cujo auge se deu no biênio 2015/2016.

“Há também outro efeito não desprezível: a existência do Metrô permitiria um maior raio de possibilidades mais rápidas dos trabalhadores procurarem empregos, bem como das empresas contratarem profissionais. Isso nos dois sentidos: daqui para São Paulo, como de lá para a região”, analisou o professor.

Dentre outros benefícios à economia regional já listados pelo Diário que seriam causados pela implantação da linha no Grande ABC, estão a valorização dos bairros no entorno das estações em até 70% no período de dez anos, o aumento em até 10% de arrecadação tributária das prefeituras por conta da ampliação da atividade econômica e a recuperação de áreas abandonadas, entre outras.

A resposta definitiva sobre o meio de transporte que será utilizado na região será dada pelo governador João Doria (PSDB) no mês que vem. A outra opção considerada pelo Estado é o BRT (sigla em inglês para sistema de transporte rápido por ônibus).
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;