Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Estado da Geórgia aprova dura lei antiaborto



07/05/2019 | 18:08


O governador do Estado da Geórgia, Brian Kemp, sancionou nesta terça-feira, 7, uma das medidas antiaborto mais duras dos EUA, que proíbe interromper a gravidez depois das seis semanas de gestação.

O republicano disse que a lei é uma garantia para que "todos" os moradores da Geórgia "tenham as oportunidades de viver, crescer, aprender e prosperar". "Nós não vamos voltar atrás", disse. "Nós sempre continuaremos lutando pela vida".

Mais ativa organização de defesa dos direitos humanos nos EUA, A União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) promete entrar na Justiça contra a "lei da ''batida do coração", alegando que ela é inconstitucional.

Na prática, a lei, que passa valer a partir de 2020, criminaliza o aborto uma vez detectada uma batida de coração no útero, o que acontece geralmente na sexta semana de gravidez. Até então, o aborto era proibido no Estado a partir da 20ª semana de gravidez.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Estado da Geórgia aprova dura lei antiaborto


07/05/2019 | 18:08


O governador do Estado da Geórgia, Brian Kemp, sancionou nesta terça-feira, 7, uma das medidas antiaborto mais duras dos EUA, que proíbe interromper a gravidez depois das seis semanas de gestação.

O republicano disse que a lei é uma garantia para que "todos" os moradores da Geórgia "tenham as oportunidades de viver, crescer, aprender e prosperar". "Nós não vamos voltar atrás", disse. "Nós sempre continuaremos lutando pela vida".

Mais ativa organização de defesa dos direitos humanos nos EUA, A União Americana pelas Liberdades Civis (ACLU) promete entrar na Justiça contra a "lei da ''batida do coração", alegando que ela é inconstitucional.

Na prática, a lei, que passa valer a partir de 2020, criminaliza o aborto uma vez detectada uma batida de coração no útero, o que acontece geralmente na sexta semana de gravidez. Até então, o aborto era proibido no Estado a partir da 20ª semana de gravidez.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;