Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 26 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Diálogo entre real e terror para representar o mundo atual



02/05/2019 | 07:13


A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida, é exemplo da tendência atual de fundir o gênero terror a questões sociais. São filmes como Nó do Diabo (vários autores), Trabalhar Cansa, da dupla Julia Rojas & Marco Dutra, e Animal Cordial, da própria Gabriela. Há um dado geracional nessa opção, mas também uma questão política, que tem a ver com o estado do mundo, de modo geral, e do Brasil, em particular.

Neste caso, outras questões se agregam - e de maneira a adensar o conjunto. A história é a do contato da menina Dalva (Nina Medeiros) com a morte. A mãe morreu jovem, a garota mora com o pai, Jorge (Júlio Machado) e a tia, Cristina (Luciana Paes).

Jorge vive atormentado pela morte da mulher - é um materialista sem transcendência, que só encontra angústia e escuridão pelo caminho. Uma das cenas mais incômodas é a exumação do corpo da mulher para que os ossos sejam trasladados de local.

Por outro lado, a tia e a sobrinha são cúmplices em um mundo no qual a magia e, talvez, a vida após a morte, tenham lugar. Neste mundo, é tão natural que um casamento possa se realizar sob os auspícios de Santo Antonio quanto uma morta regressar aos seus. Desde que haja desejo suficiente para que isso aconteça.

A estratégia de Gabriela é colocar essas duas concepções do mundo em fricção - o materialismo desesperado do pai, o espiritualismo igualmente angustiado da tia e da sobrinha. Ambos são baseados na dor, mas o primeiro é a dor do desespero e o segundo, a da esperança.

Há também outra vertente que se insinua na trama, que é a do mundo laboral. Jorge é trabalhador da construção civil. Vive na dureza e no perigo. Um amigo foi despedido e morreu. Acidente? Matou-se? Não se sabe. O ambiente de trabalho de Jorge não é apenas um cenário ocasional; é tão presente que se torna outro personagem desse drama sobre o luto não realizado.

Entre o manifesto materialismo de Jorge e o espiritualismo um tanto selvagem da menina (e também da tia), a cineasta sutilmente se encaminha para um clima de fantástico. É sempre um risco realizar essa travessia entre o realismo e a dimensão imaginária. As doses são cumulativas e dependem de um exercício controlado da textura cinematográfica e de uma trilha sonora colocada com parcimônia e, por isso mesmo, bastante eficácia.

Talvez o longa produza alguns arrepios, especialmente em sua fase final. Mas não é o que tem de mais importante nem mais forte. Sua qualidade maior é provocar uma sensação de mal-estar generalizado e crescente, que sobe à medida que as frustrações da vida e o inconformismo com a morte se desenham melhor.

Nesse sentido, e como retrato dessa pequena burguesia periférica, sem muita perspectiva nem de vida nem de fé, A Sombra do Pai revela o acerto da diretora ao trabalhar na simbiose de gêneros. Afinal, a vida por aqui não se parece mesmo a um filme de terror? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Diálogo entre real e terror para representar o mundo atual


02/05/2019 | 07:13


A Sombra do Pai, de Gabriela Amaral Almeida, é exemplo da tendência atual de fundir o gênero terror a questões sociais. São filmes como Nó do Diabo (vários autores), Trabalhar Cansa, da dupla Julia Rojas & Marco Dutra, e Animal Cordial, da própria Gabriela. Há um dado geracional nessa opção, mas também uma questão política, que tem a ver com o estado do mundo, de modo geral, e do Brasil, em particular.

Neste caso, outras questões se agregam - e de maneira a adensar o conjunto. A história é a do contato da menina Dalva (Nina Medeiros) com a morte. A mãe morreu jovem, a garota mora com o pai, Jorge (Júlio Machado) e a tia, Cristina (Luciana Paes).

Jorge vive atormentado pela morte da mulher - é um materialista sem transcendência, que só encontra angústia e escuridão pelo caminho. Uma das cenas mais incômodas é a exumação do corpo da mulher para que os ossos sejam trasladados de local.

Por outro lado, a tia e a sobrinha são cúmplices em um mundo no qual a magia e, talvez, a vida após a morte, tenham lugar. Neste mundo, é tão natural que um casamento possa se realizar sob os auspícios de Santo Antonio quanto uma morta regressar aos seus. Desde que haja desejo suficiente para que isso aconteça.

A estratégia de Gabriela é colocar essas duas concepções do mundo em fricção - o materialismo desesperado do pai, o espiritualismo igualmente angustiado da tia e da sobrinha. Ambos são baseados na dor, mas o primeiro é a dor do desespero e o segundo, a da esperança.

Há também outra vertente que se insinua na trama, que é a do mundo laboral. Jorge é trabalhador da construção civil. Vive na dureza e no perigo. Um amigo foi despedido e morreu. Acidente? Matou-se? Não se sabe. O ambiente de trabalho de Jorge não é apenas um cenário ocasional; é tão presente que se torna outro personagem desse drama sobre o luto não realizado.

Entre o manifesto materialismo de Jorge e o espiritualismo um tanto selvagem da menina (e também da tia), a cineasta sutilmente se encaminha para um clima de fantástico. É sempre um risco realizar essa travessia entre o realismo e a dimensão imaginária. As doses são cumulativas e dependem de um exercício controlado da textura cinematográfica e de uma trilha sonora colocada com parcimônia e, por isso mesmo, bastante eficácia.

Talvez o longa produza alguns arrepios, especialmente em sua fase final. Mas não é o que tem de mais importante nem mais forte. Sua qualidade maior é provocar uma sensação de mal-estar generalizado e crescente, que sobe à medida que as frustrações da vida e o inconformismo com a morte se desenham melhor.

Nesse sentido, e como retrato dessa pequena burguesia periférica, sem muita perspectiva nem de vida nem de fé, A Sombra do Pai revela o acerto da diretora ao trabalhar na simbiose de gêneros. Afinal, a vida por aqui não se parece mesmo a um filme de terror? As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;