Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 23 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Internacional

internacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Guarda Nacional da Venezuela reprime manifestantes e deixa 40 feridos

Reprodução/TV Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Autoproclamado residente interino Juan Guaidó afirma que Forças Armadas estão ao seu lado



30/04/2019 | 12:17


Atualizado 16h30

A Guarda Nacional venezuelana, aliada a Nicolás Maduro, reprime com força nas ruas da capital do país, os movimentos de opositores civis e militares que tentam derrubar o regime chavista, fazendo uso de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, além das tentativas de atropelamento aos manifestantes.

Apesar de o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó afirmar que as Forças Armadas estão ao seu lado para derrubar Maduro, o ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, disse que os militares se "mantém firmes" na defesa da constituição e de "suas autoridades legítimas", acusando os opositores de fomentar o "terror" em vias públicas. Guaidó pede aos manifestantes que não saiam das ruas. 

O líder da oposição venezuelana Leopoldo López conseguiu sair hoje da prisão domiciliar com a ajuda de militares que deixaram de apoiar o regime chavista, evidenciando uma divisão nas Forças Armadas do país. López chegou a divulgar uma foto em seu Twitter junto a Guaidó e pediu à população que tomasse as ruas de maneira pacífica. "Fazemos esse chamado a todos para que se somem a esse processo, um processo de unificação das forças armadas com o povo", disse. 

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, expressou o "completo apoio" de seu país ao povo venezuelano "em sua busca pela liberdade e a democracia", depois que o líder opositor Juan Guaidó anunciou a rebelião de um grupo de militares. "A democracia não pode ser derrotada", afirmou o secretário de Estado, que celebrou o início do que chamou "Operação Liberdade".

O Presidente Donald Trump ainda não se manifestou sobre a situação. A Casa Branca emitiu uma nota dizendo que Trump está observando e acompanhando o caso. 

Dados revelaram que o confronto violento contra os manifestante deixou ao menos 40 feridos. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guarda Nacional da Venezuela reprime manifestantes e deixa 40 feridos

Autoproclamado residente interino Juan Guaidó afirma que Forças Armadas estão ao seu lado


30/04/2019 | 12:17


Atualizado 16h30

A Guarda Nacional venezuelana, aliada a Nicolás Maduro, reprime com força nas ruas da capital do país, os movimentos de opositores civis e militares que tentam derrubar o regime chavista, fazendo uso de gás lacrimogêneo para dispersar os manifestantes, além das tentativas de atropelamento aos manifestantes.

Apesar de o autoproclamado presidente interino Juan Guaidó afirmar que as Forças Armadas estão ao seu lado para derrubar Maduro, o ministro da Defesa da Venezuela, Vladimir Padrino López, disse que os militares se "mantém firmes" na defesa da constituição e de "suas autoridades legítimas", acusando os opositores de fomentar o "terror" em vias públicas. Guaidó pede aos manifestantes que não saiam das ruas. 

O líder da oposição venezuelana Leopoldo López conseguiu sair hoje da prisão domiciliar com a ajuda de militares que deixaram de apoiar o regime chavista, evidenciando uma divisão nas Forças Armadas do país. López chegou a divulgar uma foto em seu Twitter junto a Guaidó e pediu à população que tomasse as ruas de maneira pacífica. "Fazemos esse chamado a todos para que se somem a esse processo, um processo de unificação das forças armadas com o povo", disse. 

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos, Mike Pompeo, expressou o "completo apoio" de seu país ao povo venezuelano "em sua busca pela liberdade e a democracia", depois que o líder opositor Juan Guaidó anunciou a rebelião de um grupo de militares. "A democracia não pode ser derrotada", afirmou o secretário de Estado, que celebrou o início do que chamou "Operação Liberdade".

O Presidente Donald Trump ainda não se manifestou sobre a situação. A Casa Branca emitiu uma nota dizendo que Trump está observando e acompanhando o caso. 

Dados revelaram que o confronto violento contra os manifestante deixou ao menos 40 feridos. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;