Fechar
Publicidade

Domingo, 17 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

O documento que os De Martini legam a São Caetano

Na Semana São Caetano aqui em Memória, um documento que leva ao século 19: o título de propriedade de colono do imigrante Martino De Martini


Ademir Medici
Do Diário do Grande ABC

29/07/2010 | 00:00


Na Semana São Caetano aqui em Memória, um documento que leva ao século 19: o título de propriedade de colono do imigrante Martino De Martini. Trata-se do lote nº 36. A família só pôde regularizar a posse após completar o pagamento de 62, 5 mil réis. Ou seja: os De Martini chegaram em 1878, formando na segunda leva de imigrantes italianos; trabalharam o suficiente para completar o pagamento da terra, o que levou 13 anos - o título de propriedade é datado de 12 de março de 1891.

Não era terra distribuída, pelo Império ou pelo Estado, mas comprada pelo imigrante que trocava a Itália em crise pelo Brasil que partia para a República já com a abolição oficial da mão de obra negra e escrava.

O original do título de Martino De Martini passou de geração para geração e agora foi cedido à Fundação Pró-Memória pela bisneta do pioneiro, Madalena De Martini, que é casada com João Batista Pinto.

Os dados do título batem, em detalhes, com a pesquisa do professor José de Souza Martins, autor do livro Subúrbio. No título, a colônia dos De Martini é identificada como vizinha de quatro outros lotes: ao Norte, o 35, de Domenico Bottan; ao Sul, o 37, pertencente a Francisco De Martini; a Leste, o 53, propriedade de Francesco e Girolamo Pizzolli; a Oeste, o 44, de Modesto Castelotti. Ou como registram os estudos do professor Martins.

CARACTERÍSTICAS
O lote 36 de Martino De Martini mede 30.880 braças quadradas, ou 149.459,56 m², que corresponderiam, atualmente, à área que fica entre a Rua Amazonas e Avenida Armando de Arruda Pereira, num total aproximado de seis quarteirões.

A família De Martini residia em casa da atual Rua dos Expedicionários, perto da igreja da Candelária, na parte alta de São Caetano.

O título recebido pela Fundação Pró-Memória traz a assinatura de Américo Brasiliense de Almeida Melo, o terceiro governador do Estado de São Paulo (março a dezembro de 1891) e o primeiro presidente do Estado de São Paulo. Aparece também a assinatura de Leandro Dupret, delegado da Inspetoria de Terras e Colonização.

Por todas essas informações, esse titulo é muito importante à História de São Caetano. Ele está registrado sob o número 296, folhas 270, do livro nº 1 dos títulos da Colônia de São Caetano, cujos originais podem ser consultados no Arquivo Público do Estado, além de outros livros, inclusive os dos Núcleos Coloniais de São Bernardo e Ribeirão Pires.

REGISTRO
Pedro De Martini, pai de Madalena, trabalhou durante 35 anos na Cerâmica São Caetano, indústria referencial que ficava próxima aos lotes aqui citados.

DIARIO HÁ 30 ANOS
Terça-feira, 29 de julho de 1980

Manchete - Figueiredo (presidente da República) condena hegemonias em nova ordem internacional

São Caetano - Dom Antonio Pedro Misiara, bispo de Bragança Paulista, celebra missa campal defronte à Matriz Velha, em comemoração ao aniversário de São Caetano.

- Prefeitura inaugura o Estádio Natale Cavalheiro, na Vila São José.

- Também é inaugurada a Seção de Vigilância Sanitária, na Rua Justino Paixão.

Editorial - A ordem é preservar o que resta da natureza

Publicidade - Vem aí o Censo 80: Fala Brasil!

Olímpiada - Brasil ganha ouro na Classe Tornado do iatismo, com Alexandre Walter e Lars Bjorkstron, em Moscou.

MPB - "Música foi meu primeiro e único amor", de autoria de Jamil Alsberg e defendida por Marilia Solange Mattar, foi a vencedora do 5º Famp (Festival Andreense de Música Popular), realizado domingo no Teatro Municipal.

Polícia - Discussão, facadas e morte durante almoço em Mauá.

EM 29 DE JULHO DE...
1875 - Inaugurada a iluminação a gás em Campinas.

1920 - Octavio Boff nasce na Linha Jurubatuba, em São Bernardo. Foi um dos animadores culturais (leiloeiro) da Matriz do bairro Assunção.

1916 - Casam-se em São Bernardo: Cassettari Pacífico, 18 anos. Fotógrafo. Natural de Castiglione de Garfagnana, residente no Distrito de Paranapiacaba; e Vitalina de Oliveira, 17 anos, natural de Itu (SP).

1935 - Falece, no Rio de Janeiro, o embaixador Pedro de Toledo, hoje nome oficial do Largo da Estátua, em Santo André.

Agenda da Fundação Pró-Memória
Sessenta e seis anos da fundação do Jabaquara FC, da Vila Prosperidade.

Trabalhadores
Nascem em 29 de julho:
1921 - Domingos Batista Nascimento. Industriário da Rhodia. Residência: Rua Alegre, 69.

1930 - Ary Moreira dos Santos. Natural de Santa Rita do Passa Quatro. Pedreiro da Eltrocloro. Residência: Vila Mortari.
Fonte: 1º livro geral de registro dos associados do Sindicato dos Químicos do ABC.

MUNICÍPIO PAULISTA
Porto Ferreira, criado pela lei estadual nº 424, de 29 de julho de 1896. O nome homenageia o balseiro João Inácio Ferreira, que fazia a travessia do Rio Mogi-Guaçu.

HOJE
Dia do Hoteleiro.

SANTOS DO DIA
Beatriz de Roma, Marta e Olavo.
Santa Marta era irmã de Lázaro e de Maria Madalena e recebeu mais de uma vez a visita de Jesus Cristo em sua casa, esforçando-se por atendê-lo com o máximo zelo. É por isso honrada como padroeira das cozinheiras e das donas de casa. Segundo antiga tradição, foi com seus irmãos para o Sul da França, onde faleceu.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;