Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

'Quem tem a razão não berra, faz a questão de ordem', diz Francischini



23/04/2019 | 15:48


Numa mudança de postura, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Felipe Francischini (PSL-PR), disse que não vai aceitar gritos da oposição na sessão de votação da reforma da Previdência.

"Isso daqui não é feira", afirmou o presidente, que adotou um estilo mais duro e incisivo do que nas sessões anteriores de discussão da reforma, que foram marcadas por muita gritaria, bate-boca e tumulto entre oposicionistas e deputados da base aliada.

Elevando a voz e batendo a mão na mesa, Francischini disse que não abriria mais o microfone.

"Quem tem a razão não berra, faz a questão de ordem. Se tivessem embasamento jurídico, falariam um de cada vez", reagiu o presidente da CCJ diante de novas tentativas de parlamentares da oposição para suspender a votação até que o governo envie os dados de impacto da reforma.

Em meio à gritaria da oposição, Francischini pediu aos deputados: "Vossas excelências parem de urrar e gritar".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Quem tem a razão não berra, faz a questão de ordem', diz Francischini


23/04/2019 | 15:48


Numa mudança de postura, o presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Felipe Francischini (PSL-PR), disse que não vai aceitar gritos da oposição na sessão de votação da reforma da Previdência.

"Isso daqui não é feira", afirmou o presidente, que adotou um estilo mais duro e incisivo do que nas sessões anteriores de discussão da reforma, que foram marcadas por muita gritaria, bate-boca e tumulto entre oposicionistas e deputados da base aliada.

Elevando a voz e batendo a mão na mesa, Francischini disse que não abriria mais o microfone.

"Quem tem a razão não berra, faz a questão de ordem. Se tivessem embasamento jurídico, falariam um de cada vez", reagiu o presidente da CCJ diante de novas tentativas de parlamentares da oposição para suspender a votação até que o governo envie os dados de impacto da reforma.

Em meio à gritaria da oposição, Francischini pediu aos deputados: "Vossas excelências parem de urrar e gritar".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;