Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Doria altera composição do conselho do patrimônio

Nario Barbosa/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Órgão teve redução no número de representantes de universidades, passando de 13 para 5



17/04/2019 | 07:35


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), alterou a composição do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat). O órgão teve redução no número de representantes de universidades, passando de 13 para 5.

O número de cadeiras reservadas a órgãos ligados ao governo (secretarias, estatais e Procuradoria-Geral do Estado) foi de 13 para 12 - a Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa), que tinha representação no conselho até este ano, foi retirada da lista. O conselho regional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), também. Além disso, o decreto de Doria fixou o número de representantes, que era de 30 até a última composição, em 24 conselheiros. Para o governo, as mudanças tornam o conselho "paritário" - com o mesmo número de representantes do governo e da sociedade civil, 12 para cada.

A forma como os representantes das universidades serão nomeados no conselho também mudou. O decreto determina que cada instituição apresente lista tríplice de indicados, acompanhada dos respectivos currículos. Anteriormente, tinham autonomia para determinar titulares e suplentes.

Responsável por decidir sobre pedidos de tombamento e intervenções em bens históricos protegidos em nível estadual, o Condephaat está sem atividades há 50 dias. O mandato de dois anos dos antigos representantes terminou no dia 10 de março - e o órgão não se reúne desde o fim de fevereiro.

O governo já havia indicado na semana passada que planejava alterar a composição do colegiado. Em nota, disse nesta terça-feira, 16, que as modificações têm como finalidade fazer com que o conselho seja "mais eficiente e eficaz", e as cadeiras reservadas às universidades serão "proporcionais à de outros órgãos da sociedade civil".

Com as mudanças, foram incluídos representantes da Associação Paulista de Municípios, da Universidade Federal de São Paulo e ainda três profissionais de notório saber - das áreas de História, Urbanismo e Patrimônio Imaterial -, que serão indicados pelo governo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Doria altera composição do conselho do patrimônio

Órgão teve redução no número de representantes de universidades, passando de 13 para 5


17/04/2019 | 07:35


O governador de São Paulo, João Doria (PSDB), alterou a composição do Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat). O órgão teve redução no número de representantes de universidades, passando de 13 para 5.

O número de cadeiras reservadas a órgãos ligados ao governo (secretarias, estatais e Procuradoria-Geral do Estado) foi de 13 para 12 - a Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano (Emplasa), que tinha representação no conselho até este ano, foi retirada da lista. O conselho regional da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), também. Além disso, o decreto de Doria fixou o número de representantes, que era de 30 até a última composição, em 24 conselheiros. Para o governo, as mudanças tornam o conselho "paritário" - com o mesmo número de representantes do governo e da sociedade civil, 12 para cada.

A forma como os representantes das universidades serão nomeados no conselho também mudou. O decreto determina que cada instituição apresente lista tríplice de indicados, acompanhada dos respectivos currículos. Anteriormente, tinham autonomia para determinar titulares e suplentes.

Responsável por decidir sobre pedidos de tombamento e intervenções em bens históricos protegidos em nível estadual, o Condephaat está sem atividades há 50 dias. O mandato de dois anos dos antigos representantes terminou no dia 10 de março - e o órgão não se reúne desde o fim de fevereiro.

O governo já havia indicado na semana passada que planejava alterar a composição do colegiado. Em nota, disse nesta terça-feira, 16, que as modificações têm como finalidade fazer com que o conselho seja "mais eficiente e eficaz", e as cadeiras reservadas às universidades serão "proporcionais à de outros órgãos da sociedade civil".

Com as mudanças, foram incluídos representantes da Associação Paulista de Municípios, da Universidade Federal de São Paulo e ainda três profissionais de notório saber - das áreas de História, Urbanismo e Patrimônio Imaterial -, que serão indicados pelo governo. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;