Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Criminosos abrem vão para furtar cemitério

Celso Luiz/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Na Vila Pires, em Sto.André, registros de saques de placas de bronze tiveram alta após queda de muro


Flávia Fernandes
especial para o Diário

17/04/2019 | 07:00


O Cemitério Cristo Redentor, na Vila Pires, em Santo André, vem sendo alvo de ocorrências diárias de furtos de placas de bronze e portas de alumínio de túmulos e jazigos. O local, que já sofria ocasionalmente com este tipo de ação, apresentou aumento significativo dos crimes após queda de parte do muro do local, no fim de fevereiro, em decorrência da chuva. Embora a área esteja protegida por tapumes, criminosos abriram vão entre as madeiras para facilitar a entrada. Conforme funcionários do equipamento, já foram pelo menos 30 registros nos últimos 30 dias.

O aposentado Vanderlei Ferreira, 64 anos, morador de Santo André, é proprietário de túmulo onde estão enterrados pai, mãe e irmão. Ele reclama do roubo de letras de bronze da lápide da família. “Cheguei de manhã para limpar e tinham levado as letras. Tenho essa lápide há 20 anos e isso nunca tinha acontecido”, reclama.

Funcionários do cemitério associam o aumento do númeo de crimes com o alto número de pessoas em situação de rua no local. “Eles entram no cemitério para levar materiais que podem ser vendidos para comprar drogas”, opina Claudeni Costa, 33, assistente administrativa do lugar. Segundo ela, a administração do local já recebeu pelo menos 30 reclamações de furtos no último mês.

O principal facilitador para os criminosos tem sido área do cemitério em obras, na Rua Coimbra. O local onde se encontrava o muro que cedeu está fechado com tapumes de madeira, mas algumas divisórias estão soltas e podem ser retiradas facilmente.

No período da noite, o local fica fechado, contando com a ronda da GCM (Guarda Civil Municipal) para proteger o lugar. Conforme a Prefeitura, foi aberto processo administrativo para a apuração das ocorrências e a GCM vai reforçar o patrulhamento na região. Sobre o muro, a administração informou que obra está em andamento. 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Criminosos abrem vão para furtar cemitério

Na Vila Pires, em Sto.André, registros de saques de placas de bronze tiveram alta após queda de muro

Flávia Fernandes
especial para o Diário

17/04/2019 | 07:00


O Cemitério Cristo Redentor, na Vila Pires, em Santo André, vem sendo alvo de ocorrências diárias de furtos de placas de bronze e portas de alumínio de túmulos e jazigos. O local, que já sofria ocasionalmente com este tipo de ação, apresentou aumento significativo dos crimes após queda de parte do muro do local, no fim de fevereiro, em decorrência da chuva. Embora a área esteja protegida por tapumes, criminosos abriram vão entre as madeiras para facilitar a entrada. Conforme funcionários do equipamento, já foram pelo menos 30 registros nos últimos 30 dias.

O aposentado Vanderlei Ferreira, 64 anos, morador de Santo André, é proprietário de túmulo onde estão enterrados pai, mãe e irmão. Ele reclama do roubo de letras de bronze da lápide da família. “Cheguei de manhã para limpar e tinham levado as letras. Tenho essa lápide há 20 anos e isso nunca tinha acontecido”, reclama.

Funcionários do cemitério associam o aumento do númeo de crimes com o alto número de pessoas em situação de rua no local. “Eles entram no cemitério para levar materiais que podem ser vendidos para comprar drogas”, opina Claudeni Costa, 33, assistente administrativa do lugar. Segundo ela, a administração do local já recebeu pelo menos 30 reclamações de furtos no último mês.

O principal facilitador para os criminosos tem sido área do cemitério em obras, na Rua Coimbra. O local onde se encontrava o muro que cedeu está fechado com tapumes de madeira, mas algumas divisórias estão soltas e podem ser retiradas facilmente.

No período da noite, o local fica fechado, contando com a ronda da GCM (Guarda Civil Municipal) para proteger o lugar. Conforme a Prefeitura, foi aberto processo administrativo para a apuração das ocorrências e a GCM vai reforçar o patrulhamento na região. Sobre o muro, a administração informou que obra está em andamento. 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;