Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Guedes: presidente da Petrobras sabe que tem que trabalhar práticas de preços

Arquivo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Guedes disse que não quer repetir Dilma Rousseff, que segurou preços de petróleo



16/04/2019 | 19:51


Depois da forte reação do mercado à suspensão do reajuste do diesel a pedido do presidente Jair Bolsonaro, ministros se esforçaram para transmitir a imagem de que a Petrobras é livre para decidir sua política de preços. Apesar disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que a política não é suficientemente transparente e que mudanças estão em estudo.

"Saímos convencidos de que presidente da Petrobras sabe que tem que trabalhar práticas de preços. Ele tem o encargo de tornar a política cada vez mais transparente", afirmou.

Guedes reforçou que não haverá interferência política na estatal e disse que a dimensão econômica que tem que ser considerada até mesmo para não atrapalhar os futuros leilões de petróleo que serão feitos e terão a participação da empresa. "Temos R$ 1 trilhão para sair do pré-sal, se manipular preço, todo processo é afetado", completou.

Guedes disse que não quer repetir o "fenômeno Dilma Rousseff", numa referência à ex-presidente ter segurado preços de petróleo, nem "muito menos o fenômeno Venezuela". "Não queremos de forma alguma ser governo que manipula política de preços, como no passado."

Ele admitiu que a ação de Bolsonaro dá margem de interpretação de que houve uma intervenção, mas disse que é natural que peça explicações.

O ministro afirmou que o presidente saiu convencido da reunião e que mostrou a ele que houve, no passado, períodos em que a Petrobras cobrava valores muito acima ou muito abaixo dos internacionais. "Dissemos a presidente que queremos ir para as melhores práticas internacionais", completou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guedes: presidente da Petrobras sabe que tem que trabalhar práticas de preços

Guedes disse que não quer repetir Dilma Rousseff, que segurou preços de petróleo


16/04/2019 | 19:51


Depois da forte reação do mercado à suspensão do reajuste do diesel a pedido do presidente Jair Bolsonaro, ministros se esforçaram para transmitir a imagem de que a Petrobras é livre para decidir sua política de preços. Apesar disso, o ministro da Economia, Paulo Guedes, admitiu que a política não é suficientemente transparente e que mudanças estão em estudo.

"Saímos convencidos de que presidente da Petrobras sabe que tem que trabalhar práticas de preços. Ele tem o encargo de tornar a política cada vez mais transparente", afirmou.

Guedes reforçou que não haverá interferência política na estatal e disse que a dimensão econômica que tem que ser considerada até mesmo para não atrapalhar os futuros leilões de petróleo que serão feitos e terão a participação da empresa. "Temos R$ 1 trilhão para sair do pré-sal, se manipular preço, todo processo é afetado", completou.

Guedes disse que não quer repetir o "fenômeno Dilma Rousseff", numa referência à ex-presidente ter segurado preços de petróleo, nem "muito menos o fenômeno Venezuela". "Não queremos de forma alguma ser governo que manipula política de preços, como no passado."

Ele admitiu que a ação de Bolsonaro dá margem de interpretação de que houve uma intervenção, mas disse que é natural que peça explicações.

O ministro afirmou que o presidente saiu convencido da reunião e que mostrou a ele que houve, no passado, períodos em que a Petrobras cobrava valores muito acima ou muito abaixo dos internacionais. "Dissemos a presidente que queremos ir para as melhores práticas internacionais", completou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;