Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 24 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Foi 'elogio', afirma Maia sobre ter sido chamado de 'primeiro-ministro' do País



15/04/2019 | 21:39


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira, 15, que ter sido chamado de "primeiro-ministro" foi um elogio, mas que não condiz com a verdade.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), disse que Maia é o primeiro-ministro do País.

"Delegado Waldir é meu amigo, sei que ele colocou como um elogio. Mas a gente tem de colocar as coisas no lugar para não desorganizar o que é o sistema democrático, o sistema presidencialista brasileiro", disse a jornalistas, após participar de reunião com empresários e conselheiros da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Para Maia, quem comanda a agenda de aprovação de matérias importantes é o presidente da República. "Se a gente suprimir a responsabilidade dele, transferir para outros, pode correr o risco de não ter a (reforma da) Previdência aprovada, a tributária aprovada", disse.

Maia e o clã Bolsonaro protagonizaram atritos neste início de governo, devido à articulação dos projetos formulados pelo Executivo na Câmara. Maia havia definido que não seria viável encaminhar simultaneamente as propostas da reforma da Previdência, do ministro da Economia Paulo Guedes, e do projeto anticrime, do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

Após Maia criticar Moro por cobranças, Bolsonaro e seu filho, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC) chegaram a verbalizar criticas indiretas ao presidente da Câmara através das redes sociais e em afirmações públicas. Maia também criticou Bolsonaro por falta de articulação no Congresso. O conflito foi apaziguado após encontro entre Maia e Moro, quando afirmaram que chegaram a um acordo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Foi 'elogio', afirma Maia sobre ter sido chamado de 'primeiro-ministro' do País


15/04/2019 | 21:39


O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse nesta segunda-feira, 15, que ter sido chamado de "primeiro-ministro" foi um elogio, mas que não condiz com a verdade.

Em entrevista ao jornal O Estado de S. Paulo, o líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (GO), disse que Maia é o primeiro-ministro do País.

"Delegado Waldir é meu amigo, sei que ele colocou como um elogio. Mas a gente tem de colocar as coisas no lugar para não desorganizar o que é o sistema democrático, o sistema presidencialista brasileiro", disse a jornalistas, após participar de reunião com empresários e conselheiros da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Para Maia, quem comanda a agenda de aprovação de matérias importantes é o presidente da República. "Se a gente suprimir a responsabilidade dele, transferir para outros, pode correr o risco de não ter a (reforma da) Previdência aprovada, a tributária aprovada", disse.

Maia e o clã Bolsonaro protagonizaram atritos neste início de governo, devido à articulação dos projetos formulados pelo Executivo na Câmara. Maia havia definido que não seria viável encaminhar simultaneamente as propostas da reforma da Previdência, do ministro da Economia Paulo Guedes, e do projeto anticrime, do ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro.

Após Maia criticar Moro por cobranças, Bolsonaro e seu filho, o vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC) chegaram a verbalizar criticas indiretas ao presidente da Câmara através das redes sociais e em afirmações públicas. Maia também criticou Bolsonaro por falta de articulação no Congresso. O conflito foi apaziguado após encontro entre Maia e Moro, quando afirmaram que chegaram a um acordo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;