Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 15 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

MP-SP vai apurar suspeitas na eleição de Cauê Macris



10/04/2019 | 11:50


O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) abriu um procedimento preparatório sigiloso para apurar suspeitas de irregularidades na campanha eleitoral do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Cauê Macris (PSDB). O tucano recebeu cerca de R$ 200 mil em doações feitas por nove assessores do Parlamento e 92 fiscais da Receita Estadual em 2018.

O pedido de investigação foi feito no dia 25 de fevereiro pelo deputado estadual Gil Diniz, líder do PSL na Assembleia. A representação foi encaminhada para o procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, que tem a competência para abrir uma investigação contra o presidente da Alesp.

Mais de 40 dias depois, a assessoria do MP paulista informou nesta semana que foi aberto um procedimento preparatório, no qual os procuradores terão até 60 dias para avaliar se há elementos suficientes para a abertura de um inquérito civil para investigar Cauê. As suspeitas foram levantadas pela Procuradoria Regional Eleitoral após a eleição. As contas de campanha do tucano foram aprovadas com ressalvas pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Em fevereiro, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que as campanhas do tucano e do pai dele, o deputado federal Vanderlei Macris (PSDB), depositaram R$ 881 mil em cheques na conta de um posto de gasolina que pertence a Cauê. Ele disse que usou a empresa para facilitar o pagamento de cabos eleitorais do interior que não possuem conta bancária. Dois meses após a eleição, o posto de gasolina quitou uma dívida de R$ 344,2 mil referente à compra de um apartamento de alto padrão em São Paulo, avaliado em R$ 2,3 milhões.

Em nota, a assessoria de Cauê Macris afirmou que "a denúncia feita pelo deputado Gil Diniz foi uma ação eleitoreira, desconectada da realidade e feita durante a disputa eleitoral pela presidência". O tucano disse ainda que não foi notificado oficialmente sobre o caso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

MP-SP vai apurar suspeitas na eleição de Cauê Macris


10/04/2019 | 11:50


O Ministério Público de São Paulo (MP-SP) abriu um procedimento preparatório sigiloso para apurar suspeitas de irregularidades na campanha eleitoral do presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Cauê Macris (PSDB). O tucano recebeu cerca de R$ 200 mil em doações feitas por nove assessores do Parlamento e 92 fiscais da Receita Estadual em 2018.

O pedido de investigação foi feito no dia 25 de fevereiro pelo deputado estadual Gil Diniz, líder do PSL na Assembleia. A representação foi encaminhada para o procurador-geral de Justiça, Gianpaolo Smanio, que tem a competência para abrir uma investigação contra o presidente da Alesp.

Mais de 40 dias depois, a assessoria do MP paulista informou nesta semana que foi aberto um procedimento preparatório, no qual os procuradores terão até 60 dias para avaliar se há elementos suficientes para a abertura de um inquérito civil para investigar Cauê. As suspeitas foram levantadas pela Procuradoria Regional Eleitoral após a eleição. As contas de campanha do tucano foram aprovadas com ressalvas pelo Tribunal Regional Eleitoral.

Em fevereiro, o jornal O Estado de S. Paulo revelou que as campanhas do tucano e do pai dele, o deputado federal Vanderlei Macris (PSDB), depositaram R$ 881 mil em cheques na conta de um posto de gasolina que pertence a Cauê. Ele disse que usou a empresa para facilitar o pagamento de cabos eleitorais do interior que não possuem conta bancária. Dois meses após a eleição, o posto de gasolina quitou uma dívida de R$ 344,2 mil referente à compra de um apartamento de alto padrão em São Paulo, avaliado em R$ 2,3 milhões.

Em nota, a assessoria de Cauê Macris afirmou que "a denúncia feita pelo deputado Gil Diniz foi uma ação eleitoreira, desconectada da realidade e feita durante a disputa eleitoral pela presidência". O tucano disse ainda que não foi notificado oficialmente sobre o caso. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;