Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 21 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Supremo foi o fator de estabilidade democrática, diz Toffoli

Tomaz Silva/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Presidente do STF considera que desde 2013 Legislativo e o Executivo passam por crises e questionamentos por parte da sociedade



06/04/2019 | 21:22


O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), José Antonio Dias Toffoli, disse, em Boston (EUA), que o a Corte foi o "fator de estabilidade democrática" no País no período que começa em 2013 e se prolonga até hoje, no qual, segundo sua análise, o Legislativo e o Executivo passavam por graves crises e questionamentos por parte da sociedade.

"Se chegamos até aqui e o povo pôde escolher seus representantes para deputado, senador, governador e presidente da República foi graças ao Supremo Tribunal Federal", afirmou ele, no painel sobre o papel do Judiciário realizado em Harvard dentro da Brazil Conference neste sábado, 6.

Toffoli listou várias crises recentes: começou nos protestos de rua em 2013, seguiu pelas eleições de 2014 - nas quais, segundo ele, foi plantado o "ovo da serpente" da polarização política que chegou ao ápice em 2018 -, citou as grandes operações de combate à corrupção, depois o impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Lula, as denúncias contra Michel Temer e as eleições do ano passado.

"Todos esses casos que narrei passaram pelo Supremo Tribunal Federal", disse ele, para justificar sua tese e responder à pergunta do mediador do painel, o jurista Oscar Vilhena, sobre se o STF está preparado para resguardar a Constituição quando, de acordo com a sua visão, o governo de "extrema-direita" de Jair Bolsonaro defende projetos que se "chocam" com ela.

A senador Kátia Abreu (PDT-TO), que também integrou a mesa, disse que o STF acaba sendo instado a decidir sobre muitos aspectos que não deveriam ser de sua alçada pelo fato de a Constituição dispor sobre um leque muito grande de assuntos. "À medida que eu coloco na Constituição direitos que são legítimos, mas não são universais, eu ocupo o Judiciário. Quanto mais ativista é o Supremo por conta de uma Constituição enorme, a sociedade ocupa o Supremo com muitos assuntos que não são da sua atribuição", afirmou.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Supremo foi o fator de estabilidade democrática, diz Toffoli

Presidente do STF considera que desde 2013 Legislativo e o Executivo passam por crises e questionamentos por parte da sociedade


06/04/2019 | 21:22


O presidente do STF (Supremo Tribunal Federal), José Antonio Dias Toffoli, disse, em Boston (EUA), que o a Corte foi o "fator de estabilidade democrática" no País no período que começa em 2013 e se prolonga até hoje, no qual, segundo sua análise, o Legislativo e o Executivo passavam por graves crises e questionamentos por parte da sociedade.

"Se chegamos até aqui e o povo pôde escolher seus representantes para deputado, senador, governador e presidente da República foi graças ao Supremo Tribunal Federal", afirmou ele, no painel sobre o papel do Judiciário realizado em Harvard dentro da Brazil Conference neste sábado, 6.

Toffoli listou várias crises recentes: começou nos protestos de rua em 2013, seguiu pelas eleições de 2014 - nas quais, segundo ele, foi plantado o "ovo da serpente" da polarização política que chegou ao ápice em 2018 -, citou as grandes operações de combate à corrupção, depois o impeachment de Dilma Rousseff, a prisão de Lula, as denúncias contra Michel Temer e as eleições do ano passado.

"Todos esses casos que narrei passaram pelo Supremo Tribunal Federal", disse ele, para justificar sua tese e responder à pergunta do mediador do painel, o jurista Oscar Vilhena, sobre se o STF está preparado para resguardar a Constituição quando, de acordo com a sua visão, o governo de "extrema-direita" de Jair Bolsonaro defende projetos que se "chocam" com ela.

A senador Kátia Abreu (PDT-TO), que também integrou a mesa, disse que o STF acaba sendo instado a decidir sobre muitos aspectos que não deveriam ser de sua alçada pelo fato de a Constituição dispor sobre um leque muito grande de assuntos. "À medida que eu coloco na Constituição direitos que são legítimos, mas não são universais, eu ocupo o Judiciário. Quanto mais ativista é o Supremo por conta de uma Constituição enorme, a sociedade ocupa o Supremo com muitos assuntos que não são da sua atribuição", afirmou.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;