Fechar
Publicidade

Domingo, 26 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Regionais do Ciesp são a favor do Metrô

André Henriques Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Para empresários da região, o meio de transporte resolveria problemas em logística e mobilidade


Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

02/04/2019 | 07:24


Dirigentes das regionais do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) no Grande ABC acreditam que o Metrô seja a melhor alternativa para liga a região à Capital. Segundo eles, o modelo deve impactar positivamente na indústria, pois ajudará a resolver problemas em logística e mobilidade.

Para o diretor titular do Ciesp de São Bernardo, Cláudio Barberini Junior, estes são os principais problemas das empresas sediadas na região. Ele acredita que, com o Metrô, o setor se tornaria mais competitivo. “O modal seria importante para a mobilidade, pois agilizaria o deslocamento do funcionário, principalmente o que vem de São Paulo, e também na logística, porque muitas vezes o produto não chega na empresa ou chega com atraso. O Metrô ajudaria a destravar o trânsito, já que muitos carros que observamos na hora do congestionamento estão com apenas uma pessoa, que poderia usar o transporte coletivo integrado”, afirma.

Segundo Barberini Júnior, com o Metrô, o número de veículos travados nos horários de pico e que ficam estacionados nas ruas seria reduzido, principalmente de quem vem de São Paulo para a região. “Muitas vezes é mais fácil o caminhão do fornecedor chegar em Sorocaba, Interior de São Paulo, do que em São Caetano, por causa do trânsito. A questão da mobilidade na região tem que ser tratada com muito carinho. Já passou do tempo das promessas”, cobra.

O diretor do Ciesp Diadema, Anuar Dequech Júnior, afirma que a vinda do Metrô para a região é demanda antiga. “Nós já esperávamos que o meio de transporte viesse para cá quando a Estação Jabaquara (na Zona Sul de São Paulo) foi inaugurada, há mais de 40 anos”, garante.

Ele acredita que o modal seja mais indicado devido à questão do trânsito e que seria a melhor escolha, principalmente na comparação com o BRT (sigla em inglês para sistema de transporte rápido por ônibus), modelo que é estudado pelo Estado como alternativa à futura Linha 18–Bronze do Metrô. A resposta definitiva do governador João Doria (PSDB) sobre o assunto é prevista para junho.

“É muito mais inteligente colocar um tipo de modal que comporta mais gente do que fazer algo paliativo. O BRT pode até ser mais barato para a implantação, mas não comporta muitos usuários”, afirma. Para ele, as vantagens do Metrô são o “bem-estar e a qualidade na hora do deslocamento, pontos importantes para os usuários do Grande ABC.”

De acordo com o vice-diretor do Ciesp de Santo André, também responsável por Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, Emanuel Teixeira, o Metrô “é algo mais moderno, eficiente, rápido e adequado à modernidade.”

Para o empresário, a construção das estações também vai movimentar a indústria e outras áreas da economia regional. “Para começar, tem a questão imobiliária, que traz mais pessoas para a região. Com o início das obras, que envolvem muita tecnologia, se fomenta toda uma cadeia, contemplando a própria indústria. As empresas na parte de aço, elétrica e eletrônica podem ser beneficiadas”, explica.

O vice-presidente do Ciesp, Fausto Cestari, afirma que o Metrô também seria o caminho para a mobilidade na região. “Não precisamos de remendos, mas sim de uma solução bem estruturada”, diz.

“A Linha 18 seria a alternativa mais adequada para a ligação do Grande ABC com São Paulo. Nós já levamos muito tempo para nos integrar, apesar da ferrovia Santos-Jundiaí. Acho que o Metrô é o sistema ideal para as necessidades da região. A questão do deslocamento da mão de obra com maior facilidade, para ir ao Grande ABC e voltar à Capital, ajudaria as empresas sediadas na região”, afirma Cestari.

Atualmente, a regional do Ciesp de São Caetano está sem diretor.  



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Regionais do Ciesp são a favor do Metrô

Para empresários da região, o meio de transporte resolveria problemas em logística e mobilidade

Yara Ferraz
do Diário do Grande ABC

02/04/2019 | 07:24


Dirigentes das regionais do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) no Grande ABC acreditam que o Metrô seja a melhor alternativa para liga a região à Capital. Segundo eles, o modelo deve impactar positivamente na indústria, pois ajudará a resolver problemas em logística e mobilidade.

Para o diretor titular do Ciesp de São Bernardo, Cláudio Barberini Junior, estes são os principais problemas das empresas sediadas na região. Ele acredita que, com o Metrô, o setor se tornaria mais competitivo. “O modal seria importante para a mobilidade, pois agilizaria o deslocamento do funcionário, principalmente o que vem de São Paulo, e também na logística, porque muitas vezes o produto não chega na empresa ou chega com atraso. O Metrô ajudaria a destravar o trânsito, já que muitos carros que observamos na hora do congestionamento estão com apenas uma pessoa, que poderia usar o transporte coletivo integrado”, afirma.

Segundo Barberini Júnior, com o Metrô, o número de veículos travados nos horários de pico e que ficam estacionados nas ruas seria reduzido, principalmente de quem vem de São Paulo para a região. “Muitas vezes é mais fácil o caminhão do fornecedor chegar em Sorocaba, Interior de São Paulo, do que em São Caetano, por causa do trânsito. A questão da mobilidade na região tem que ser tratada com muito carinho. Já passou do tempo das promessas”, cobra.

O diretor do Ciesp Diadema, Anuar Dequech Júnior, afirma que a vinda do Metrô para a região é demanda antiga. “Nós já esperávamos que o meio de transporte viesse para cá quando a Estação Jabaquara (na Zona Sul de São Paulo) foi inaugurada, há mais de 40 anos”, garante.

Ele acredita que o modal seja mais indicado devido à questão do trânsito e que seria a melhor escolha, principalmente na comparação com o BRT (sigla em inglês para sistema de transporte rápido por ônibus), modelo que é estudado pelo Estado como alternativa à futura Linha 18–Bronze do Metrô. A resposta definitiva do governador João Doria (PSDB) sobre o assunto é prevista para junho.

“É muito mais inteligente colocar um tipo de modal que comporta mais gente do que fazer algo paliativo. O BRT pode até ser mais barato para a implantação, mas não comporta muitos usuários”, afirma. Para ele, as vantagens do Metrô são o “bem-estar e a qualidade na hora do deslocamento, pontos importantes para os usuários do Grande ABC.”

De acordo com o vice-diretor do Ciesp de Santo André, também responsável por Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra, Emanuel Teixeira, o Metrô “é algo mais moderno, eficiente, rápido e adequado à modernidade.”

Para o empresário, a construção das estações também vai movimentar a indústria e outras áreas da economia regional. “Para começar, tem a questão imobiliária, que traz mais pessoas para a região. Com o início das obras, que envolvem muita tecnologia, se fomenta toda uma cadeia, contemplando a própria indústria. As empresas na parte de aço, elétrica e eletrônica podem ser beneficiadas”, explica.

O vice-presidente do Ciesp, Fausto Cestari, afirma que o Metrô também seria o caminho para a mobilidade na região. “Não precisamos de remendos, mas sim de uma solução bem estruturada”, diz.

“A Linha 18 seria a alternativa mais adequada para a ligação do Grande ABC com São Paulo. Nós já levamos muito tempo para nos integrar, apesar da ferrovia Santos-Jundiaí. Acho que o Metrô é o sistema ideal para as necessidades da região. A questão do deslocamento da mão de obra com maior facilidade, para ir ao Grande ABC e voltar à Capital, ajudaria as empresas sediadas na região”, afirma Cestari.

Atualmente, a regional do Ciesp de São Caetano está sem diretor.  

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;