Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 26 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Gilmar Mendes garante a Atila Jacomussi direito de exercer cargo de prefeito

André Henriques/DGABC  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Recentemente, a PF (Polícia Federal) tentou, sem sucesso, prender Atila pela terceira vez


Do Dgabc.com.br

25/03/2019 | 15:44


O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes concedeu novo habeas corpus ao prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), nesta segunda-feira (25). O documento garante não só a liberdade do socialista como também seu direito de exercer mandato no Executivo.

Recentemente, a PF (Polícia Federal) tentou, sem sucesso, prender Atila pela terceira vez. Na ocasião, a instituição pediu a prisão preventiva do prefeito ao TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), alegando que ele teria descumprido medida cautelar de afastamento das funções públicas, ou seja, por voltar a governar assim que saiu da cadeia. O tribunal negou a prisão.

A defesa do prefeito, então, acionou o STF pedindo que Mendes, responsável por expedir liminar de soltura de Atila nas duas ocasiões em que foi detido, “declarasse expressamente” que o político estava permitido a “continuar a exercer seu mandato”, na tentativa de prevenir juridicamente Atila de sofrer nova detenção.

“Neste juízo prévio e provisório, entendo assistir razão a defesa em relação à proibição ao exercício do cargo e a respeito da proibição de acesso e frequência a todas as dependências da Prefeitura. Isso porque o exercício do cargo por tempo indeterminado viola o direito social ao trabalho, assegurado na Constituição Federal”, declarou Mendes na liminar.

Atila foi preso pela primeira vez em maio de 2018 no âmbito da Operação Prato Feito, que investigou esquema de desvios e fraudes em contratos de merenda e de material escolares. Em dezembro, ele voltou ao cárcere em desdobramento da mesma operação, acusado de receber propina de nove empresas de diferentes ramos. (Com informações de Júnior Carvalho



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gilmar Mendes garante a Atila Jacomussi direito de exercer cargo de prefeito

Recentemente, a PF (Polícia Federal) tentou, sem sucesso, prender Atila pela terceira vez

Do Dgabc.com.br

25/03/2019 | 15:44


O ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Gilmar Mendes concedeu novo habeas corpus ao prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), nesta segunda-feira (25). O documento garante não só a liberdade do socialista como também seu direito de exercer mandato no Executivo.

Recentemente, a PF (Polícia Federal) tentou, sem sucesso, prender Atila pela terceira vez. Na ocasião, a instituição pediu a prisão preventiva do prefeito ao TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), alegando que ele teria descumprido medida cautelar de afastamento das funções públicas, ou seja, por voltar a governar assim que saiu da cadeia. O tribunal negou a prisão.

A defesa do prefeito, então, acionou o STF pedindo que Mendes, responsável por expedir liminar de soltura de Atila nas duas ocasiões em que foi detido, “declarasse expressamente” que o político estava permitido a “continuar a exercer seu mandato”, na tentativa de prevenir juridicamente Atila de sofrer nova detenção.

“Neste juízo prévio e provisório, entendo assistir razão a defesa em relação à proibição ao exercício do cargo e a respeito da proibição de acesso e frequência a todas as dependências da Prefeitura. Isso porque o exercício do cargo por tempo indeterminado viola o direito social ao trabalho, assegurado na Constituição Federal”, declarou Mendes na liminar.

Atila foi preso pela primeira vez em maio de 2018 no âmbito da Operação Prato Feito, que investigou esquema de desvios e fraudes em contratos de merenda e de material escolares. Em dezembro, ele voltou ao cárcere em desdobramento da mesma operação, acusado de receber propina de nove empresas de diferentes ramos. (Com informações de Júnior Carvalho

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;