Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

As pontes de São Paulo


Rodolfo de Souza

21/03/2019 | 07:00


 As pontes de São Paulo ameaçam ruir. A prefeitura parece preocupada com questões de maior relevância, uma vez que não envia equipes aos locais para ver de perto o estrago que o tempo sempre causa nas estruturas físicas, aqui deste plano. Incluindo a nossa, claro, igualmente sujeita aos caprichos dos anos que passam. Até porque, a despeito de seu peso um tanto mais leve, também desaba espetacularmente diante do olhar atônito no espelho, já não tão preocupado com o problema das pontes e suas rachaduras.

De volta ao sinistro, objeto desta reflexão, e longe dos devaneios filosóficos que nos empurram a um questionamento introspectivo e perigoso a respeito das estruturas, confesso que é hábito meu pensar sobre elas quando trafego por debaixo de todo aquele peso. Indago-me sempre se existe alguém escalado só para passear, bem devagar, por esses recantos, olhos para o alto, dia após dia. Um profissional responsável por verificar a quantas andam seus esqueletos, se algum mal de osteoporose ou cupim, por acaso, está minando a sua resistência, e coisa e tal. Mas, pelo visto, esses funcionários, a administração pública ainda não contratou. Deve ser por causa do orçamento sempre apertado. Desnecessário, inclusive, mencionar aqui o poder econômico da megalópole, protagonista desta crônica, que coloca no chinelo países inteiros. Mero e imprescindível detalhe.

Mesmo assim, pontes e viadutos estão caindo na cidade que é mega. E não é de hoje que ouço falar no perigo que representa o desgaste dessas construções erguidas para suportar o tráfego de veículos pesados e de outros, não tão pesados, embora numerosos, dioturnamente. Só não imaginava a proporção da coisa. Cheguei a duvidar da gravidade do problema, até o Ministério Público ameaçar de interdição pontes e viadutos por constituírem risco à vida de quem trafega sobre ou sob suas passarelas. E isso eu ouvi no rádio. Vi também, em outro veículo, uma reportagem, denunciando fissuras e vãos no viaduto que cedeu, há algum tempo, na Marginal do Pinheiros. É... Pelo visto, foi entregue assim, sem o devido esmero na reforma. Parece que o remendo não foi feito por mãos habilidosas, ou talvez o material utilizado não tenha correspondido à expectativa de quem constrói ou repara esses monstros.

E, por falar na gravidade da situação, sugiro levar às autoridades competentes um pouco do conhecimento que aqui chegou pela mente brilhante de Newton, aquele que, segundo a lenda, testemunhou a queda de uma maçã da árvore e se pôs a imaginar que o fenômeno da atração responsável pela viagem do fruto até o solo é o mesmo que prende a Lua à Terra. Quem sabe se essa gente, que entende de atração como ninguém, se disponha a deixar de lado a atração pelo ganho fácil e resolva pensar na maçã que despenca e nas pontes vacilantes. Torço mesmo para que perceba alguma relação.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

As pontes de São Paulo

Rodolfo de Souza

21/03/2019 | 07:00


 As pontes de São Paulo ameaçam ruir. A prefeitura parece preocupada com questões de maior relevância, uma vez que não envia equipes aos locais para ver de perto o estrago que o tempo sempre causa nas estruturas físicas, aqui deste plano. Incluindo a nossa, claro, igualmente sujeita aos caprichos dos anos que passam. Até porque, a despeito de seu peso um tanto mais leve, também desaba espetacularmente diante do olhar atônito no espelho, já não tão preocupado com o problema das pontes e suas rachaduras.

De volta ao sinistro, objeto desta reflexão, e longe dos devaneios filosóficos que nos empurram a um questionamento introspectivo e perigoso a respeito das estruturas, confesso que é hábito meu pensar sobre elas quando trafego por debaixo de todo aquele peso. Indago-me sempre se existe alguém escalado só para passear, bem devagar, por esses recantos, olhos para o alto, dia após dia. Um profissional responsável por verificar a quantas andam seus esqueletos, se algum mal de osteoporose ou cupim, por acaso, está minando a sua resistência, e coisa e tal. Mas, pelo visto, esses funcionários, a administração pública ainda não contratou. Deve ser por causa do orçamento sempre apertado. Desnecessário, inclusive, mencionar aqui o poder econômico da megalópole, protagonista desta crônica, que coloca no chinelo países inteiros. Mero e imprescindível detalhe.

Mesmo assim, pontes e viadutos estão caindo na cidade que é mega. E não é de hoje que ouço falar no perigo que representa o desgaste dessas construções erguidas para suportar o tráfego de veículos pesados e de outros, não tão pesados, embora numerosos, dioturnamente. Só não imaginava a proporção da coisa. Cheguei a duvidar da gravidade do problema, até o Ministério Público ameaçar de interdição pontes e viadutos por constituírem risco à vida de quem trafega sobre ou sob suas passarelas. E isso eu ouvi no rádio. Vi também, em outro veículo, uma reportagem, denunciando fissuras e vãos no viaduto que cedeu, há algum tempo, na Marginal do Pinheiros. É... Pelo visto, foi entregue assim, sem o devido esmero na reforma. Parece que o remendo não foi feito por mãos habilidosas, ou talvez o material utilizado não tenha correspondido à expectativa de quem constrói ou repara esses monstros.

E, por falar na gravidade da situação, sugiro levar às autoridades competentes um pouco do conhecimento que aqui chegou pela mente brilhante de Newton, aquele que, segundo a lenda, testemunhou a queda de uma maçã da árvore e se pôs a imaginar que o fenômeno da atração responsável pela viagem do fruto até o solo é o mesmo que prende a Lua à Terra. Quem sabe se essa gente, que entende de atração como ninguém, se disponha a deixar de lado a atração pelo ganho fácil e resolva pensar na maçã que despenca e nas pontes vacilantes. Torço mesmo para que perceba alguma relação.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;