Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

A economia, só a economia vale


Carlos Brickmann

20/03/2019 | 07:22


Jair Bolsonaro não fala inglês, oh céus! Guilherme de Orange não era inglês nem falava inglês, mas liderou a Revolução Gloriosa e foi um dos grandes reis da Inglaterra. Stalin não falava inglês, se aliou a Roosevelt e Churchill e ninguém se queixou – até porque ninguém era besta. Pedir outra Águia de Haia – para quê? Na visita de Bolsonaro aos Estados Unidos, só a economia importa. O resto é besteira, inclusive as tosquices e a tietagem do presidente.
Em economia, que veio para nós? Dois velhos pedidos foram atendidos: os Estados Unidos recomendaram o ingresso do Brasil na OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico), onde os países mais ricos do mundo decidem as normas da economia internacional; e passaram a considerar o Brasil aliado preferencial fora da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) – do ponto de vista militar, garante mais equipamento para as Forças Armadas; do econômico, exportação de armas made in Brasil. E na Base Aeroespacial de Alcântara haverá cooperação, ótima para o desenvolvimento de tecnologia nacional. Em troca, o Brasil dispensou os norte-americanos (e japoneses, canadenses, australianos) de visto de entrada, sem que estes países deem a mesma regalia a brasileiros. É chato? É. Mas abre o Brasil a muito mais turistas.
Bolsonaro se entusiasmou ao ver de perto seu ídolo Donald Trump. Tietagem desnecessária. Mas se a viagem der bom resultado econômico, ele pode até botar orelhas de Mickey. Ridículo? Nada é ridículo quando tem êxito.  

Moro na CIA

Oh, céus, Sérgio Moro visitou a nefanda CIA. Mas com quem conversaria sobre cooperação na luta contra o crime organizado? Bolsonaro foi com ele. Dos presidentes brasileiros em visita aos Estados Unidos, é o primeiro a visitar o QG da CIA, em Langley. Mas Juscelino teve longas reuniões nos Estados Unidos com Allen Dulles, o chefão da CIA – em sigilo, fora da agenda.

Guedes é o nome

O ministro da Economia, num discurso fluente, em inglês, usou palavras pouco polidas, ao se referir à ousadia de Bolsonaro no corte de privilégios. Oh, céus!!! Falar em “balls”! Lá ninguém achou ruim – só aqui, em que um presidente jamais disse que tinha “aquilo roxo”. Guedes deixou excelente impressão – talvez por ter o que mostrar, num governo em que só ele tem grande importância: a Bolsa passou a barreira dos 100 mil pontos, o leilão dos aeroportos foi um sucesso (o preço obtido superou de longe o previsto), há algum superavit nas contas públicas, a inflação se mantém baixa, há fortes indícios de que a privatização está sendo bem planejada. Para os investidores, isso conta mais do que um eventual mau uso de palavras.

A fala dos números

O XP Investimentos elaborou pesquisa sobre a popularidade do governo Bolsonaro. O presidente teve uma pequena queda, mas continua sendo muito bem visto. Há esperança de que leve adiante seus projetos. Duas coisas importantes: as redes sociais – menina dos olhos de Bolsonaro e seus filhos – são vistas como pouco confiáveis. E a grande imprensa continua sendo vista como o meio mais confiável de informação. Importante: o XP encomenda a pesquisa para ajudá-lo na busca de bons investimentos. Não é questão ideológica: a precisão na pesquisa e análise dos fatos vale dinheiro.

Brigas e briguinhas

Há parlamentares ameaçando derrubar o decreto pelo qual só quem tem ficha limpa poderá ser nomeado para cargos em comissão (aqueles que não exigem concurso). Querem que o decreto valha a partir de 1º de janeiro, dia da posse de Bolsonaro. Quem foi nomeado a partir daquela data só fica no cargo se tiver ficha limpa. O decreto fixa a data de 15 de março. Acham os parlamentares que Bolsonaro quer restringir as indicações que fizerem. Não gostam também do decreto que eliminou 21 mil cargos federais. A ameaça é dificultar a reforma da Previdência. Mas se a economia estiver dando certo, quem terá coragem de fazer isso? A economia é a chave do governo.

Briga de...

O Ministério Público ofereceu denúncia, já aceita pela 6ª Vara Criminal, contra três dos quatro proprietários do grupo Marabraz, gigante do varejo. A acusação é de prática de crime tributário.

...gente grande

A Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo) enviou ao MP informações de que a alteração societária da empresa LP Administradora de Bens, parte do grupo Marabraz, tem texto diferente do que consta em escritura pública do 26º Tabelião – segundo a informação, falta a parte em que consta um irmão e sócio. O Ministério Público investiga o caso.

Novidades na Folha

Sem discutir o afastamento de Cristina Frias da direção da Folha de S.Paulo, decidido por seu irmão, Luís Frias: o substituto de Cristina, Sérgio Dávila, é um jornalista extremamente competente e respeitadíssimo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

A economia, só a economia vale

Carlos Brickmann

20/03/2019 | 07:22


Jair Bolsonaro não fala inglês, oh céus! Guilherme de Orange não era inglês nem falava inglês, mas liderou a Revolução Gloriosa e foi um dos grandes reis da Inglaterra. Stalin não falava inglês, se aliou a Roosevelt e Churchill e ninguém se queixou – até porque ninguém era besta. Pedir outra Águia de Haia – para quê? Na visita de Bolsonaro aos Estados Unidos, só a economia importa. O resto é besteira, inclusive as tosquices e a tietagem do presidente.
Em economia, que veio para nós? Dois velhos pedidos foram atendidos: os Estados Unidos recomendaram o ingresso do Brasil na OCDE (Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico), onde os países mais ricos do mundo decidem as normas da economia internacional; e passaram a considerar o Brasil aliado preferencial fora da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) – do ponto de vista militar, garante mais equipamento para as Forças Armadas; do econômico, exportação de armas made in Brasil. E na Base Aeroespacial de Alcântara haverá cooperação, ótima para o desenvolvimento de tecnologia nacional. Em troca, o Brasil dispensou os norte-americanos (e japoneses, canadenses, australianos) de visto de entrada, sem que estes países deem a mesma regalia a brasileiros. É chato? É. Mas abre o Brasil a muito mais turistas.
Bolsonaro se entusiasmou ao ver de perto seu ídolo Donald Trump. Tietagem desnecessária. Mas se a viagem der bom resultado econômico, ele pode até botar orelhas de Mickey. Ridículo? Nada é ridículo quando tem êxito.  

Moro na CIA

Oh, céus, Sérgio Moro visitou a nefanda CIA. Mas com quem conversaria sobre cooperação na luta contra o crime organizado? Bolsonaro foi com ele. Dos presidentes brasileiros em visita aos Estados Unidos, é o primeiro a visitar o QG da CIA, em Langley. Mas Juscelino teve longas reuniões nos Estados Unidos com Allen Dulles, o chefão da CIA – em sigilo, fora da agenda.

Guedes é o nome

O ministro da Economia, num discurso fluente, em inglês, usou palavras pouco polidas, ao se referir à ousadia de Bolsonaro no corte de privilégios. Oh, céus!!! Falar em “balls”! Lá ninguém achou ruim – só aqui, em que um presidente jamais disse que tinha “aquilo roxo”. Guedes deixou excelente impressão – talvez por ter o que mostrar, num governo em que só ele tem grande importância: a Bolsa passou a barreira dos 100 mil pontos, o leilão dos aeroportos foi um sucesso (o preço obtido superou de longe o previsto), há algum superavit nas contas públicas, a inflação se mantém baixa, há fortes indícios de que a privatização está sendo bem planejada. Para os investidores, isso conta mais do que um eventual mau uso de palavras.

A fala dos números

O XP Investimentos elaborou pesquisa sobre a popularidade do governo Bolsonaro. O presidente teve uma pequena queda, mas continua sendo muito bem visto. Há esperança de que leve adiante seus projetos. Duas coisas importantes: as redes sociais – menina dos olhos de Bolsonaro e seus filhos – são vistas como pouco confiáveis. E a grande imprensa continua sendo vista como o meio mais confiável de informação. Importante: o XP encomenda a pesquisa para ajudá-lo na busca de bons investimentos. Não é questão ideológica: a precisão na pesquisa e análise dos fatos vale dinheiro.

Brigas e briguinhas

Há parlamentares ameaçando derrubar o decreto pelo qual só quem tem ficha limpa poderá ser nomeado para cargos em comissão (aqueles que não exigem concurso). Querem que o decreto valha a partir de 1º de janeiro, dia da posse de Bolsonaro. Quem foi nomeado a partir daquela data só fica no cargo se tiver ficha limpa. O decreto fixa a data de 15 de março. Acham os parlamentares que Bolsonaro quer restringir as indicações que fizerem. Não gostam também do decreto que eliminou 21 mil cargos federais. A ameaça é dificultar a reforma da Previdência. Mas se a economia estiver dando certo, quem terá coragem de fazer isso? A economia é a chave do governo.

Briga de...

O Ministério Público ofereceu denúncia, já aceita pela 6ª Vara Criminal, contra três dos quatro proprietários do grupo Marabraz, gigante do varejo. A acusação é de prática de crime tributário.

...gente grande

A Jucesp (Junta Comercial do Estado de São Paulo) enviou ao MP informações de que a alteração societária da empresa LP Administradora de Bens, parte do grupo Marabraz, tem texto diferente do que consta em escritura pública do 26º Tabelião – segundo a informação, falta a parte em que consta um irmão e sócio. O Ministério Público investiga o caso.

Novidades na Folha

Sem discutir o afastamento de Cristina Frias da direção da Folha de S.Paulo, decidido por seu irmão, Luís Frias: o substituto de Cristina, Sérgio Dávila, é um jornalista extremamente competente e respeitadíssimo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;