Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 18 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Balança comercial tem superávit de US$ 3,7 bi em fevereiro pelo Icomex da FGV



19/03/2019 | 10:21


A balança comercial fechou fevereiro com superávit de US$ 3,7 bilhões, segundo os dados do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta terça-feira, 19, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com isso, o superávit acumulado no primeiro bimestre ficou em US$ 5,9 bilhões. Conforme o Icomex, em valor, as exportações recuaram 6,4% e as importações, 12,4% em relação a fevereiro de 2019, mas os dois fluxos cresceram 1,4% na comparação entre os dois primeiros bimestres de 2018/2019.

Segundo a FGV, o recuo nas exportações em fevereiro é explicado pela queda nos preços (-7,5%), pois o volume aumentou 1,1%.

"Observa-se que o aumento de 8,1% na comparação dos bimestres está associado ao crescimento em 15,1% do volume exportado entre os meses de janeiro de 2018/19. As importações registram comportamento inverso ao das exportações com aumento de preços, embora com valores inferiores a 2%, e recuo no volume importado de 12,9% entre os meses de fevereiro", diz a nota divulgada mais cedo pela FGV.

O aumento do volume exportado em fevereiro foi liderado pelas commodities, com avanço de 27% ante igual mês de 2018. O bom desempenho das commodities explica a variação de 77,6% e de 33,6% no volume exportado da agropecuária e da indústria extrativa, respectivamente, no mês de fevereiro.

Em relação ao destino das exportações, a China se consolidou como principal parceiro comercial do Brasil. A participação da China nas exportações brasileiras aumentou de 18,5% para 23,8% entre o primeiro bimestre de 2018 e o de 2019.

Os Estados Unidos, o segundo principal mercado, registrou participação de 12,8%, um pouco acima do resultado de 2018 (12%).

"A crise argentina continua reduzindo a participação do país como mercado de destino das vendas brasileiras: passou de 7,8% (jan-fev 2018) para 4,4% (jan-fev 2019)", diz a nota da FGV.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Balança comercial tem superávit de US$ 3,7 bi em fevereiro pelo Icomex da FGV


19/03/2019 | 10:21


A balança comercial fechou fevereiro com superávit de US$ 3,7 bilhões, segundo os dados do Indicador do Comércio Exterior (Icomex), divulgado nesta terça-feira, 19, pela Fundação Getulio Vargas (FGV).

Com isso, o superávit acumulado no primeiro bimestre ficou em US$ 5,9 bilhões. Conforme o Icomex, em valor, as exportações recuaram 6,4% e as importações, 12,4% em relação a fevereiro de 2019, mas os dois fluxos cresceram 1,4% na comparação entre os dois primeiros bimestres de 2018/2019.

Segundo a FGV, o recuo nas exportações em fevereiro é explicado pela queda nos preços (-7,5%), pois o volume aumentou 1,1%.

"Observa-se que o aumento de 8,1% na comparação dos bimestres está associado ao crescimento em 15,1% do volume exportado entre os meses de janeiro de 2018/19. As importações registram comportamento inverso ao das exportações com aumento de preços, embora com valores inferiores a 2%, e recuo no volume importado de 12,9% entre os meses de fevereiro", diz a nota divulgada mais cedo pela FGV.

O aumento do volume exportado em fevereiro foi liderado pelas commodities, com avanço de 27% ante igual mês de 2018. O bom desempenho das commodities explica a variação de 77,6% e de 33,6% no volume exportado da agropecuária e da indústria extrativa, respectivamente, no mês de fevereiro.

Em relação ao destino das exportações, a China se consolidou como principal parceiro comercial do Brasil. A participação da China nas exportações brasileiras aumentou de 18,5% para 23,8% entre o primeiro bimestre de 2018 e o de 2019.

Os Estados Unidos, o segundo principal mercado, registrou participação de 12,8%, um pouco acima do resultado de 2018 (12%).

"A crise argentina continua reduzindo a participação do país como mercado de destino das vendas brasileiras: passou de 7,8% (jan-fev 2018) para 4,4% (jan-fev 2019)", diz a nota da FGV.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;