Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 20 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Guedes: governo já poderia contar com 260 votos para aprovar Previdência



15/03/2019 | 14:16


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 15, que o governo federal já poderia contar com 260 votos para aprovar a proposta de emenda constitucional (PEC) na Câmara dos Deputados. Segundo o ministro, a PEC já teria 160 votos "declarados" a favor da reforma.

"O Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, tem uma conta que chega a 260", afirmou Guedes, durante palestra que se estendeu por 57 minutos, no seminário "A Nova Economia Liberal", na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Segundo o ministro, haveria na contas de Onyx cem votos "velados" a favor. Para aprovar uma PEC é preciso de um mínimo de 308 votos favoráveis na Câmara. "Sai ainda no primeiro semestre a reforma da Previdência", afirmou o ministro, sem especificar se estaria se referindo apenas à aprovação na Câmara ou se levava em conta a aprovação final no Senado Federal. Ele também disse que acredita que a PEC não terá seu impacto fiscal "desidratado" pelo Congresso.

Ao longo de sua palestra, Guedes defendeu a reforma da Previdência e o programa econômico comandado por ele e sua equipe. Segundo o ministro, o programa "está andando", mas "quem dá o timing é a política". A vontade da equipe econômica, disse ele, seria tomar várias medidas e fazer as reformas "ao mesmo tempo". No campo tributário, por exemplo, a ideia é fazer uma simplificação geral, juntando impostos federais indiretos num só. "Já existe a ideia de um imposto único federal", afirmou Guedes.

Guedes voltou a demonstrar otimismo com a tramitação da reforma da Previdência no Congresso Nacional. Disse que "há maturidade muito grande na classe política" e elogiou os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O ministro também voltou a citar a proposta de mudar a Constituição para desvincular e desindexar os orçamentos públicos em todas as esferas de governo. O objetivo de medida seria diminuir a concentração dos recursos tributários no "topo", na União.

"Está na hora de os políticos assumirem o protagonismo e reabilitar a classe política brasileira", afirmou Guedes. Como exemplo de proposta para descentralizar recursos num redesenho do pacto federativo, Guedes comentou a intenção de mudar a distribuição da riqueza oriunda da exploração do petróleo na camada pré-sal. A ideia, segundo o ministro, seria distribuir 70% dos US$ 1 trilhão arrecadados ao longo de 15 anos para Estados e municípios. Guedes, que deixou o evento na FGV sem falar com a imprensa, não detalhou como chegou a esse valor.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Guedes: governo já poderia contar com 260 votos para aprovar Previdência


15/03/2019 | 14:16


O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta sexta-feira, 15, que o governo federal já poderia contar com 260 votos para aprovar a proposta de emenda constitucional (PEC) na Câmara dos Deputados. Segundo o ministro, a PEC já teria 160 votos "declarados" a favor da reforma.

"O Onyx Lorenzoni, ministro-chefe da Casa Civil, tem uma conta que chega a 260", afirmou Guedes, durante palestra que se estendeu por 57 minutos, no seminário "A Nova Economia Liberal", na Fundação Getulio Vargas (FGV), no Rio.

Segundo o ministro, haveria na contas de Onyx cem votos "velados" a favor. Para aprovar uma PEC é preciso de um mínimo de 308 votos favoráveis na Câmara. "Sai ainda no primeiro semestre a reforma da Previdência", afirmou o ministro, sem especificar se estaria se referindo apenas à aprovação na Câmara ou se levava em conta a aprovação final no Senado Federal. Ele também disse que acredita que a PEC não terá seu impacto fiscal "desidratado" pelo Congresso.

Ao longo de sua palestra, Guedes defendeu a reforma da Previdência e o programa econômico comandado por ele e sua equipe. Segundo o ministro, o programa "está andando", mas "quem dá o timing é a política". A vontade da equipe econômica, disse ele, seria tomar várias medidas e fazer as reformas "ao mesmo tempo". No campo tributário, por exemplo, a ideia é fazer uma simplificação geral, juntando impostos federais indiretos num só. "Já existe a ideia de um imposto único federal", afirmou Guedes.

Guedes voltou a demonstrar otimismo com a tramitação da reforma da Previdência no Congresso Nacional. Disse que "há maturidade muito grande na classe política" e elogiou os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP).

O ministro também voltou a citar a proposta de mudar a Constituição para desvincular e desindexar os orçamentos públicos em todas as esferas de governo. O objetivo de medida seria diminuir a concentração dos recursos tributários no "topo", na União.

"Está na hora de os políticos assumirem o protagonismo e reabilitar a classe política brasileira", afirmou Guedes. Como exemplo de proposta para descentralizar recursos num redesenho do pacto federativo, Guedes comentou a intenção de mudar a distribuição da riqueza oriunda da exploração do petróleo na camada pré-sal. A ideia, segundo o ministro, seria distribuir 70% dos US$ 1 trilhão arrecadados ao longo de 15 anos para Estados e municípios. Guedes, que deixou o evento na FGV sem falar com a imprensa, não detalhou como chegou a esse valor.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;