Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 28 de Fevereiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Sabina passa a contar com aquário de recifes de corais

Alex Cavanha/PMSA Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Tanque de 1.500 litros, com 17 peixes dos oceanos Índico e Pacífico, fica na sala da vida


Da Redação

23/02/2019 | 07:00


 No último fim de semana de fevereiro, mês em que a Sabina Escola Parque do Conhecimento, na Vila Eldizia, em Santo André, completa 12 anos de atividade, o espaço ganha aquário de recifes de corais. Em um tanque de 1.500 litros, o visitante vai poder conferir a beleza do ambiente marinho, com 17 peixes originários dos oceanos Índico e Pacífico. A atração estará aberta ao público a partir de hoje.

O aquário de recifes de corais fica na sala da vida, próxima a outros recintos da Sabina relacionados ao ambiente marinho, como o aquário que abriga a fêmea de um tubarão lixa, raias e moreias, o tanque de observação onde ficam os peixes jovens, o pinguinário, que abriga 35 pinguins de magalhães e ainda o terrário, com espécies da vegetação da Mata Atlântica, com duas jibóias.

“No Brasil há somente 16 espécies de corais, sendo dez endêmicas (só existem no Litoral brasileiro), o que é um número pequeno. Todos os nossos corais são protegidos”, explicou a bióloga Catherina Monteiro.

De acordo com Catherina, o objetivo da instalação do aquário de recifes na Sabina é sensibilizar tanto os estudantes, que visitam o espaço com as escolas de terça a sexta-feira, quanto o público espontâneo aos fins de semana em relação ao ecossistema, importante e que sofre impactos ambientais,

Os corais servem de abrigo, local para reprodução e alimentação para peixes, invertebrados e crustáceos. Cerca de um quarto das espécies marinhas depende dos recifes de corais para sua sobrevivência.

“A preservação do meio ambiente é um dos pilares do trabalho realizado na Sabina. A ideia é ensinar conceitos de ciência, química, física e biologia, mas sempre com foco na preservação”, destacou Catherina.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Sabina passa a contar com aquário de recifes de corais

Tanque de 1.500 litros, com 17 peixes dos oceanos Índico e Pacífico, fica na sala da vida

Da Redação

23/02/2019 | 07:00


 No último fim de semana de fevereiro, mês em que a Sabina Escola Parque do Conhecimento, na Vila Eldizia, em Santo André, completa 12 anos de atividade, o espaço ganha aquário de recifes de corais. Em um tanque de 1.500 litros, o visitante vai poder conferir a beleza do ambiente marinho, com 17 peixes originários dos oceanos Índico e Pacífico. A atração estará aberta ao público a partir de hoje.

O aquário de recifes de corais fica na sala da vida, próxima a outros recintos da Sabina relacionados ao ambiente marinho, como o aquário que abriga a fêmea de um tubarão lixa, raias e moreias, o tanque de observação onde ficam os peixes jovens, o pinguinário, que abriga 35 pinguins de magalhães e ainda o terrário, com espécies da vegetação da Mata Atlântica, com duas jibóias.

“No Brasil há somente 16 espécies de corais, sendo dez endêmicas (só existem no Litoral brasileiro), o que é um número pequeno. Todos os nossos corais são protegidos”, explicou a bióloga Catherina Monteiro.

De acordo com Catherina, o objetivo da instalação do aquário de recifes na Sabina é sensibilizar tanto os estudantes, que visitam o espaço com as escolas de terça a sexta-feira, quanto o público espontâneo aos fins de semana em relação ao ecossistema, importante e que sofre impactos ambientais,

Os corais servem de abrigo, local para reprodução e alimentação para peixes, invertebrados e crustáceos. Cerca de um quarto das espécies marinhas depende dos recifes de corais para sua sobrevivência.

“A preservação do meio ambiente é um dos pilares do trabalho realizado na Sabina. A ideia é ensinar conceitos de ciência, química, física e biologia, mas sempre com foco na preservação”, destacou Catherina.

 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;