Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 21 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Câmara arquiva PEC que é bandeira de Alex Manente

DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Proposta de autorizar prisão após condenação em 2ª instância estagnou, mas há pedido de retomá-la


Raphael Rocha
Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

17/02/2019 | 07:00


 A Câmara Federal arquivou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 410/2018, de autoria do deputado federal Alex Manente (PPS), de São Bernardo, e elencada pelo popular-socialista como maior bandeira de seu mandato.

O texto versa sobre a possibilidade de prisão após confirmação da condenação em segunda instância. Esse é o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal), entretanto, não está explicitamente colocado na Constituição Federal, o que tem gerado conflito jurídico acerca do caso.

A proposta foi encaminhada para o arquivamento no dia 31 de janeiro porque o regimento interno da casa diz que todos os projetos em tramitação serão arquivados caso não haja avanço no Legislativo. Só permanecem, conforme o artigo 105, as proposituras “com pareceres favoráveis de todas as comissões; já aprovadas em turno único, em primeiro ou segundo turno; que tenham tramitado pelo Senado, ou dele originárias; de iniciativa popular; de iniciativa de outro poder ou do Procurador-Geral da República.”

Antes do arquivamento, a última movimentação da PEC foi apresentação de requerimento, por parte do deputado paranaense Rubens Bueno (PPS), solicitando audiência pública para debater o teor da matéria.

Alex já apresentou requerimento para desarquivar a proposta. Segundo a casa, se a solicitação for feita “dentro dos primeiros 180 dias da primeira sessão legislativa ordinária da legislatura subsequente” a tramitação retorna desde o estágio em que se encontrava.

Em nota, o deputado argumentou que esse arquivamento foi regimental e que “aguarda a retomada da tramitação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), onde terá parecer do relator e consequente criação de comissão especial para avançar”. “Ressalto que a PEC é importante instrumento de combate à corrupção e tem apoio do ministro da Justiça, Sérgio Moro, com quem já me reuni duas vezes neste ano. Existe a necessidade de regulamentar a prisão em segunda instância via emenda constitucional, e não por lei complementar, exatamente para não abrir margem para interpretações difusas do STF sobre o tema.”



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Câmara arquiva PEC que é bandeira de Alex Manente

Proposta de autorizar prisão após condenação em 2ª instância estagnou, mas há pedido de retomá-la

Raphael Rocha
Daniel Tossato
Do Diário do Grande ABC

17/02/2019 | 07:00


 A Câmara Federal arquivou a PEC (Proposta de Emenda à Constituição) 410/2018, de autoria do deputado federal Alex Manente (PPS), de São Bernardo, e elencada pelo popular-socialista como maior bandeira de seu mandato.

O texto versa sobre a possibilidade de prisão após confirmação da condenação em segunda instância. Esse é o entendimento do STF (Supremo Tribunal Federal), entretanto, não está explicitamente colocado na Constituição Federal, o que tem gerado conflito jurídico acerca do caso.

A proposta foi encaminhada para o arquivamento no dia 31 de janeiro porque o regimento interno da casa diz que todos os projetos em tramitação serão arquivados caso não haja avanço no Legislativo. Só permanecem, conforme o artigo 105, as proposituras “com pareceres favoráveis de todas as comissões; já aprovadas em turno único, em primeiro ou segundo turno; que tenham tramitado pelo Senado, ou dele originárias; de iniciativa popular; de iniciativa de outro poder ou do Procurador-Geral da República.”

Antes do arquivamento, a última movimentação da PEC foi apresentação de requerimento, por parte do deputado paranaense Rubens Bueno (PPS), solicitando audiência pública para debater o teor da matéria.

Alex já apresentou requerimento para desarquivar a proposta. Segundo a casa, se a solicitação for feita “dentro dos primeiros 180 dias da primeira sessão legislativa ordinária da legislatura subsequente” a tramitação retorna desde o estágio em que se encontrava.

Em nota, o deputado argumentou que esse arquivamento foi regimental e que “aguarda a retomada da tramitação na CCJ (Comissão de Constituição e Justiça), onde terá parecer do relator e consequente criação de comissão especial para avançar”. “Ressalto que a PEC é importante instrumento de combate à corrupção e tem apoio do ministro da Justiça, Sérgio Moro, com quem já me reuni duas vezes neste ano. Existe a necessidade de regulamentar a prisão em segunda instância via emenda constitucional, e não por lei complementar, exatamente para não abrir margem para interpretações difusas do STF sobre o tema.”

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;