Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Junho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Não aceito interferência, diz Eduardo Vidoski

Anderson Silva/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Presidente da comissão de finanças e orçamento será responsável por analisar contas de Auricchio


Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

11/02/2019 | 07:00


Recém-eleito presidente da comissão de finanças e orçamento da Câmara de São Caetano, o vereador Eduardo Vidoski (PSDB) avisou que não aceitará interferência no processo de análise das contas do prefeito José Auricchio Júnior (PSDB).

O balancete referente ao exercício de 2012 – último da primeira passagem de Auricchio no Palácio da Cerâmica (2005-2012) – recebeu parecer negativo do TCE (Tribunal de Contas do Estado). O aval definitivo, porém, é do Legislativo. Se a Casa entender que as falhas são imperdoáveis, mantém a rejeição e Auricchio pode sofrer consequências jurídicas. Caso contrário, o tucano ficaria livre para concorrer à reeleição.

“Não vou aceitar interferência de quem quer que seja. Do Paço, da presidência da Câmara, da imprensa. Estou sendo bem sincero. Vou tratar tudo com muita seriedade. E, de verdade, estou muito tranquilo sobre esse processo”, disparou o vereador, irmão do vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB).

A comissão de finanças e orçamento é responsável por confeccionar parecer próprio sobre o balancete financeiro avaliado previamente pelo TCE. E é a análise do bloco que vai para julgamento para o plenário. Ou seja, se a comissão de finanças entender que a prestação de contas precisa ser aprovada, ganha corpo eventual absolvição de Auricchio.

Eduardo relatou que o documento do TCE ainda não chegou a suas mãos. “Devo receber e ter acesso a tudo na terça-feira ou na quarta-feira, já que na próxima sessão o parecer do tribunal será lido.” Indagado se Auricchio conversou sobre o andamento desse processo, o parlamentar foi taxativo. “Não. Nem tem o que falar.”

O presidente da comissão de finanças e orçamento também buscou amenizar o clima em torno da votação das contas de Auricchio, dizendo que outros projetos relevantes precisarão de olhar minucioso dos cinco integrantes do grupo – além de Eduardo, integram a comissão Mauricio Fernandes (DEM), Moacir Rubira (PRB), Suely Nogueira (MDB) e Ubiratan Figueiredo (PR). “A cidade não vive só em torno desse caso.” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Não aceito interferência, diz Eduardo Vidoski

Presidente da comissão de finanças e orçamento será responsável por analisar contas de Auricchio

Raphael Rocha
Do Diário do Grande ABC

11/02/2019 | 07:00


Recém-eleito presidente da comissão de finanças e orçamento da Câmara de São Caetano, o vereador Eduardo Vidoski (PSDB) avisou que não aceitará interferência no processo de análise das contas do prefeito José Auricchio Júnior (PSDB).

O balancete referente ao exercício de 2012 – último da primeira passagem de Auricchio no Palácio da Cerâmica (2005-2012) – recebeu parecer negativo do TCE (Tribunal de Contas do Estado). O aval definitivo, porém, é do Legislativo. Se a Casa entender que as falhas são imperdoáveis, mantém a rejeição e Auricchio pode sofrer consequências jurídicas. Caso contrário, o tucano ficaria livre para concorrer à reeleição.

“Não vou aceitar interferência de quem quer que seja. Do Paço, da presidência da Câmara, da imprensa. Estou sendo bem sincero. Vou tratar tudo com muita seriedade. E, de verdade, estou muito tranquilo sobre esse processo”, disparou o vereador, irmão do vice-prefeito Beto Vidoski (PSDB).

A comissão de finanças e orçamento é responsável por confeccionar parecer próprio sobre o balancete financeiro avaliado previamente pelo TCE. E é a análise do bloco que vai para julgamento para o plenário. Ou seja, se a comissão de finanças entender que a prestação de contas precisa ser aprovada, ganha corpo eventual absolvição de Auricchio.

Eduardo relatou que o documento do TCE ainda não chegou a suas mãos. “Devo receber e ter acesso a tudo na terça-feira ou na quarta-feira, já que na próxima sessão o parecer do tribunal será lido.” Indagado se Auricchio conversou sobre o andamento desse processo, o parlamentar foi taxativo. “Não. Nem tem o que falar.”

O presidente da comissão de finanças e orçamento também buscou amenizar o clima em torno da votação das contas de Auricchio, dizendo que outros projetos relevantes precisarão de olhar minucioso dos cinco integrantes do grupo – além de Eduardo, integram a comissão Mauricio Fernandes (DEM), Moacir Rubira (PRB), Suely Nogueira (MDB) e Ubiratan Figueiredo (PR). “A cidade não vive só em torno desse caso.” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;