Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Bolsas da Europa fecham nas mínimas com sinais negativos no comércio EUA-China



07/02/2019 | 15:49


As bolsas europeias apresentaram uma sessão negativa nesta quinta-feira, 7, em reação a um indicador da Alemanha, a projeções piores para a economia da região e a sinalizações cautelosas do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), que se sobrepuseram a alguns balanços positivos. Mais para o fim do pregão, sinais de distanciamento no diálogo comercial entre Estados Unidos e China pioraram ainda mais o humor, levando as principais praças locais a fecharem todas nas mínimas do dia.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 1,49%, em 360,08 pontos.

A produção industrial alemã recuou 0,4% em dezembro ante novembro, o que contrariou a expectativa de alta de 0,8% dos analistas. Além disso, a Comissão Europeia cortou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro de 2019, de 1,9% para 1,3%, e em 2020, de 1,7% para 1,6%, diante das incertezas e das tensões comerciais.

Na frente política, a premiê Theresa May foi a Bruxelas tentar renegociar os termos da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit. A UE tem reiterado que não está aberta a dialogar novamente, mas May apresentou alternativas para o status futuro da fronteira entre as Irlandas.

O BoE manteve a política monetária, e o presidente da instituição, Mark Carney, advertiu que um Brexit sem acordo representaria um choque que aumenta a chance de contração em alguns trimestres no país. Para 2020, o BoE cortou sua previsão de crescimento de 1,7% para 1,5%. As declarações de Carney sobre incertezas no cenário levaram as bolsas europeias a acentuar perdas.

Perto do fim do pregão, o diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que há uma "distância considerável" nas negociações comerciais EUA-China. Além disso, a rede CNBC afirmou, citando uma fonte do governo americano que o presidente Donald Trump considera "altamente improvável" uma reunião com o presidente chinês, Xi Jinping, antes do fim do prazo da trégua bilateral no comércio, 1º de março, o que levou as bolsas europeias a fechar nas mínimas.

A Bolsa de Londres fechou em queda de 1,11%, em 7.093,58 pontos. Entre os papéis mais negociados, Lloyds caiu 1,82%, Vodafone cedeu 2,12% e Vast Resources teve baixa de 5,56%, enquanto OK Oil & Gas avançou 6,92%. Barclays recuou 3,19%. TUI caiu 19%, após reportar vendas abaixo do esperado no verão local.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 2,67%, a 11.022,02 pontos. No setor bancário alemão, Deutsche Bank caiu 6,33% e Commerzbank, 6,25%. No setor de energia, E.ON perdeu 1,17%. A montadora Daimler caiu 5,25% e BMW, 3,30%.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 caiu 1,84%, a 4.985,56 pontos. Entre as companhias que divulgaram balanço nesta quinta, Société Générale fechou em queda de 6,77% e Total, de 1,51%. Crédit Agricole cedeu 3,03%.

Em Milão, o FTSE-MIB teve baixa de 2,59%, a 19.478,32 pontos. Intesa Sanpaolo caiu 2,75% e Telecom Italia, 3,21%, mas BPM avançou 0,84%, na contramão da maioria.

Na Bolsa de Madri, o índice IBEX-35 recuou 1,79%, a 8.938,30 pontos. Santander teve baixa de 2,97% e Urbas Grupo Financiero cedeu 5,13%, entre os papéis mais negociados, enquanto Telefónica caiu 2,31%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 1,52%, a 5.136,20 pontos. Banco Comercial Português teve baixa de 3,98% e Galp Energia, de 3,30%. (Com informações da Dow Jones Newswires)



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Bolsas da Europa fecham nas mínimas com sinais negativos no comércio EUA-China


07/02/2019 | 15:49


As bolsas europeias apresentaram uma sessão negativa nesta quinta-feira, 7, em reação a um indicador da Alemanha, a projeções piores para a economia da região e a sinalizações cautelosas do Banco da Inglaterra (BoE, na sigla em inglês), que se sobrepuseram a alguns balanços positivos. Mais para o fim do pregão, sinais de distanciamento no diálogo comercial entre Estados Unidos e China pioraram ainda mais o humor, levando as principais praças locais a fecharem todas nas mínimas do dia.

O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em queda de 1,49%, em 360,08 pontos.

A produção industrial alemã recuou 0,4% em dezembro ante novembro, o que contrariou a expectativa de alta de 0,8% dos analistas. Além disso, a Comissão Europeia cortou sua projeção para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) da zona do euro de 2019, de 1,9% para 1,3%, e em 2020, de 1,7% para 1,6%, diante das incertezas e das tensões comerciais.

Na frente política, a premiê Theresa May foi a Bruxelas tentar renegociar os termos da saída do Reino Unido da União Europeia, o Brexit. A UE tem reiterado que não está aberta a dialogar novamente, mas May apresentou alternativas para o status futuro da fronteira entre as Irlandas.

O BoE manteve a política monetária, e o presidente da instituição, Mark Carney, advertiu que um Brexit sem acordo representaria um choque que aumenta a chance de contração em alguns trimestres no país. Para 2020, o BoE cortou sua previsão de crescimento de 1,7% para 1,5%. As declarações de Carney sobre incertezas no cenário levaram as bolsas europeias a acentuar perdas.

Perto do fim do pregão, o diretor do Conselho Econômico Nacional da Casa Branca, Larry Kudlow, afirmou que há uma "distância considerável" nas negociações comerciais EUA-China. Além disso, a rede CNBC afirmou, citando uma fonte do governo americano que o presidente Donald Trump considera "altamente improvável" uma reunião com o presidente chinês, Xi Jinping, antes do fim do prazo da trégua bilateral no comércio, 1º de março, o que levou as bolsas europeias a fechar nas mínimas.

A Bolsa de Londres fechou em queda de 1,11%, em 7.093,58 pontos. Entre os papéis mais negociados, Lloyds caiu 1,82%, Vodafone cedeu 2,12% e Vast Resources teve baixa de 5,56%, enquanto OK Oil & Gas avançou 6,92%. Barclays recuou 3,19%. TUI caiu 19%, após reportar vendas abaixo do esperado no verão local.

Em Frankfurt, o índice DAX recuou 2,67%, a 11.022,02 pontos. No setor bancário alemão, Deutsche Bank caiu 6,33% e Commerzbank, 6,25%. No setor de energia, E.ON perdeu 1,17%. A montadora Daimler caiu 5,25% e BMW, 3,30%.

Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 caiu 1,84%, a 4.985,56 pontos. Entre as companhias que divulgaram balanço nesta quinta, Société Générale fechou em queda de 6,77% e Total, de 1,51%. Crédit Agricole cedeu 3,03%.

Em Milão, o FTSE-MIB teve baixa de 2,59%, a 19.478,32 pontos. Intesa Sanpaolo caiu 2,75% e Telecom Italia, 3,21%, mas BPM avançou 0,84%, na contramão da maioria.

Na Bolsa de Madri, o índice IBEX-35 recuou 1,79%, a 8.938,30 pontos. Santander teve baixa de 2,97% e Urbas Grupo Financiero cedeu 5,13%, entre os papéis mais negociados, enquanto Telefónica caiu 2,31%.

Em Lisboa, o índice PSI-20 caiu 1,52%, a 5.136,20 pontos. Banco Comercial Português teve baixa de 3,98% e Galp Energia, de 3,30%. (Com informações da Dow Jones Newswires)

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;