Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 17 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Brasil quer compensações pela redução do comércio de aço com União Europeia



05/02/2019 | 21:59


O governo brasileiro dialoga com a União Europeia em busca de medidas que compensem os efeitos negativos das salvaguardas adotadas pelo bloco europeu no último dia 1º sobre o comércio de produtos de aço. Em nota conjunta, o Itamaraty e o Ministério da Economia informam que o governo brasileiro acompanha as discussões sobre a medida desde o início, "tendo manifestado diversas vezes sua posição contrária à aplicação".

A União Europeia passou a aplicar uma sobretaxa de 25% sobre produtos de aço importados que excederem as cotas fixadas pelo bloco. Essa medida, que vinha sendo aplicada em caráter provisório desde junho do ano passado, passou agora a ser definitiva, por um prazo de três anos.

"O governo brasileiro entende que as circunstâncias previstas no Acordo de Salvaguardas da OMC (Organização Mundial do Comércio) para o oferecimento de compensações se aplicam e, nesse sentido, continuará a buscar junto à União Europeia as compensações adequadas para equilibrar os efeitos adversos das salvaguardas sobre a corrente de comércio", diz a nota.

A União Europeia limitou o ingresso de aço importado porque constatou uma elevação das compras desses produtos. Foi uma forma de proteger a indústria europeia do "surto" de compra de aço importado que se verificou depois que os Estados Unidos reduziram suas importações do produto.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Brasil quer compensações pela redução do comércio de aço com União Europeia


05/02/2019 | 21:59


O governo brasileiro dialoga com a União Europeia em busca de medidas que compensem os efeitos negativos das salvaguardas adotadas pelo bloco europeu no último dia 1º sobre o comércio de produtos de aço. Em nota conjunta, o Itamaraty e o Ministério da Economia informam que o governo brasileiro acompanha as discussões sobre a medida desde o início, "tendo manifestado diversas vezes sua posição contrária à aplicação".

A União Europeia passou a aplicar uma sobretaxa de 25% sobre produtos de aço importados que excederem as cotas fixadas pelo bloco. Essa medida, que vinha sendo aplicada em caráter provisório desde junho do ano passado, passou agora a ser definitiva, por um prazo de três anos.

"O governo brasileiro entende que as circunstâncias previstas no Acordo de Salvaguardas da OMC (Organização Mundial do Comércio) para o oferecimento de compensações se aplicam e, nesse sentido, continuará a buscar junto à União Europeia as compensações adequadas para equilibrar os efeitos adversos das salvaguardas sobre a corrente de comércio", diz a nota.

A União Europeia limitou o ingresso de aço importado porque constatou uma elevação das compras desses produtos. Foi uma forma de proteger a indústria europeia do "surto" de compra de aço importado que se verificou depois que os Estados Unidos reduziram suas importações do produto.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;