Fechar
Publicidade

Sábado, 20 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Difícil missão de ser empresário no País


Do Diário do Grande ABC

04/02/2019 | 14:04


Infelizmente, os últimos acontecimentos são verdadeiro convite para que se faça contraponto. Não adianta tentar tapar o sol com peneira, afinal, não vejo sentido em comentar o que há de diferente em outros países enquanto no Brasil se abre abismo de divergências quando comparado com outros lugares. Mas acredito que, quando as pessoas realmente tomarem consciência e começarem a agir de verdade, talvez possamos desenhar novo cenário político. Recentemente, li texto que fala sobre a Lei 13.767, de 2018, que altera o artigo 473 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Inclusive, gostaria de destacar que, segundo o meu entendimento, não acho que a CLT resguarde direito de trabalhador, mas que foi criada com único propósito político para angariar votos para determinada situação política e que, na verdade, desequilibra e causa grande injustiça em todo o sistema empresarial, financeiro e econômico.

Alguém sempre vai pagar a conta, porque são inúmeros processos que esbarram em diversas questões recaindo sobre a classe média. O empregado é a força motriz e quem sustenta o País são as empresas, que geram empregos, impostos, riquezas e série de outras situações. Infelizmente o poder político do Brasil é refém de votos de pessoas mais poderosas, que sustentam massa insana. Mesmo quem é contrário à causa, seja ela qual for, acaba cedendo em diversas negociações políticas que, inclusive, estão acontecendo hoje. Desde pequeno ouço que o Brasil é o País do futuro. Entram e saem presidentes, que precisam ‘entrar no jogo’ porque, do contrário, não governam. Vamos à minha indignação. A Lei 13.767 permite que o funcionário não permaneça na empresa, ou seja, que ele falte em seu dia de trabalho de forma justificada, sem desconto de salário, três vezes ao ano, para fazer exame preventivo de câncer.

Conversei com quatro médicos, que me informaram que o exame preventivo de câncer é uma vez ao ano. Em casos onde haja situação prévia ou iminente, deve ser feito a cada seis meses. A partir dessa brecha, a probabilidade de pessoas interessadas em passar por tal procedimento, apenas para conseguir dia de folga, é algo espantoso. E é o que vai acontecer. Vocês percebem onde está o verdadeiro câncer? A cada hora há novas questões que fazem com que os colaboradores trabalhem menos. Isso é cadeia tão viciosa e corrompida, além de destrutiva, porque faz com que o País estacione. Quando parece que vai andar, para de novo porque existe politicagem para conceder migalhas para se conseguir votos e, consequentemente, o poder, o qual não sabemos como é gerido, administrado e devolvido para a população.

Daniel Toledo é advogado especializado em direito internacional, consultor de negócios e sócio fundador da empresa Loyalty Miami.  

Palavra do leitor

Independência

 Quer dizer que os nativos de São Caetano pretendem se separar do Brasil (Política, ontem)? São inúmeras as possibilidades. Praia, por exemplo, eles, da cidade, já têm! Se bem que têm de esperar chover e inundar tudo ali na divisa com São Paulo. O subúrbio agora terá transporte internacional, pois irá passar pela ‘república federativa’ de São Caetano. Fato é que não podemos perder essa oportunidade. Vamos apoiar, porque, agora, com a saída da General Motors, o que chamam de cidade vai se transformar na mais nova comunidade brasileira, para viver às custas da federação. Tchau, belos. Já vão tarde.

Donizete A. de Souza

Ribeirão Pires

Novo comando 

 Graças a Deus foram necessárias duas sessões no Congresso Nacional para que o senador Renan Calheiros, sabendo que iria perder, renunciasse à candidatura à presidência da Casa (Política, ontem). Porque esse senhor não tem nenhuma vergonha e, ainda, seu partido foi pedir ajuda ao ministro Toffoli, cuja decisão era o que ele queria, de manter o voto secreto. Mas o Brasil tem nova cara e, com certeza, vamos mudar este País. Parabéns ao novo presidente do Congresso, o senador Davi Alcolumbre. Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.

José Carlos Belotto

Santo André

Poderoso DEM

 O DEM, depois da era ACM, ou do investigado e decadente ex-senador e hoje deputado José Agripino, renasce e se torna poderoso em nossa República! Demonstrando competência como partido, além de bancada maior, desbanca o MDB e numa tacada só elege os presidentes do Congresso: na Câmara, Rodrigo Maia (Política dia 2), e o do Senado, o novato Davi Alcolumbre. Façanha! E, de quebra, emplacou também três ministros em importantes Pastas no governo Bolsonaro! Na Casa Civil, Onyx Lorenzoni; na Agricultura, Tereza Cristina; e, na Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Diferentemente de MDB, PSDB e PT, que despencam e são levados pela lama da corrupção.

Paulo Panossian

São Carlos (SP)

  

Arrependida 

 Concordo com o eleitor Ulisses Noronha quanto à encenação da suposta facada no presidente (Máscara, dia 29). Votei nesse cidadão e já me arrependo completamente. Tive esperança, frustrada, de que fosse diferente dos anteriores, de que realmente fosse olhar para as necessidades da população, de que tivesse preocupação com o bem-estar do povo, de que combateria a corrupção. Mas o que vejo são escândalos envolvendo sua equipe e até seu filho. Diz uma coisa e logo depois alguém desmente. Mostra-se perdido, não sabe como agir. Quando tem de falar se omite. Ou seja, não aprendeu nada nos 28 anos como deputado. Seus bajuladores dirão que ele flexibilizou o uso de armas. Nossa, que feito magnífico! Vamos combater a violência com mais violência? Caiu de paraquedas em cargo que jamais fez ideia do tamanho da responsabilidade. Arrependida! Muito arrependida.

Nice do Carmo Veras

 Mauá

Inocentes

 Nunca, em toda história da humanidade, o ser humano foi tão violento, mentiroso e desonesto. Estamos cercados por ‘monstros’, camuflados de ‘coitadinhos injustiçados’. Não importa classe social, as pessoas não assumem seus atos malignos e fogem da responsabilidade. É muito fácil dizer: ‘Sou inocente, deixo tudo nas mãos de Deus, Ele sabe o que faz’. São inúmeras frases, bem decoradas, na boca dos ‘inocentes’. Na verdade, é maneira simples de esconder, apagar ou aliviar erros e culpas. Ninguém assume o que faz! É mais fácil terceirizar as coisas ruins, colocando a culpa nos outros, principalmente em Deus, o ‘grande vilão’! Penso que o Criador deve estar arrependido da sua criação. Os anjos da guarda, que estão entre nós, murmuram baixinho: ‘Deus todo-poderoso, não tenha piedade dos míseros terráqueos! Eles não merecem’. Use seu poder e faça a extinção da espécie. 

José Machado

 São Bernardo

Precisa dela 

 Sobre a taxa de sinistro em Diadema, alguém saberia informar quantos incêndios de médio e grande proporções foram debelados na cidade pelo Corpo de Bombeiros local em 2018? Quantas tragédias, enchentes, desmoronamentos, quedas de árvore, entre outras, foram evitados pelos bombeiros? É interessante para Diadema manter o Corpo de Bombeiros sediado em nosso município? Sem a ajuda financeira dessa taxa, o Estado manteria a corporação no município ou ficaríamos à mercê de outras cidades? São perguntas básicas que se deve fazer antes de bater no peito e dizer que é contra, que a taxa é inconstitucional. A população deve se preocupar é com a transparência e publicidade dos atos administrativos. Se souber a real destinação da taxa, certamente não se oporá em contribuir. Portanto, fiscalizar é preciso.

José de Almeida Borges

 Diadema

Voltemos a amar 

 O que está havendo com nossa humanidade? Nos tempos atuais, de tantas discórdias políticas, sociais, religiosas, econômicas etc, parece que a humanidade foi colocada em xeque. Nos distanciamos de forma tão absurda do amor, do respeito e da solidariedade. Paramos de nos importar. Grande desalento reconhecer onde estamos enquanto sociedade. Resistir, para mim, é ousar acreditar no amor. Refletimos, então, que a maior resistência de fato é o amor! É nisso que acredito. É isso que tento viver para não me perder no meio de tanta indiferença e egoísmo. Sem amor nada seríamos!

Nelson Chada

Santo André



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Difícil missão de ser empresário no País

Do Diário do Grande ABC

04/02/2019 | 14:04


Infelizmente, os últimos acontecimentos são verdadeiro convite para que se faça contraponto. Não adianta tentar tapar o sol com peneira, afinal, não vejo sentido em comentar o que há de diferente em outros países enquanto no Brasil se abre abismo de divergências quando comparado com outros lugares. Mas acredito que, quando as pessoas realmente tomarem consciência e começarem a agir de verdade, talvez possamos desenhar novo cenário político. Recentemente, li texto que fala sobre a Lei 13.767, de 2018, que altera o artigo 473 da CLT (Consolidação das Leis do Trabalho). Inclusive, gostaria de destacar que, segundo o meu entendimento, não acho que a CLT resguarde direito de trabalhador, mas que foi criada com único propósito político para angariar votos para determinada situação política e que, na verdade, desequilibra e causa grande injustiça em todo o sistema empresarial, financeiro e econômico.

Alguém sempre vai pagar a conta, porque são inúmeros processos que esbarram em diversas questões recaindo sobre a classe média. O empregado é a força motriz e quem sustenta o País são as empresas, que geram empregos, impostos, riquezas e série de outras situações. Infelizmente o poder político do Brasil é refém de votos de pessoas mais poderosas, que sustentam massa insana. Mesmo quem é contrário à causa, seja ela qual for, acaba cedendo em diversas negociações políticas que, inclusive, estão acontecendo hoje. Desde pequeno ouço que o Brasil é o País do futuro. Entram e saem presidentes, que precisam ‘entrar no jogo’ porque, do contrário, não governam. Vamos à minha indignação. A Lei 13.767 permite que o funcionário não permaneça na empresa, ou seja, que ele falte em seu dia de trabalho de forma justificada, sem desconto de salário, três vezes ao ano, para fazer exame preventivo de câncer.

Conversei com quatro médicos, que me informaram que o exame preventivo de câncer é uma vez ao ano. Em casos onde haja situação prévia ou iminente, deve ser feito a cada seis meses. A partir dessa brecha, a probabilidade de pessoas interessadas em passar por tal procedimento, apenas para conseguir dia de folga, é algo espantoso. E é o que vai acontecer. Vocês percebem onde está o verdadeiro câncer? A cada hora há novas questões que fazem com que os colaboradores trabalhem menos. Isso é cadeia tão viciosa e corrompida, além de destrutiva, porque faz com que o País estacione. Quando parece que vai andar, para de novo porque existe politicagem para conceder migalhas para se conseguir votos e, consequentemente, o poder, o qual não sabemos como é gerido, administrado e devolvido para a população.

Daniel Toledo é advogado especializado em direito internacional, consultor de negócios e sócio fundador da empresa Loyalty Miami.  

Palavra do leitor

Independência

 Quer dizer que os nativos de São Caetano pretendem se separar do Brasil (Política, ontem)? São inúmeras as possibilidades. Praia, por exemplo, eles, da cidade, já têm! Se bem que têm de esperar chover e inundar tudo ali na divisa com São Paulo. O subúrbio agora terá transporte internacional, pois irá passar pela ‘república federativa’ de São Caetano. Fato é que não podemos perder essa oportunidade. Vamos apoiar, porque, agora, com a saída da General Motors, o que chamam de cidade vai se transformar na mais nova comunidade brasileira, para viver às custas da federação. Tchau, belos. Já vão tarde.

Donizete A. de Souza

Ribeirão Pires

Novo comando 

 Graças a Deus foram necessárias duas sessões no Congresso Nacional para que o senador Renan Calheiros, sabendo que iria perder, renunciasse à candidatura à presidência da Casa (Política, ontem). Porque esse senhor não tem nenhuma vergonha e, ainda, seu partido foi pedir ajuda ao ministro Toffoli, cuja decisão era o que ele queria, de manter o voto secreto. Mas o Brasil tem nova cara e, com certeza, vamos mudar este País. Parabéns ao novo presidente do Congresso, o senador Davi Alcolumbre. Brasil acima de tudo. Deus acima de todos.

José Carlos Belotto

Santo André

Poderoso DEM

 O DEM, depois da era ACM, ou do investigado e decadente ex-senador e hoje deputado José Agripino, renasce e se torna poderoso em nossa República! Demonstrando competência como partido, além de bancada maior, desbanca o MDB e numa tacada só elege os presidentes do Congresso: na Câmara, Rodrigo Maia (Política dia 2), e o do Senado, o novato Davi Alcolumbre. Façanha! E, de quebra, emplacou também três ministros em importantes Pastas no governo Bolsonaro! Na Casa Civil, Onyx Lorenzoni; na Agricultura, Tereza Cristina; e, na Saúde, Luiz Henrique Mandetta. Diferentemente de MDB, PSDB e PT, que despencam e são levados pela lama da corrupção.

Paulo Panossian

São Carlos (SP)

  

Arrependida 

 Concordo com o eleitor Ulisses Noronha quanto à encenação da suposta facada no presidente (Máscara, dia 29). Votei nesse cidadão e já me arrependo completamente. Tive esperança, frustrada, de que fosse diferente dos anteriores, de que realmente fosse olhar para as necessidades da população, de que tivesse preocupação com o bem-estar do povo, de que combateria a corrupção. Mas o que vejo são escândalos envolvendo sua equipe e até seu filho. Diz uma coisa e logo depois alguém desmente. Mostra-se perdido, não sabe como agir. Quando tem de falar se omite. Ou seja, não aprendeu nada nos 28 anos como deputado. Seus bajuladores dirão que ele flexibilizou o uso de armas. Nossa, que feito magnífico! Vamos combater a violência com mais violência? Caiu de paraquedas em cargo que jamais fez ideia do tamanho da responsabilidade. Arrependida! Muito arrependida.

Nice do Carmo Veras

 Mauá

Inocentes

 Nunca, em toda história da humanidade, o ser humano foi tão violento, mentiroso e desonesto. Estamos cercados por ‘monstros’, camuflados de ‘coitadinhos injustiçados’. Não importa classe social, as pessoas não assumem seus atos malignos e fogem da responsabilidade. É muito fácil dizer: ‘Sou inocente, deixo tudo nas mãos de Deus, Ele sabe o que faz’. São inúmeras frases, bem decoradas, na boca dos ‘inocentes’. Na verdade, é maneira simples de esconder, apagar ou aliviar erros e culpas. Ninguém assume o que faz! É mais fácil terceirizar as coisas ruins, colocando a culpa nos outros, principalmente em Deus, o ‘grande vilão’! Penso que o Criador deve estar arrependido da sua criação. Os anjos da guarda, que estão entre nós, murmuram baixinho: ‘Deus todo-poderoso, não tenha piedade dos míseros terráqueos! Eles não merecem’. Use seu poder e faça a extinção da espécie. 

José Machado

 São Bernardo

Precisa dela 

 Sobre a taxa de sinistro em Diadema, alguém saberia informar quantos incêndios de médio e grande proporções foram debelados na cidade pelo Corpo de Bombeiros local em 2018? Quantas tragédias, enchentes, desmoronamentos, quedas de árvore, entre outras, foram evitados pelos bombeiros? É interessante para Diadema manter o Corpo de Bombeiros sediado em nosso município? Sem a ajuda financeira dessa taxa, o Estado manteria a corporação no município ou ficaríamos à mercê de outras cidades? São perguntas básicas que se deve fazer antes de bater no peito e dizer que é contra, que a taxa é inconstitucional. A população deve se preocupar é com a transparência e publicidade dos atos administrativos. Se souber a real destinação da taxa, certamente não se oporá em contribuir. Portanto, fiscalizar é preciso.

José de Almeida Borges

 Diadema

Voltemos a amar 

 O que está havendo com nossa humanidade? Nos tempos atuais, de tantas discórdias políticas, sociais, religiosas, econômicas etc, parece que a humanidade foi colocada em xeque. Nos distanciamos de forma tão absurda do amor, do respeito e da solidariedade. Paramos de nos importar. Grande desalento reconhecer onde estamos enquanto sociedade. Resistir, para mim, é ousar acreditar no amor. Refletimos, então, que a maior resistência de fato é o amor! É nisso que acredito. É isso que tento viver para não me perder no meio de tanta indiferença e egoísmo. Sem amor nada seríamos!

Nelson Chada

Santo André

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;