Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Previsão para Selic de 2019 passa de 7,00% ao ano para 6,50% ao ano, diz BC

pixabay Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Expectativas dos economistas para o próximo ano e para 2020 seguiram em 8%



04/02/2019 | 10:45


À espera da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre o novo patamar da Selic, na próxima quarta-feira, os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para a taxa básica da economia no fim de 2019. O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira, 4, que a mediana das previsões para a Selic este ano foi de 7,00% para 6,50% ao ano. Há um mês, estava em 7,00%. Já a projeção para a Selic no fim de 2020 seguiu em 8,00%, igual ao visto quatro semanas atrás.

No caso de 2021, a projeção também seguiu em 8,00%, igual ao verificado um mês antes. A projeção para a Selic no fim de 2022 permaneceu em 8,00%, mesmo patamar de um mês antes.

Em 12 de dezembro, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou a manutenção, pela sexta vez consecutiva, da Selic em 6,50% ao ano. Ao mesmo tempo, o BC indicou que a Selic tende a permanecer no atual nível - o mais baixo da história - pelo menos nos primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro.

Entre as indicações, o colegiado avaliou que, desde o encontro anterior, de outubro, houve alta do risco de a ociosidade na economia produzir inflação abaixo do esperado.

Para o grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções (Top 5) de médio prazo, a mediana da taxa básica em 2019 seguiu em 6,50% ao ano, igual ao visto um mês antes. No caso de 2020, seguiu em 8,00%, igual a quatro semanas atrás.

A projeção para o fim de 2021 no Top 5 permaneceu em 8,00%. Há um mês, estava no mesmo patamar. Para 2022, a projeção do Top 5 também seguiu em 8,00%, igual ao visto um mês antes.

Ciclo

Em um ambiente de inflação baixa e atividade ainda fraca, os economistas do mercado financeiro esperam pela manutenção da Selic (a taxa básica) no atual patamar, de 6,50% ao ano, até janeiro de 2020, quando o Banco Central daria início a um novo ciclo de alta de juros. Isso indica uma mudança em relação ao que vinha sendo projetado. Até a semana passada, a indicação era de uma primeira alta da Selic ainda em 2019.

Conforme o Sistema de Expectativas de Mercado do relatório Focus, divulgado nesta segunda, a projeção do mercado é de que a Selic suba de 6,50% para 6,75% em janeiro de 2020. Depois, em fevereiro, a taxa passaria para 7,00% ao ano. Conforme o Sistema de Expectativas, a Selic seguiria subindo até julho de 2020, quando atingiria 8,00% ao ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Previsão para Selic de 2019 passa de 7,00% ao ano para 6,50% ao ano, diz BC

Expectativas dos economistas para o próximo ano e para 2020 seguiram em 8%


04/02/2019 | 10:45


À espera da decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) sobre o novo patamar da Selic, na próxima quarta-feira, os economistas do mercado financeiro alteraram suas projeções para a taxa básica da economia no fim de 2019. O Relatório de Mercado Focus trouxe nesta segunda-feira, 4, que a mediana das previsões para a Selic este ano foi de 7,00% para 6,50% ao ano. Há um mês, estava em 7,00%. Já a projeção para a Selic no fim de 2020 seguiu em 8,00%, igual ao visto quatro semanas atrás.

No caso de 2021, a projeção também seguiu em 8,00%, igual ao verificado um mês antes. A projeção para a Selic no fim de 2022 permaneceu em 8,00%, mesmo patamar de um mês antes.

Em 12 de dezembro, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou a manutenção, pela sexta vez consecutiva, da Selic em 6,50% ao ano. Ao mesmo tempo, o BC indicou que a Selic tende a permanecer no atual nível - o mais baixo da história - pelo menos nos primeiros meses do governo de Jair Bolsonaro.

Entre as indicações, o colegiado avaliou que, desde o encontro anterior, de outubro, houve alta do risco de a ociosidade na economia produzir inflação abaixo do esperado.

Para o grupo dos analistas consultados que mais acertam as projeções (Top 5) de médio prazo, a mediana da taxa básica em 2019 seguiu em 6,50% ao ano, igual ao visto um mês antes. No caso de 2020, seguiu em 8,00%, igual a quatro semanas atrás.

A projeção para o fim de 2021 no Top 5 permaneceu em 8,00%. Há um mês, estava no mesmo patamar. Para 2022, a projeção do Top 5 também seguiu em 8,00%, igual ao visto um mês antes.

Ciclo

Em um ambiente de inflação baixa e atividade ainda fraca, os economistas do mercado financeiro esperam pela manutenção da Selic (a taxa básica) no atual patamar, de 6,50% ao ano, até janeiro de 2020, quando o Banco Central daria início a um novo ciclo de alta de juros. Isso indica uma mudança em relação ao que vinha sendo projetado. Até a semana passada, a indicação era de uma primeira alta da Selic ainda em 2019.

Conforme o Sistema de Expectativas de Mercado do relatório Focus, divulgado nesta segunda, a projeção do mercado é de que a Selic suba de 6,50% para 6,75% em janeiro de 2020. Depois, em fevereiro, a taxa passaria para 7,00% ao ano. Conforme o Sistema de Expectativas, a Selic seguiria subindo até julho de 2020, quando atingiria 8,00% ao ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;