Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Imprensa do mundo destaca consequências para Vale após nrompimento da barragem



28/01/2019 | 21:29


A imprensa internacional continua a destacar os desdobramentos após o rompimento da barragem em Brumadinho. Além de lançar luz sobre a tragédia, os veículos informam sobre o impacto para a ação da Vale.

O britânico Financial Times, por exemplo, afirma nesta segunda-feira, 28, que a Vale "perdeu um quarto de seu valor após o desastre da barragem". O FT também lembra que a empresa suspendeu o pagamento de dividendo, seu programa de recompra de ações e o pagamento de bônus a altos executivos. Analistas citados pelo jornal dizem que a decisão de suspender os retornos aos acionistas ocorre diante do possível "impacto financeiro significativo" com "o acidente, um dos maiores da história da indústria de mineração".

A BBC, por sua vez, cita que políticos do Brasil, como o vice-presidente Hamilton Mourão, defenderam punição aos responsáveis pelo episódio, diante das dezenas de mortos e centenas de feridos. A rede britânica também reproduz declaração da procuradora-geral, Raquel Dodge, sobre a importância de responsabilizar os culpados.

Nos EUA, a rede CNBC lembra o fato de a tragédia ser o segundo grande episódio do tipo com a mineradora brasileira em cerca de três anos. Além disso, ressalta a forte queda do papel da empresa negociado em Nova York. Já a emissora CBS destacava o sinal negativo de que ninguém foi encontrado com vida no domingo, um péssimo sinal para as buscas. A CNN também acompanha o caso e cita críticas recebidas pela Vale, após o rompimento da barragem de Mariana, em novembro de 2015.

A emissora Al Jazeera, do Catar, também informa sobre o caso. A rede cita o braço brasileiro do Greenpeace, segundo o qual o rompimento da barragem é "uma consequência triste de lições não aprendidas pelo governo brasileiro e pelas companhias mineradoras".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Imprensa do mundo destaca consequências para Vale após nrompimento da barragem


28/01/2019 | 21:29


A imprensa internacional continua a destacar os desdobramentos após o rompimento da barragem em Brumadinho. Além de lançar luz sobre a tragédia, os veículos informam sobre o impacto para a ação da Vale.

O britânico Financial Times, por exemplo, afirma nesta segunda-feira, 28, que a Vale "perdeu um quarto de seu valor após o desastre da barragem". O FT também lembra que a empresa suspendeu o pagamento de dividendo, seu programa de recompra de ações e o pagamento de bônus a altos executivos. Analistas citados pelo jornal dizem que a decisão de suspender os retornos aos acionistas ocorre diante do possível "impacto financeiro significativo" com "o acidente, um dos maiores da história da indústria de mineração".

A BBC, por sua vez, cita que políticos do Brasil, como o vice-presidente Hamilton Mourão, defenderam punição aos responsáveis pelo episódio, diante das dezenas de mortos e centenas de feridos. A rede britânica também reproduz declaração da procuradora-geral, Raquel Dodge, sobre a importância de responsabilizar os culpados.

Nos EUA, a rede CNBC lembra o fato de a tragédia ser o segundo grande episódio do tipo com a mineradora brasileira em cerca de três anos. Além disso, ressalta a forte queda do papel da empresa negociado em Nova York. Já a emissora CBS destacava o sinal negativo de que ninguém foi encontrado com vida no domingo, um péssimo sinal para as buscas. A CNN também acompanha o caso e cita críticas recebidas pela Vale, após o rompimento da barragem de Mariana, em novembro de 2015.

A emissora Al Jazeera, do Catar, também informa sobre o caso. A rede cita o braço brasileiro do Greenpeace, segundo o qual o rompimento da barragem é "uma consequência triste de lições não aprendidas pelo governo brasileiro e pelas companhias mineradoras".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;