Fechar
Publicidade

Domingo, 5 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Sinfônica de Santo André faz boa estréia em 2001


João Marcos Coelho
Especial para o Diário

12/04/2001 | 00:03


  Uma noite de gala, com música e artes plásticas, proporcionaram um raro prazer ao bom público que compareceu terça no Teatro Municipal de Santo André. A mostra de gravuras de mestre Luiz Sacilotto no saguão já justifica várias visitas, mas havia outro acontecimento: a Orquestra Sinfônica de Santo André abriu sua temporada 2001 com um programa ao mesmo tempo diversificado e festivo.

A diversificação ficou por conta da participação da mezzo-soprano Céline Imbert, que na primeira parte interpretou quatro canções brasileiras, e na segunda, o formidável ciclo de canções Noites de Verão, de Berlioz. Já a parte festiva ficou por conta do encerramento com o Bolero de Ravel.

A Suíte Antiga, de um de nossos mais talentosos compositores, o cearense Alberto Nepomuceno (1864-1920), abriu o programa. Obra calcada no barroco, não é mais do que um bem-sucedido exercício de composição.

Muito desiguais as quatro canções assinadas por brasileiros. A Ave Maria de Carlos Gomes, em italiano, pouco tem de nacional; respira, apesar do tema religioso, um clima operístico indisfarçável. Na seqüência, foram executadas duas canções de Lorenzo Fernandez, um excelente melodista, e uma de Francisco Mignone.

Bela a Toada para Você com versos de Mário de Andrade, e Alma Adorada, onde Mignone transporta alguns dos truques que o tornaram conhecido na música decididamente popular com o pseudônimo de Chico Bororó.

Berlioz, evidentemente, foi a estrela da noite. Céline, que não pôde ser classificada maravilhosa nas canções brasileiras (vibrato um pouco excessivo na voz), foi muito melhor no ciclo de seis canções. Impressionante como a refinada orquestração de Berlioz jamais encobriu a voz poderosa de Céline (ao contrário da primeira parte). Notáveis igualmente o empenho da cantora e da orquestra.

Curioso mesmo foi Céline tirar e pôr óculos de leitura. Nas primeiras canções, colocava os óculos para ler a partitura e os tirava depois da interpretação, quando a platéia aplaudia. Na que sabia de cor, cantou sem óculos e soltou-se muito mais.

Até o século XIX, os músicos liam suas partes normalmente em público; a figura do artista genial que tocava tudo de cor só surgiu no romantismo, a partir de Liszt, quando o clima do concerto tinha aquela porção de magia e de sobrenatural cercando o artista. Agora, esquisito é misturar as coisas, ora seguindo a partitura, ora de cor. Ainda mais pondo e tirando óculos.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;