Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 17 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Atirador de catedral em Campinas teria comprado armas no Paraguai

Divulgação  Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


12/01/2019 | 08:06


A Polícia Civil investiga se o homem que matou cinco pessoas a tiros e depois se matou, no dia 11 de dezembro, na Catedral de Campinas, adquiriu as armas durante uma viagem ao Paraguai. O crime completou um mês nesta sexta-feira, 11, e a Justiça atendeu pedido feito pela investigação de mais 30 dias para a conclusão do inquérito. De acordo com o delegado Hamilton Caviola Filho, o rastreamento da pistola 9 mm e do revólver calibre 38 feito no Brasil resultou infrutífero, o que reforçou a hipótese de compra das armas no país vizinho.

Conforme o delegado, as anotações feitas por Euler Fernando Grandolpho em uma espécie de diário contêm vários relatos de viagens ao Paraguai. Em um deles, o homem faz menção à compra de armas. O pai e o irmão do autor do massacre confirmaram que ele viajou ao país vizinho, mas as datas são imprecisas. A pistola estava com numeração raspada, o que dificulta o rastreamento. As duas armas não tinham documentação. A prorrogação do inquérito foi necessária para ouvir um sobrevivente, que passou por cirurgia, após ficar com uma bala alojada no corpo.

A investigação ainda aguarda alguns laudos da perícia para entender toda a dinâmica do ataque. Euler Grandolpho, que morava em Valinhos, entrou na Catedral após a missa e abriu fogo contra os fiéis. Quatro pessoas morreram no local e três ficaram feridas. Acuado pela polícia, o atirador se matou com um tiro no ouvido. A quinta vítima morreu no hospital. Conforme a polícia, o homem tinha mania de perseguição e, no diário, falava em "fazer algo grande", fazendo menção a "massacre". As vítimas foram atingidas aleatoriamente. Após a tragédia, a Catedral teve a segurança reforçada.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Atirador de catedral em Campinas teria comprado armas no Paraguai


12/01/2019 | 08:06


A Polícia Civil investiga se o homem que matou cinco pessoas a tiros e depois se matou, no dia 11 de dezembro, na Catedral de Campinas, adquiriu as armas durante uma viagem ao Paraguai. O crime completou um mês nesta sexta-feira, 11, e a Justiça atendeu pedido feito pela investigação de mais 30 dias para a conclusão do inquérito. De acordo com o delegado Hamilton Caviola Filho, o rastreamento da pistola 9 mm e do revólver calibre 38 feito no Brasil resultou infrutífero, o que reforçou a hipótese de compra das armas no país vizinho.

Conforme o delegado, as anotações feitas por Euler Fernando Grandolpho em uma espécie de diário contêm vários relatos de viagens ao Paraguai. Em um deles, o homem faz menção à compra de armas. O pai e o irmão do autor do massacre confirmaram que ele viajou ao país vizinho, mas as datas são imprecisas. A pistola estava com numeração raspada, o que dificulta o rastreamento. As duas armas não tinham documentação. A prorrogação do inquérito foi necessária para ouvir um sobrevivente, que passou por cirurgia, após ficar com uma bala alojada no corpo.

A investigação ainda aguarda alguns laudos da perícia para entender toda a dinâmica do ataque. Euler Grandolpho, que morava em Valinhos, entrou na Catedral após a missa e abriu fogo contra os fiéis. Quatro pessoas morreram no local e três ficaram feridas. Acuado pela polícia, o atirador se matou com um tiro no ouvido. A quinta vítima morreu no hospital. Conforme a polícia, o homem tinha mania de perseguição e, no diário, falava em "fazer algo grande", fazendo menção a "massacre". As vítimas foram atingidas aleatoriamente. Após a tragédia, a Catedral teve a segurança reforçada.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;