Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 20 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Rachaduras afetam moradores de Maceió



12/01/2019 | 06:00


O presidente Jair Bolsonaro fez uma reunião extraordinária nesta sexta-feira, 11, para discutir a situação de moradores do bairro de Pinheiros, em Maceió, capital de Alagoas, onde dezenas de imóveis, além de ruas e avenidas, apresentam rachaduras. Segundo a prefeitura, cerca de 6 mil pessoas foram afetadas pela situação. O fenômeno já provoca a desocupação de casas e edifícios.

Bolsonaro determinou que o governo federal adote ações para agilizar a identificação do fenômeno e encaminhe medidas para a resolução do problema. As rachaduras começaram em fevereiro do ano passado em dezenas de apartamentos, após as chuvas que caíram na região entre os dias 15 e 3 de março.

As fissuras afetam apartamentos, estabelecimentos comerciais e residências no bairro do Pinheiro, causando medo na população, que diz já ter percebido abalos.

Pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil iniciaram nesta sexta-feira, 11, estudos na Lagoa Mundaú, em Maceió, para identificar possíveis causas das rachaduras. O trabalho deve ser concluído até o fim de fevereiro.

O geólogo Ronaldo Bezerra, do Serviço Geológico do Brasil, explica que o estudo na Lagoa Mundaú utilizará equipamentos geofísicos, que dão menos impacto na área. "Vamos fazer o levantamento batimétrico, que é a leitura da profundidade, e também será aplicada uma sísmica rasa de baixa frequência, para não causar muito impacto", explicou.

Na terça-feira, 8, pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) apresentaram algumas hipóteses sobre a causa das rachaduras. Os técnicos acreditam que elas apareceram devido a exploração de sal no bairro, pelo surgimento de uma depressão no solo ou pela localização da região em uma área tectonicamente ativa.

Em dezembro do ano passado, o município de Maceió decretou situação de emergência em três bairros da capital - além do Pinheiro, Mutange e Bebedouro, onde foi detectada uma série de fissuras logo após as chuvas. Desde que as rachaduras apareceram no bairro, a população já fez vários protestos para chamar a atenção das autoridades.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Rachaduras afetam moradores de Maceió


12/01/2019 | 06:00


O presidente Jair Bolsonaro fez uma reunião extraordinária nesta sexta-feira, 11, para discutir a situação de moradores do bairro de Pinheiros, em Maceió, capital de Alagoas, onde dezenas de imóveis, além de ruas e avenidas, apresentam rachaduras. Segundo a prefeitura, cerca de 6 mil pessoas foram afetadas pela situação. O fenômeno já provoca a desocupação de casas e edifícios.

Bolsonaro determinou que o governo federal adote ações para agilizar a identificação do fenômeno e encaminhe medidas para a resolução do problema. As rachaduras começaram em fevereiro do ano passado em dezenas de apartamentos, após as chuvas que caíram na região entre os dias 15 e 3 de março.

As fissuras afetam apartamentos, estabelecimentos comerciais e residências no bairro do Pinheiro, causando medo na população, que diz já ter percebido abalos.

Pesquisadores do Serviço Geológico do Brasil iniciaram nesta sexta-feira, 11, estudos na Lagoa Mundaú, em Maceió, para identificar possíveis causas das rachaduras. O trabalho deve ser concluído até o fim de fevereiro.

O geólogo Ronaldo Bezerra, do Serviço Geológico do Brasil, explica que o estudo na Lagoa Mundaú utilizará equipamentos geofísicos, que dão menos impacto na área. "Vamos fazer o levantamento batimétrico, que é a leitura da profundidade, e também será aplicada uma sísmica rasa de baixa frequência, para não causar muito impacto", explicou.

Na terça-feira, 8, pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) apresentaram algumas hipóteses sobre a causa das rachaduras. Os técnicos acreditam que elas apareceram devido a exploração de sal no bairro, pelo surgimento de uma depressão no solo ou pela localização da região em uma área tectonicamente ativa.

Em dezembro do ano passado, o município de Maceió decretou situação de emergência em três bairros da capital - além do Pinheiro, Mutange e Bebedouro, onde foi detectada uma série de fissuras logo após as chuvas. Desde que as rachaduras apareceram no bairro, a população já fez vários protestos para chamar a atenção das autoridades.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;