Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 25 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Economia

soraiapedrozo@dgabc.com.br | 4435-8057

Armínio: uma reforma da Previdência 'mais ou menos' vai ser ducha de água fria



11/01/2019 | 17:49


O ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga disse nesta sexta-feira, 11, que "até está com pena" do próximo presidente do BC, Roberto Campos Neto, que vai pegar o País em uma situação bem pior do que ele pegou na década de 1990.

"Naquele tempo tinha um ajuste fiscal a ser feito e a expectativa de crescimento era de menos 4%, não tinha erro. Só tínhamos medo da economia reindexar, aí seria uma outra história", contou durante evento no BC do Rio de Janeiro, que conta com a presença de 14 ex-presidentes do banco e também de Campos Neto.

Fraga disse que a situação fiscal do Brasil é muito ruim, principalmente levando em conta a Previdência, "que é metade dos gastos do governo e sobe a nível assustador".

Ele afirmou esperar que a reforma da Previdência seja "impactante", porque uma reforma "mais ou menos" seria uma ducha de água fria nas expectativas. "Tem que ser focada, com o comprometimento de todos", afirmou em relação ao tema econômico mais polêmico do novo governo, que ainda não teve seu modelo final definido.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Armínio: uma reforma da Previdência 'mais ou menos' vai ser ducha de água fria


11/01/2019 | 17:49


O ex-presidente do Banco Central Armínio Fraga disse nesta sexta-feira, 11, que "até está com pena" do próximo presidente do BC, Roberto Campos Neto, que vai pegar o País em uma situação bem pior do que ele pegou na década de 1990.

"Naquele tempo tinha um ajuste fiscal a ser feito e a expectativa de crescimento era de menos 4%, não tinha erro. Só tínhamos medo da economia reindexar, aí seria uma outra história", contou durante evento no BC do Rio de Janeiro, que conta com a presença de 14 ex-presidentes do banco e também de Campos Neto.

Fraga disse que a situação fiscal do Brasil é muito ruim, principalmente levando em conta a Previdência, "que é metade dos gastos do governo e sobe a nível assustador".

Ele afirmou esperar que a reforma da Previdência seja "impactante", porque uma reforma "mais ou menos" seria uma ducha de água fria nas expectativas. "Tem que ser focada, com o comprometimento de todos", afirmou em relação ao tema econômico mais polêmico do novo governo, que ainda não teve seu modelo final definido.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;