Fechar
Publicidade

Domingo, 24 de Março

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Suspeitos de terrorismo e ameaça a Bolsonaro são soltos

Tânia Rêgo/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


10/01/2019 | 07:35


Três suspeitos de participar da tentativa de ataque a uma igreja em Brazlândia, no Distrito Federal, foram soltos nesta quarta-feira, 9, por falta de provas após passar nove dias na cadeia. Eles também eram investigados por uma ameaça de atentado contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ), em um caso investigado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e pela Polícia Federal desde dezembro.

O juiz Fellipe Figueiredo de Carvalho, da 7.ª Vara Criminal de Brasília, aceitou o pedido do Ministério Público para arquivar o processo. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, o arquivamento foi uma sugestão das próprias autoridades policiais, que continuam o trabalho de investigação em um inquérito separado.

A polícia havia detido dois homens e uma mulher na cidade de Alto Paraíso, em Goiás, no dia 1.º de janeiro por suspeitar que eles haviam colocado um artefato explosivo em frente à igreja na madrugada de 25 de dezembro. O esquadrão antibombas da Polícia Militar foi acionado, e ninguém ficou ferido.

Em uma audiência de custódia no mesmo dia da prisão, o juiz substituto André Gomes da Silva havia concedido prisão preventiva em flagrante contra os três suspeitos. Entre as provas que a polícia apresentou estava um manual de como fabricar bombas caseiras e tubos de vidro com substância não identificada, além de "rebites e bolas de gude". "Há fundada suspeita de tratar-se de substância explosiva", decidiu o juiz, sobre o conteúdo do vidro.

A reportagem apurou que os suspeitos alegaram que o líquido seria "medicina fitoterápica", e que o manual em questão não pertenceria a nenhum deles.

Na audiência, horas após a prisão, o juiz também levou a consideração uma informação da polícia de que as postagens, no mesmo site em que as ameaças a Bolsonaro foram publicadas, haviam cessado "subitamente".

No entanto, o site Maldição Ancestral - onde também há ameaças à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e ao presidente da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), Sergio da Rocha - publicou novos textos nos dias 3 e 6 de janeiro, dias em que os suspeitos estavam presos. A primeira mensagem do ano, inclusive, diz que o grupo segue "livre e impune".

ITS

Denominado ITS-Brasil, ou Sociedade Secreta Silvestre, o grupo que assumiu autoria do ataque é alvo de investigação que envolve a colaboração de agências de inteligência internacionais, segundo a polícia.

Ataques reivindicados em países como Chile, Argentina e México por grupos que atuariam em redes motivou o compartilhamento de informações. No Brasil, a polícia também investiga ataques reivindicados desde 2016, especialmente a explosão de um artefato na rodoviária de Brasília em 2016. "O arquivamento desse processo não quer dizer que essa investigação teve fim", disse o delegado Fernando César. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Suspeitos de terrorismo e ameaça a Bolsonaro são soltos


10/01/2019 | 07:35


Três suspeitos de participar da tentativa de ataque a uma igreja em Brazlândia, no Distrito Federal, foram soltos nesta quarta-feira, 9, por falta de provas após passar nove dias na cadeia. Eles também eram investigados por uma ameaça de atentado contra o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ), em um caso investigado pela Agência Brasileira de Inteligência (Abin) e pela Polícia Federal desde dezembro.

O juiz Fellipe Figueiredo de Carvalho, da 7.ª Vara Criminal de Brasília, aceitou o pedido do Ministério Público para arquivar o processo. Segundo a Polícia Civil do Distrito Federal, o arquivamento foi uma sugestão das próprias autoridades policiais, que continuam o trabalho de investigação em um inquérito separado.

A polícia havia detido dois homens e uma mulher na cidade de Alto Paraíso, em Goiás, no dia 1.º de janeiro por suspeitar que eles haviam colocado um artefato explosivo em frente à igreja na madrugada de 25 de dezembro. O esquadrão antibombas da Polícia Militar foi acionado, e ninguém ficou ferido.

Em uma audiência de custódia no mesmo dia da prisão, o juiz substituto André Gomes da Silva havia concedido prisão preventiva em flagrante contra os três suspeitos. Entre as provas que a polícia apresentou estava um manual de como fabricar bombas caseiras e tubos de vidro com substância não identificada, além de "rebites e bolas de gude". "Há fundada suspeita de tratar-se de substância explosiva", decidiu o juiz, sobre o conteúdo do vidro.

A reportagem apurou que os suspeitos alegaram que o líquido seria "medicina fitoterápica", e que o manual em questão não pertenceria a nenhum deles.

Na audiência, horas após a prisão, o juiz também levou a consideração uma informação da polícia de que as postagens, no mesmo site em que as ameaças a Bolsonaro foram publicadas, haviam cessado "subitamente".

No entanto, o site Maldição Ancestral - onde também há ameaças à ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, e ao presidente da Conferência Nacional de Bispos do Brasil (CNBB), Sergio da Rocha - publicou novos textos nos dias 3 e 6 de janeiro, dias em que os suspeitos estavam presos. A primeira mensagem do ano, inclusive, diz que o grupo segue "livre e impune".

ITS

Denominado ITS-Brasil, ou Sociedade Secreta Silvestre, o grupo que assumiu autoria do ataque é alvo de investigação que envolve a colaboração de agências de inteligência internacionais, segundo a polícia.

Ataques reivindicados em países como Chile, Argentina e México por grupos que atuariam em redes motivou o compartilhamento de informações. No Brasil, a polícia também investiga ataques reivindicados desde 2016, especialmente a explosão de um artefato na rodoviária de Brasília em 2016. "O arquivamento desse processo não quer dizer que essa investigação teve fim", disse o delegado Fernando César. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;