Fechar
Publicidade

Sábado, 25 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Professores da FSA farão ato de repúdio neste sábado

Nario Barbosa/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Aula pública será às 10h, na Rua Coronel Oliveira Lima, no Centro de Santo André


Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

09/01/2019 | 17:38


Professores da FSA (Fundação Santo André) farão aula pública e ato de repúdio contra a atual reitoria da Instituição de Ensino Superior, que tem como líder o professor Francisco José Santos Milreu, no próximo sábado (12), às 10h, na Rua Coronel Oliveira Lima, no Centro do município. Os docentes anunciam ainda que vão manter a greve – inciada em 13 de dezembro – sem previsão de retomada das atividades.

O intuito do grupo é de explanar, em público, a necessidade de a Justiça revogar as 35 demissões, realizadas por e-mail no dia 21 de dezembro, com justificativa de que os docentes estavam contratados de forma irregular. Entretanto, Milreu, que chegou a admitir ao Diário, em março, que não havia prestado concurso público para sua atuação, não consta na lista dos desligamentos. A FSA alega que o professor apresentou papelada comprobatória de sua legalidade para atuar, no entanto, não forneceu os documentos à imprensa.

Além disso, o ato liderado pelo Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC) reforçará a questão do atraso de salários, que já perdura desde 2015, o não pagamento dos proventos de dezembro de 2018 – que teve apenas 40% do valor quitado no último dia 7 – , assim como o vencimento do 13º salário.

“Estamos em mobilização permanente, denunciando nas redes sociais a posição da reitoria, buscando apoio do movimento sindical, da comunidade acadêmica, da população do Grande ABC, ex-alunos, etc. E no sábado teremos a aula pública no Centro”, reforçou o diretor do sindicato e professor de Relações Internacionais da FSA, Marcelo Buzetto.

HISTÓRICO

No dia 21 de dezembro, 35 professores da FSA receberam aviso, por e-mail, de que estariam desligados da Instituição de Ensino Superior, a partir daquela data, por conta de não apresentaram documentos que comprovasse aprovação em concurso público para ingresso na unidade.

Uma semana depois, a Justiça deu prazo para que a reitoria justificasse a demissão. A decisão, proferida pelo juiz substituto da 4ª Vara do Trabalho de Santo André, Diego Petacci, concedeu 72 horas, a partir do dia 3 de janeiro – até o dia 6 –, para que a reitoria se posicione sobre o tema. A FSA recorreu.


A ação foi resultado de mandado de segurança coletivo impetrado pelo Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC) que solicitou a suspensão das dispensas. O ex-parlamentar e advogado do Sinpro-ABC, Vanderlei Siraque (PcdoB) é o responsável pelo pedido de liminar. A expetativa é a de que ainda nesta quarta-feira (9) o juiz se posicione.

Já no dia 1 de janeiro a juíza substituta da 2ª Vara do Trabalho de Santo André, Maria de Fatima Alves Rodrigues Bertan, concedeu 11 pedidos de liminar que determinaram a reintegração ao trabalho de profissionais da Fundação Santo André. A instituição também recorreu a decisão.

JUSTIFICATIVA

A justificativa da FSA é a de que os profissionais não apresentam documentação que comprove que tenham passado por concurso público para o ingresso no centro universitário e que, após resultado de sindicância.

A equipe do Diário teve acesso ao telegrama enviado aos 35 docentes. O comunicado afirma que a falta de concurso público para ingresso na instituição – o que é proibido por lei – anula a legalidade de atuação e, por esse motivo, não há indenização ou quaisquer direitos financeiros.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Professores da FSA farão ato de repúdio neste sábado

Aula pública será às 10h, na Rua Coronel Oliveira Lima, no Centro de Santo André

Bia Moço
Do Diário do Grande ABC

09/01/2019 | 17:38


Professores da FSA (Fundação Santo André) farão aula pública e ato de repúdio contra a atual reitoria da Instituição de Ensino Superior, que tem como líder o professor Francisco José Santos Milreu, no próximo sábado (12), às 10h, na Rua Coronel Oliveira Lima, no Centro do município. Os docentes anunciam ainda que vão manter a greve – inciada em 13 de dezembro – sem previsão de retomada das atividades.

O intuito do grupo é de explanar, em público, a necessidade de a Justiça revogar as 35 demissões, realizadas por e-mail no dia 21 de dezembro, com justificativa de que os docentes estavam contratados de forma irregular. Entretanto, Milreu, que chegou a admitir ao Diário, em março, que não havia prestado concurso público para sua atuação, não consta na lista dos desligamentos. A FSA alega que o professor apresentou papelada comprobatória de sua legalidade para atuar, no entanto, não forneceu os documentos à imprensa.

Além disso, o ato liderado pelo Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC) reforçará a questão do atraso de salários, que já perdura desde 2015, o não pagamento dos proventos de dezembro de 2018 – que teve apenas 40% do valor quitado no último dia 7 – , assim como o vencimento do 13º salário.

“Estamos em mobilização permanente, denunciando nas redes sociais a posição da reitoria, buscando apoio do movimento sindical, da comunidade acadêmica, da população do Grande ABC, ex-alunos, etc. E no sábado teremos a aula pública no Centro”, reforçou o diretor do sindicato e professor de Relações Internacionais da FSA, Marcelo Buzetto.

HISTÓRICO

No dia 21 de dezembro, 35 professores da FSA receberam aviso, por e-mail, de que estariam desligados da Instituição de Ensino Superior, a partir daquela data, por conta de não apresentaram documentos que comprovasse aprovação em concurso público para ingresso na unidade.

Uma semana depois, a Justiça deu prazo para que a reitoria justificasse a demissão. A decisão, proferida pelo juiz substituto da 4ª Vara do Trabalho de Santo André, Diego Petacci, concedeu 72 horas, a partir do dia 3 de janeiro – até o dia 6 –, para que a reitoria se posicione sobre o tema. A FSA recorreu.


A ação foi resultado de mandado de segurança coletivo impetrado pelo Sinpro-ABC (Sindicato dos Professores do Grande ABC) que solicitou a suspensão das dispensas. O ex-parlamentar e advogado do Sinpro-ABC, Vanderlei Siraque (PcdoB) é o responsável pelo pedido de liminar. A expetativa é a de que ainda nesta quarta-feira (9) o juiz se posicione.

Já no dia 1 de janeiro a juíza substituta da 2ª Vara do Trabalho de Santo André, Maria de Fatima Alves Rodrigues Bertan, concedeu 11 pedidos de liminar que determinaram a reintegração ao trabalho de profissionais da Fundação Santo André. A instituição também recorreu a decisão.

JUSTIFICATIVA

A justificativa da FSA é a de que os profissionais não apresentam documentação que comprove que tenham passado por concurso público para o ingresso no centro universitário e que, após resultado de sindicância.

A equipe do Diário teve acesso ao telegrama enviado aos 35 docentes. O comunicado afirma que a falta de concurso público para ingresso na instituição – o que é proibido por lei – anula a legalidade de atuação e, por esse motivo, não há indenização ou quaisquer direitos financeiros.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;