Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 28 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'PSB não vai fazer oposição sistemática', afirma Casagrande



09/12/2018 | 07:00


Eleito governador do Espírito Santo no primeiro turno em outubro, Renato Casagrande (PSB) deixou o candidato do PSL, Carlos Manato, em segundo lugar e conseguiu quebrar a onda Jair Bolsonaro na disputa do Estado.

Mas mesmo sendo secretário-geral do PSB e presidente da Fundação João Mangabeira, braço teórico do partido, Casagrande defende que a sigla, que ficou neutra no primeiro turno da eleição presidencial, mas apoiou o petista Fernando Haddad no segundo, não faça oposição sistemática ao presidente eleito.

"O PT deverá fazer oposição raivosa, mas esse não é o caso do PSB. Não faremos oposição sistemática. Podemos ter postura de apoio a medidas do governo. Vamos analisar matéria a matéria. Eu tenho a opinião de que é preciso fazer reforma da Previdência. O PSB defende reformas", disse Casagrande à reportagem.

A posição moderada do governador eleito é corroborada pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira. "Temos ideias diametralmente opostas ao presidente eleito, mas não vamos torcer para que o governo não dê certo. Não cabe fazer oposição sistemática", afirmou Siqueira.

As declarações recorrentes do clã Bolsonaro e do PSL atacando os "socialistas" e os "esquerdistas" não mudaram a postura do PSB, mas foram rebatidas por Casagrande. "São declarações de quem não tem conhecimento necessário para fazer esse debate. Portugal é governado por um partido socialista. As pessoas estão olhando para trás, na época do muro de Berlim, quando o mundo se dividia entre comunistas e capitalistas. Mas o mundo mudou muito", disse o governador eleito.

Preocupação

Se o pessebista sinaliza moderação na pauta econômica, o discurso é diferente no restante da agenda de Bolsonaro. "Temos preocupação com a política desse novo governo sobre meio ambiente, mudança climática direitos humanos e educação. Sou de um partido socialista de centro esquerda. Defendo justiça social."

Casagrande governou o Espírito Santo até 2014, quando foi derrotado por Paulo Hartung (sem partido), que neste ano decidiu não disputar a reeleição. Como quadro do PSB, ele defende que o partido tenha uma atuação parlamentar e eleitoral descolada do PT, posição que também é corroborada pela executiva da legenda.

"Não queremos entrar em um projeto que já tenha candidato consolidado", afirmou o governador eleito.

Bloco

No Congresso, o PSB articula a formação de um bloco partidário de centro esquerda com PCdoB, Rede e PDT. Apesar do tom moderado, Casagrande rejeita um alinhamento com o bloco que tenta construir uma alternativa de centro contra Bolsonaro. "Não sei o que seria um novo centro. Para quê? Qual o objetivo? Qual a carta de princípios? Vai criar novo partido? A discussão é muito superficial e virtual. O que você tem hoje são conversas entre partidos." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'PSB não vai fazer oposição sistemática', afirma Casagrande


09/12/2018 | 07:00


Eleito governador do Espírito Santo no primeiro turno em outubro, Renato Casagrande (PSB) deixou o candidato do PSL, Carlos Manato, em segundo lugar e conseguiu quebrar a onda Jair Bolsonaro na disputa do Estado.

Mas mesmo sendo secretário-geral do PSB e presidente da Fundação João Mangabeira, braço teórico do partido, Casagrande defende que a sigla, que ficou neutra no primeiro turno da eleição presidencial, mas apoiou o petista Fernando Haddad no segundo, não faça oposição sistemática ao presidente eleito.

"O PT deverá fazer oposição raivosa, mas esse não é o caso do PSB. Não faremos oposição sistemática. Podemos ter postura de apoio a medidas do governo. Vamos analisar matéria a matéria. Eu tenho a opinião de que é preciso fazer reforma da Previdência. O PSB defende reformas", disse Casagrande à reportagem.

A posição moderada do governador eleito é corroborada pelo presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira. "Temos ideias diametralmente opostas ao presidente eleito, mas não vamos torcer para que o governo não dê certo. Não cabe fazer oposição sistemática", afirmou Siqueira.

As declarações recorrentes do clã Bolsonaro e do PSL atacando os "socialistas" e os "esquerdistas" não mudaram a postura do PSB, mas foram rebatidas por Casagrande. "São declarações de quem não tem conhecimento necessário para fazer esse debate. Portugal é governado por um partido socialista. As pessoas estão olhando para trás, na época do muro de Berlim, quando o mundo se dividia entre comunistas e capitalistas. Mas o mundo mudou muito", disse o governador eleito.

Preocupação

Se o pessebista sinaliza moderação na pauta econômica, o discurso é diferente no restante da agenda de Bolsonaro. "Temos preocupação com a política desse novo governo sobre meio ambiente, mudança climática direitos humanos e educação. Sou de um partido socialista de centro esquerda. Defendo justiça social."

Casagrande governou o Espírito Santo até 2014, quando foi derrotado por Paulo Hartung (sem partido), que neste ano decidiu não disputar a reeleição. Como quadro do PSB, ele defende que o partido tenha uma atuação parlamentar e eleitoral descolada do PT, posição que também é corroborada pela executiva da legenda.

"Não queremos entrar em um projeto que já tenha candidato consolidado", afirmou o governador eleito.

Bloco

No Congresso, o PSB articula a formação de um bloco partidário de centro esquerda com PCdoB, Rede e PDT. Apesar do tom moderado, Casagrande rejeita um alinhamento com o bloco que tenta construir uma alternativa de centro contra Bolsonaro. "Não sei o que seria um novo centro. Para quê? Qual o objetivo? Qual a carta de princípios? Vai criar novo partido? A discussão é muito superficial e virtual. O que você tem hoje são conversas entre partidos." As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;