Fechar
Publicidade

Domingo, 21 de Julho

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Empresa nega participação em esquema de quentinhas durante gestão de Cabral

Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


05/12/2018 | 10:16


A Agile Corp (ex-Masan), empresa de serviços de alimentação, negou que tenha participado de irregularidades que estão sendo investigadas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O Cade julga hoje o chamado "cartel das quentinhas" do Rio de Janeiro, em que empresas são investigadas por combinar preços em licitações para fornecimento de marmitas para presídios cariocas na gestão do ex-governador Sérgio Cabral - denunciado por receber propina no esquema após investigação da Operação Lava Jato.

Segundo o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou, a tendência é que a relatora do processo no Cade, Cristiane Alkmin, peça a condenação das 17 empresas investigadas, o que levaria a multas de mais de R$ 200 milhões.

Uma das companhias que poderão ser condenadas é a Masan Comercial (hoje Agile Corp), cujo ex-sócio Marco Antonio de Luca foi preso acusado de ter pago propina a Cabral. De Luca foi um dos acompanhantes de Cabral na "farra dos guardanapos", episódio que ficou conhecido após a divulgação de fotos das celebrações em Paris de Cabral com outros denunciados por corrupção.

Procurada, a Agile Corp disse que participou da licitação investigada pelo Cade, mas não foi vencedora e nunca forneceu quentinha para nenhum órgão do Estado do Rio de Janeiro.

Apesar de o esquema ter sido investigado pela Lava Jato, as irregularidades foram denunciadas ao Cade muito antes da operação. Em 2009, o órgão recebeu uma denúncia anônima sobre possível cartel em um dos pregões da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro. O participantes teriam combinado o resultado da licitação, com contratos no valor de R$ 120 milhões por ano.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Empresa nega participação em esquema de quentinhas durante gestão de Cabral


05/12/2018 | 10:16


A Agile Corp (ex-Masan), empresa de serviços de alimentação, negou que tenha participado de irregularidades que estão sendo investigadas pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade).

O Cade julga hoje o chamado "cartel das quentinhas" do Rio de Janeiro, em que empresas são investigadas por combinar preços em licitações para fornecimento de marmitas para presídios cariocas na gestão do ex-governador Sérgio Cabral - denunciado por receber propina no esquema após investigação da Operação Lava Jato.

Segundo o Broadcast, sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado, apurou, a tendência é que a relatora do processo no Cade, Cristiane Alkmin, peça a condenação das 17 empresas investigadas, o que levaria a multas de mais de R$ 200 milhões.

Uma das companhias que poderão ser condenadas é a Masan Comercial (hoje Agile Corp), cujo ex-sócio Marco Antonio de Luca foi preso acusado de ter pago propina a Cabral. De Luca foi um dos acompanhantes de Cabral na "farra dos guardanapos", episódio que ficou conhecido após a divulgação de fotos das celebrações em Paris de Cabral com outros denunciados por corrupção.

Procurada, a Agile Corp disse que participou da licitação investigada pelo Cade, mas não foi vencedora e nunca forneceu quentinha para nenhum órgão do Estado do Rio de Janeiro.

Apesar de o esquema ter sido investigado pela Lava Jato, as irregularidades foram denunciadas ao Cade muito antes da operação. Em 2009, o órgão recebeu uma denúncia anônima sobre possível cartel em um dos pregões da Secretaria de Administração Penitenciária do Estado do Rio de Janeiro. O participantes teriam combinado o resultado da licitação, com contratos no valor de R$ 120 milhões por ano.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;