Fechar
Publicidade

Terça-Feira, 20 de Agosto

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Nacional

nacional@dgabc.com.br | 4435-8301

Base Nacional Comum Curricular do ensino médio é aprovada pelo CNE

USP Imagens Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Texto define o mínimo que alunos deverão aprender em sala, tanto em escolas públicas quanto privadas



04/12/2018 | 14:47


A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino médio foi aprovada nesta terça-feira, 4, pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), com 18 votos a favor e duas abstenções. O próximo passo é a aprovação do texto pelo Ministério da Educação.

O documento define o mínimo que os estudantes do ensino médio deverão aprender em sala de aula, tanto em escolas públicas quanto privadas. As diretrizes poderão ser adaptadas nos Estados, de acordo com a situação local, com previsão de início em 2022.

Uma das novidades, já aprovadas na reforma do ensino médio em 2017, é a de que os estudantes terão uma parte do currículo como itinerário comum e outra, formativo, escolhido pelo próprio aluno. Haverá cinco diferentes ênfases: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas ou ensino técnico. O texto em discussão foca nas partes comuns, mas não há definições específicas sobre os itinerários formativos.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Base Nacional Comum Curricular do ensino médio é aprovada pelo CNE

Texto define o mínimo que alunos deverão aprender em sala, tanto em escolas públicas quanto privadas


04/12/2018 | 14:47


A Base Nacional Comum Curricular (BNCC) para o ensino médio foi aprovada nesta terça-feira, 4, pelo Conselho Nacional de Educação (CNE), com 18 votos a favor e duas abstenções. O próximo passo é a aprovação do texto pelo Ministério da Educação.

O documento define o mínimo que os estudantes do ensino médio deverão aprender em sala de aula, tanto em escolas públicas quanto privadas. As diretrizes poderão ser adaptadas nos Estados, de acordo com a situação local, com previsão de início em 2022.

Uma das novidades, já aprovadas na reforma do ensino médio em 2017, é a de que os estudantes terão uma parte do currículo como itinerário comum e outra, formativo, escolhido pelo próprio aluno. Haverá cinco diferentes ênfases: linguagens, matemática, ciências da natureza, ciências humanas ou ensino técnico. O texto em discussão foca nas partes comuns, mas não há definições específicas sobre os itinerários formativos.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;