Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 18 de Novembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Mauá não sairá do Consórcio, afirma Atila

Celso Luiz/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Prefeito assegura permanência na entidade, mas pede redução de gastos: ‘Precisa ser assertivo’


Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

04/12/2018 | 07:00


O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), assegurou que vai se manter vinculado ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, diferentemente do que fizeram os chefes de Executivo de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), de Diadema, Lauro Michels (PV), e de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (sem partido).

O socialista disse que estará hoje na assembleia geral pela manhã, quando o novo presidente da entidade deve ser escolhido, e declarou que vai defender que o colegiado seja “assertivo” na busca de projetos concretos para o Grande ABC.

“O Consórcio foi grande marco, ícone, que projetou o Grande ABC, pelas mãos inicialmente do prefeito Celso Daniel (PT, de Santo André, morto em 2002), e até hoje deixa saudade, não só como gestor da cidade, mas como gestor, pensando no Grande ABC. Foi um idealizador, sonhador. Algumas pessoas comemoram a derrota, eu não serei homem a acabar com o sonho de um idealizador. Não serei eu”, afiançou. “Tem que fazer mais assertivo, e que trabalhe em cima dos grandes projetos do Grande ABC. Não vejo acabar. Não sou eu que vou apagar o sonho de um idealizador. Só se sair mais alguém, aí acabou. Não será Mauá (que vai puxar essa fila).”

Nos bastidores, o nome de Atila era cogitado para seguir o que Lauro, Auricchio e Maranhão fizeram. Mas ele não só rechaçou essa possibilidade como teceu elogios ao trabalho do atual presidente do Consórcio, o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB). “Transformações são inevitáveis para o Consórcio. Vai ter que assumir (os gastos) até pela queda do número de cidade (agora são quatro consorciadas). Orlando diminuiu os custos. Agora é hora (de repensar o modelo).” 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Mauá não sairá do Consórcio, afirma Atila

Prefeito assegura permanência na entidade, mas pede redução de gastos: ‘Precisa ser assertivo’

Fábio Martins
Do Diário do Grande ABC

04/12/2018 | 07:00


O prefeito de Mauá, Atila Jacomussi (PSB), assegurou que vai se manter vinculado ao Consórcio Intermunicipal do Grande ABC, diferentemente do que fizeram os chefes de Executivo de São Caetano, José Auricchio Júnior (PSDB), de Diadema, Lauro Michels (PV), e de Rio Grande da Serra, Gabriel Maranhão (sem partido).

O socialista disse que estará hoje na assembleia geral pela manhã, quando o novo presidente da entidade deve ser escolhido, e declarou que vai defender que o colegiado seja “assertivo” na busca de projetos concretos para o Grande ABC.

“O Consórcio foi grande marco, ícone, que projetou o Grande ABC, pelas mãos inicialmente do prefeito Celso Daniel (PT, de Santo André, morto em 2002), e até hoje deixa saudade, não só como gestor da cidade, mas como gestor, pensando no Grande ABC. Foi um idealizador, sonhador. Algumas pessoas comemoram a derrota, eu não serei homem a acabar com o sonho de um idealizador. Não serei eu”, afiançou. “Tem que fazer mais assertivo, e que trabalhe em cima dos grandes projetos do Grande ABC. Não vejo acabar. Não sou eu que vou apagar o sonho de um idealizador. Só se sair mais alguém, aí acabou. Não será Mauá (que vai puxar essa fila).”

Nos bastidores, o nome de Atila era cogitado para seguir o que Lauro, Auricchio e Maranhão fizeram. Mas ele não só rechaçou essa possibilidade como teceu elogios ao trabalho do atual presidente do Consórcio, o prefeito de São Bernardo, Orlando Morando (PSDB). “Transformações são inevitáveis para o Consórcio. Vai ter que assumir (os gastos) até pela queda do número de cidade (agora são quatro consorciadas). Orlando diminuiu os custos. Agora é hora (de repensar o modelo).” 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;