Fechar
Publicidade

Quarta-Feira, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Programa de capacitação oferece chance de recomeço para refugiados

Dois marroquinos e um egípcio vão trabalhar em pedágios da região


Aline Melo
Do Diário do Grande ABC

04/12/2018 | 07:00


 Três refugiados têm a chance de recomeçar a vida trabalhando na praça de pedágio da Ecovias, concessionária que administra o SAI (Sistema Anchieta-Imigrantes). Eles, que iniciam as atividades na sexta-feira, em São Bernardo, integram grupo de 15 estrangeiros que participaram do Programa Capacitar – parceria entre o Grupo EcoRodovias e o Senai (Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial), que anualmente oferece capacitação profissional.

Elsayed Mohamed Aly Bessar, 62 anos, natural do Egito, veio para o Brasil em 2014, fugindo da guerra e da ditadura. Casado e pai de dois filhos, Bessar é formado em Administração, mas tem trabalhado em restaurantes. O egípcio fala inglês, francês, árabe, grego e português e convive com a expectativa de iniciar nova vida. “Trabalhar é muito bom. Quero crescer, trazer minha família e comprar uma casa”, relatou. “Sou muito grato a todos os brasileiros. Nos abrem os braços. Muito obrigado”, afirmou, emocionado.

Refugiado do Marrocos, Mohammed Tyaqi, 62, chegou neste ano ao Brasil, depois que seu negócio de importação e exportação de roupas faliu. Casado e pai de dois filhos, tem trabalhado como motorista de aplicativo e acredita que com um emprego formal vai prosperar. Formado na Itália em Economia e Comércio, Tyaqi fala espanhol, francês, italiano, inglês, árabe e português e relatou que a imagem do Brasil no Exterior não corresponde à realidade. “Fala-se em muita corrupção, prostituição, drogas. Me impressionei com um povo solidário, lugar de liberdades, com natureza, riquezas”, citou. O marroquino espera se estabilizar financeiramente para trazer a família.

Além dos dois, virá trabalhar em São Bernardo o também marroquino Mohammed Es Skalli, 49. A coordenadora de sustentabilidade da Ecovias, Déborah Costa, 41, destacou que foi a primeira vez que o programa capacitou refugiados, por meio de parceria com as ONGs Missão AME, Refúgio Brasil e Connection. Proporcionalmente, foi a turma que contou com maior número de contratações. “Creditamos isso à qualificação dos participantes”, explicou. Desde 2012, já foram capacitadas mais de 600 pessoas, que posteriormente foram encaminhados para processos seletivos diversos.

Doze participantes do programa – quatro mulheres e oito homens – foram contratados pelo próprio grupo: três para atuar na Ecovias e nove na Ecopistas (concessionária das Rodovias Ayrton Senna e Carvalho Pinto). Os refugiados vieram da Síria, Egito, Iraque, Iémen, Marrocos e Venezuela. Todos serão contratados em regime CLT (Consolidação das Leis do Trabalho) e vão receber, além dos salários (cujos valores não foram informados), benefícios como vale-transporte e assistência médica.

 

 



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;