Fechar
Publicidade

Quinta-Feira, 20 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

Filme da série 'Animais Fantásticos' soma talentos de J.K. Rowling e David Yates



15/11/2018 | 07:00


Dois, três, cinco. O mundo mágico de J.K. Rowling multiplica-se em séries de filmes. Harry Potter terminou com sete, que viraram oito quando o episódio final, As Relíquias da Morte, foi desdobrado em dois. Newt Scamander e Os Animais Fantásticos provocaram polêmica quanto aos números necessários para contar a história, até que a empresa produtora e distribuidora Warner e a autora fecharam em cinco. Teremos, portanto, mais três filmes da série com Eddie Redmayne, somando para 13 a série toda. O supervilão, Grindelwald, interpretado por Johnny Depp, vem do primeiro filme e o segundo amplia agora sua participação. Chama-se, não por acaso, Os Crimes de Grindelwald, mas os animais fantásticos continuam presentes. Um deles rouba a cena - Zouwu, fascinado por aquele chocalho.

Como toda a nova saga é anterior a Harry Potter, a grande novidade do 2 é a participação de Jude Law, como o jovem Alvo Dumbledore. Aurores do Ministério da Magia visitam Hogwarts, onde Alvo integra a equipe de professores. Colocam-no sob suspeita. Jude Law, que já foi o homem mais sexy do mundo da revista People (mais de uma vez), adorou fazer o papel.

"Primeiro de tudo, foi uma ótima oportunidade para rever todos os filmes, o que foi bem divertido", diz o ator no material que a Warner distribuiu à imprensa. Isso significou rever principalmente as performances de Richard Harris, que ao morrer foi substituído por Michael Gambon. Ambos criaram o Dumbledore mais velho. "Queria investigar se havia algo que pudesse tirar deles, mesmo sabendo que não estava criando o mesmo Dumbledore. Estava criando o homem que se transformaria naquele Dumbledore."

Polêmicas não faltaram durante a realização, quando eclodiram, no #MeToo, protestos de mulheres contra a escalação de Johnny Depp para o papel do vilão, mas o ator foi bancado pela própria Rowling, e aí não tem diálogo. Ela quer, ela tem. Rowling virou um fenômeno no mundo editorial contemporâneo quando sua série sobre Harry Potter vendeu 400 milhões de exemplares em todo o mundo. É livro que não acaba mais, talvez somente Agatha Christie, a Bíblia e aquele tal de William Shakespeare possam ser comparados a ela em magnitude. E, claro, J.K. ainda conseguiu vantagens suplementares na venda dos direitos para o cinema, assumindo o papel de produtora. Considerando-se o seu grau de controle artístico, fica difícil dimensionar o aporte do diretor David Yates, mas é impossível subestimá-lo.

Imelda Staunton, que integrou os elencos de Mike Leigh e Ang Lee, disse ao repórter, certa vez, em Cannes, que Yates é o maior diretor com quem trabalhou. "Um gênio." Na trama de Animais Fantásticos - Os Crimes de Grindelwald, ele se converte na maior ameaça ao convívio pacífico entre magos e humanos, ou entre bruxos e otários (os sem-magia). Mas Grindelwald não quer eliminar todos os otários. Cinicamente, diz que sempre serão necessários - 'como lacaios, numa posição subalterna'. Convertido em 'mito' aos olhos de seus seguidores, Grindelwald os reúne num anfiteatro e usa seu poder para prever o futuro.

Grindelwald projeta o futuro. O mundo dos humanos é pura destruição, e marcha para uma nova grande guerra, a 2ª. Contra isso ele se insurge e propõe, com seu poder, o confinamento e até a extinção (parcial) dos otários. Newt, (Porpen)Tina, Dumbledore e o Ministério da Magia, incluindo o irmão de Newt, Theseus, unem-se para enfrentá-lo. E, no filme que agora estreia, Credence Barebone, do Circo Arcanus - Museu de Human Oddities (Esquisitices Humanas), está vivo e tentando decifrar o segredo da sua origem. Grindelwald o atrai para o seu lado, mas ele próprio guarda um segredo que diz respeito a Dumbledore.

No começo, na primeira meia hora, o filme pode causar certo estranhamento. Parece lento, com cenas estiradas para incluir os efeitos. Tudo aquilo poderia ser contado em cinco, dez minutos, mas aí se perderia a mágica, a aura. É o que faz o mistério - a graça - da série toda, de Harry Potter e sua prequel, Animais Fantásticos, aos olhos dos seguidores. David Yates sabe disso. Ele domina o tempo, e os efeitos.

Possui atores excepcionais, e não apenas Redmayne e Jude Law, que estão geniais, mas você não os verá no próximo Oscar. Pior para a Academia, que mantém seu preconceito contra os blockbusters que alimentam a indústria. De repente, no terço final, tudo se conecta e o relato atinge proporções épicas, grandiosas, sem deixar de tocar nas questões humanas. Nesta quinta, 15, Animais Fantásticos - Os Crimes de Grindelwald tomará de assalto as salas de todo o País. Serão 1461 salas de 657 cinemas - não haverá um shopping do País que não abrigará a nova aventura de Newt Scamander. A expectativa da Warner é de que supere os 4,3 milhões de espectadores do filme anterior no Brasil.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Quer receber em primeira mão as notícias das sete cidades do Grande ABC?

Entre no nosso grupo de WhatsApp. 
Clique aqui.
 

Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;