Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 19 de Abril

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

'Há indícios de crime eleitoral', diz membro da Operação Capitu



09/11/2018 | 12:58


O superintendente da Sexta Região Fiscal, auditor fiscal Mário José Dehon, um dos responsáveis pela Operação Capitu, afirmou em coletiva de imprensa que há indícios de crime eleitoral no esquema. "Não estamos frente somente a possibilidade de corrupção ativa e passiva e crime de lavagem de dinheiro, estamos prestes a provar crime eleitoral também", afirmou o auditor nesta sexta-feira, 9.

Segundo a força-tarefa da Polícia Federal, Receita e Procuradoria, o esquema envolvia frigoríficos, políticos e escritórios de advocacia.

Uma das maiores redes de supermercados do País também teria integrado a engrenagem de lavagem de dinheiro oriundo do esquema, repassando aos destinatários finais os valores ilícitos em dinheiro vivo e em contribuições "oficiais" de campanha.

Segundo os investigadores, "há grandes indícios de que doações eleitorais que tinham aparência de legalidade eram feitos por via transversal por essas redes de supermercado".



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

'Há indícios de crime eleitoral', diz membro da Operação Capitu


09/11/2018 | 12:58


O superintendente da Sexta Região Fiscal, auditor fiscal Mário José Dehon, um dos responsáveis pela Operação Capitu, afirmou em coletiva de imprensa que há indícios de crime eleitoral no esquema. "Não estamos frente somente a possibilidade de corrupção ativa e passiva e crime de lavagem de dinheiro, estamos prestes a provar crime eleitoral também", afirmou o auditor nesta sexta-feira, 9.

Segundo a força-tarefa da Polícia Federal, Receita e Procuradoria, o esquema envolvia frigoríficos, políticos e escritórios de advocacia.

Uma das maiores redes de supermercados do País também teria integrado a engrenagem de lavagem de dinheiro oriundo do esquema, repassando aos destinatários finais os valores ilícitos em dinheiro vivo e em contribuições "oficiais" de campanha.

Segundo os investigadores, "há grandes indícios de que doações eleitorais que tinham aparência de legalidade eram feitos por via transversal por essas redes de supermercado".

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;