Fechar
Publicidade

Sexta-Feira, 24 de Maio

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Política

politica@dgabc.com.br | 4435-8391

Gilmar Mendes cobra informações sobre apuração de uso de algemas em Cabral

Gervásio Baptista/STF/Fotos Públicas Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra


06/11/2018 | 16:03


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu cobrar informações da Procuradoria-Geral da República (PGR), do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Conselho da Justiça Federal (CJF) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) sobre a apuração em torno de eventual abuso de autoridade no uso de algemas nas mãos, cintura e pés do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB-RJ) durante a sua escolta para exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba.

Em agosto deste ano, por unanimidade, a Segunda Turma do STF decidiu enviar ao Ministério da Segurança Pública, à PGR, ao CNJ, ao CJF e ao CNMP o inquérito instaurado para investigar o episódio, que ocorreu em 19 de janeiro deste ano.

Com a decisão da Segunda Turma, caberá a esses órgãos e conselhos se debruçarem sobre o caso para avaliarem se houve abuso de autoridade e eventualmente tomarem as "providências devidas".

No despacho, Gilmar Mendes pede que os órgãos informem sobre o "andamento e

previsão de encerramento das investigações".

Em abril, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu o arquivamento imediato do inquérito instaurado por Gilmar Mendes para apurar irregularidades no transporte de Sérgio Cabral da cadeia pública de Benfica, no Rio de Janeiro, para o Instituto Médico Legal, no Paraná.

Gilmar já disse que viu "abuso de autoridade" no episódio e afirmou que se caminha "para a tortura em praça pública".

"Os excessos, como aqui constatados, de atentado à integridade física do preso, expondo-o a constrangimentos, constituem abuso de autoridade. É preciso tomar cuidado sob pena de daqui a pouco termos tortura por membros do Ministério Público e da Polícia Federal", disse Gilmar em junho, quando o caso foi discutido na Segunda Turma.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Gilmar Mendes cobra informações sobre apuração de uso de algemas em Cabral


06/11/2018 | 16:03


O ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal (STF), decidiu cobrar informações da Procuradoria-Geral da República (PGR), do ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, do Conselho Nacional de Justiça (CNJ), do Conselho da Justiça Federal (CJF) e do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP) sobre a apuração em torno de eventual abuso de autoridade no uso de algemas nas mãos, cintura e pés do ex-governador do Rio de Janeiro Sérgio Cabral (MDB-RJ) durante a sua escolta para exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) de Curitiba.

Em agosto deste ano, por unanimidade, a Segunda Turma do STF decidiu enviar ao Ministério da Segurança Pública, à PGR, ao CNJ, ao CJF e ao CNMP o inquérito instaurado para investigar o episódio, que ocorreu em 19 de janeiro deste ano.

Com a decisão da Segunda Turma, caberá a esses órgãos e conselhos se debruçarem sobre o caso para avaliarem se houve abuso de autoridade e eventualmente tomarem as "providências devidas".

No despacho, Gilmar Mendes pede que os órgãos informem sobre o "andamento e

previsão de encerramento das investigações".

Em abril, a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu o arquivamento imediato do inquérito instaurado por Gilmar Mendes para apurar irregularidades no transporte de Sérgio Cabral da cadeia pública de Benfica, no Rio de Janeiro, para o Instituto Médico Legal, no Paraná.

Gilmar já disse que viu "abuso de autoridade" no episódio e afirmou que se caminha "para a tortura em praça pública".

"Os excessos, como aqui constatados, de atentado à integridade física do preso, expondo-o a constrangimentos, constituem abuso de autoridade. É preciso tomar cuidado sob pena de daqui a pouco termos tortura por membros do Ministério Público e da Polícia Federal", disse Gilmar em junho, quando o caso foi discutido na Segunda Turma.

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;