Fechar
Publicidade

Sábado, 19 de Janeiro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

|

Isoflavonas


Leo Khan

26/10/2018 | 07:00


Conhecidas como isoflavonoides, pertencem à classe dos fitoestrógenos. Esses compostos químicos fenólicos são encontrados em maiores concentrações em vegetais e principalmente nas leguminosas. No total das isoflavonas, dois terços são de glicosídeos conjugados de genisteína, o restante, conjugado de daidzeína e pequenas quantidades de gliciteína.

Suas propriedades terapêuticas na proteção contra várias doenças crônicas são baseadas em estudos experimentais e epidemiológicos.

A farmacologia e fisiologia das isoflavonas apresentam estrutura não esteroidal, mas comportam-se como estrógenos, além de serem as mais abundantes dentre os fitoestrógenos.

As evidências científicas existentes, até o momento, de seus efeitos permitem reconhecer como viável apenas o seu uso para alívio das ondas de calor associadas à menopausa e como auxiliar na redução dos níveis de colesterol.

Outros possíveis benefícios dos isoflavonoides:

- Atividade antiestrogênica
- Ação antioxidante
- Inibição de atividade enzimática
- Evidência na proteção contra o câncer
- Auxílio no combate a cardiopatologias

Saiba mais:
- As isoflavonas podem também prevenir a perda óssea pós-menopausa e a osteoporose.
- A genisteína colabora na regulação da secreção de insulina.
- As isoflavonas estão presentes nos alimentos ligados a açúcares e betaglicosídeos.
- Nesta forma não são absorvidas pelo organismo humano.
- Existe uma variabilidade considerável na eficiência digestiva das isoflavonas.
- Apenas as isoflavonas livres e sem a molécula de açúcar, as chamadas agliconas, são capazes de atravessar a membrana plasmática e serem absorvidas na barreira epitelial do intestino.
- Enzimas hidrolíticas de bactérias no intestino são responsáveis por essas reações.
- Após a absorção, essas moléculas são incorporadas nos quilomícrons, que as transportam ao sistema linfático antes de entrar no sistema circulatório.
- Esses quilomícrons distribuem as isoflavonas em todos os tecidos extra-hepáticos, onde irão exercer seus efeitos metabólicos, antes de retorná-las ao fígado como quilomícrons remanescentes.
- A retomada das isoflavonas circulantes do sangue ocorre passivamente e todas as células que contêm receptores para estrógenos potencialmente podem ser influenciadas por essas moléculas.
- Quando essas moléculas são secretadas na bile pelo fígado, parte é reabsorvida pela circulação entero-hepática e parte é excretada pelas fezes.
- Entretanto, a eliminação urinária das isoflavonas é maior e corresponde a aproximadamente 10% – 30% da ingestão dietética.
- Os efeitos variam de tecido para tecido, e em cada tipo essas apresentam afinidade por receptores específicos.
Tais efeitos ainda não são suficientemente elucidados a nível molecular.

Efeitos colaterais:
- Isoflavona pode alterar o bom funcionamento da tireoide.
+ Medicamento à base de soja não deve ser tomado em caso de alergia à soja por crianças, mulheres grávidas em fase reprodutiva ou que estejam amamentado.

Alimentos ricos em fito hormônios:

- Soja
- Ervilha
- Feijão
- Grão-de-bico
- Semente de linhaça
- Tofu
- Leite de soja
- Alho
 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Isoflavonas

Leo Khan

26/10/2018 | 07:00


Conhecidas como isoflavonoides, pertencem à classe dos fitoestrógenos. Esses compostos químicos fenólicos são encontrados em maiores concentrações em vegetais e principalmente nas leguminosas. No total das isoflavonas, dois terços são de glicosídeos conjugados de genisteína, o restante, conjugado de daidzeína e pequenas quantidades de gliciteína.

Suas propriedades terapêuticas na proteção contra várias doenças crônicas são baseadas em estudos experimentais e epidemiológicos.

A farmacologia e fisiologia das isoflavonas apresentam estrutura não esteroidal, mas comportam-se como estrógenos, além de serem as mais abundantes dentre os fitoestrógenos.

As evidências científicas existentes, até o momento, de seus efeitos permitem reconhecer como viável apenas o seu uso para alívio das ondas de calor associadas à menopausa e como auxiliar na redução dos níveis de colesterol.

Outros possíveis benefícios dos isoflavonoides:

- Atividade antiestrogênica
- Ação antioxidante
- Inibição de atividade enzimática
- Evidência na proteção contra o câncer
- Auxílio no combate a cardiopatologias

Saiba mais:
- As isoflavonas podem também prevenir a perda óssea pós-menopausa e a osteoporose.
- A genisteína colabora na regulação da secreção de insulina.
- As isoflavonas estão presentes nos alimentos ligados a açúcares e betaglicosídeos.
- Nesta forma não são absorvidas pelo organismo humano.
- Existe uma variabilidade considerável na eficiência digestiva das isoflavonas.
- Apenas as isoflavonas livres e sem a molécula de açúcar, as chamadas agliconas, são capazes de atravessar a membrana plasmática e serem absorvidas na barreira epitelial do intestino.
- Enzimas hidrolíticas de bactérias no intestino são responsáveis por essas reações.
- Após a absorção, essas moléculas são incorporadas nos quilomícrons, que as transportam ao sistema linfático antes de entrar no sistema circulatório.
- Esses quilomícrons distribuem as isoflavonas em todos os tecidos extra-hepáticos, onde irão exercer seus efeitos metabólicos, antes de retorná-las ao fígado como quilomícrons remanescentes.
- A retomada das isoflavonas circulantes do sangue ocorre passivamente e todas as células que contêm receptores para estrógenos potencialmente podem ser influenciadas por essas moléculas.
- Quando essas moléculas são secretadas na bile pelo fígado, parte é reabsorvida pela circulação entero-hepática e parte é excretada pelas fezes.
- Entretanto, a eliminação urinária das isoflavonas é maior e corresponde a aproximadamente 10% – 30% da ingestão dietética.
- Os efeitos variam de tecido para tecido, e em cada tipo essas apresentam afinidade por receptores específicos.
Tais efeitos ainda não são suficientemente elucidados a nível molecular.

Efeitos colaterais:
- Isoflavona pode alterar o bom funcionamento da tireoide.
+ Medicamento à base de soja não deve ser tomado em caso de alergia à soja por crianças, mulheres grávidas em fase reprodutiva ou que estejam amamentado.

Alimentos ricos em fito hormônios:

- Soja
- Ervilha
- Feijão
- Grão-de-bico
- Semente de linhaça
- Tofu
- Leite de soja
- Alho
 

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, faça o seu login:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;