Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 15 de Outubro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Cultura & Lazer

cultura@dgabc.com.br | 4435-8364

'Djon África' mostra a busca do pai e das raízes



11/10/2018 | 08:05


Miguel é um rapaz meio perdidão, sem grandes objetivos. Seu cotidiano é visto no prólogo de Djon África, de Filipa Reis e João Miller Guerra. Miguel fala com as garotas, deambula, tenta furtar roupas em uma loja. É um estroina, vive com a avó, não conhece os pais. Um dia, a avó lhe diz que, quando criança, ele foi conhecer o pai na prisão, mas os guardas não o deixaram entrar. Logo em seguida, o homem foi expulso de Portugal e repatriado a Cabo Verde.

Miguel adulto, agora com 25 anos, resolve ir em busca do pai e embarca para Cabo Verde. Nesse momento, Djon África toma seu rumo e sua embocadura. Trata-se, para o personagem, de encontrar o pai, referência biológica, mas também simbólica do centro a partir do qual se adquire identidade até então faltante. É também "reencontro" com o país que jamais conheceu, e onde estão fincadas suas raízes. O filme é divertido sem ser leviano; profundo na medida certa, sem se perder em teorias ou teses prontas. Não faz proselitismo nem discursos moralizantes. Já é muito.

Djon África / Death Wish

(Brasil, Port., Cabo Verde/2018, 98 min.)Dir. Filipa Reis, João Miller Guerra. Com Miguel Moreira

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.


Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;