Fechar
Publicidade

Segunda-Feira, 10 de Dezembro

|

Max º Min º
Clima da Região Trânsito Assine Clube do Assinante Diário Virtual Login

Setecidades

setecidades@dgabc.com.br | 4435-8319

Evolução de ‘nata’ verde na Billings preocupa

Denis Maciel/DGABC Diário do Grande ABC - Notícias e informações do Grande ABC: Santo André, São Bernardo, São Caetano, Diadema, Mauá, Ribeirão Pires e Rio Grande da Serra

Despejo de dejetos sem saneamento faz com que algas cresçam na superfície do reservatório


Natália Fernandjes
Do Diário do Grande ABC

11/10/2018 | 07:00


 O aumento da quantidade de algas na superfície da Represa Billings, fenômeno que tem sido intensificado nas últimas semanas nas áreas de divisa entre o Grande ABC e a Capital, amplia a preocupação de especialistas para o problema da poluição e degradação da considerada caixa-d’água da Região Metropolitana do Estado.

A ‘nata’ de cor esverdeada sobre a represa se deve a situação conhecida como eutrofização. Trata-se do surgimento de cianobactérias a partir do excesso de esgoto descartado pelos imóveis irregulares somado à insolação tropical.

Na visão da bióloga especialista em recursos hídricos e professora da USCS (Universidade Municipal de São Caetano) Marta Ângela Marcondes, o cenário exige mais atenção por parte do poder público para a diminuição do descarte de dejetos na represa. Isso porque, na sua avaliação, a tendência é a de que o cenário piore à medida em que o período mais quente do ano se aproxime. “A gente tem que fazer com que a legislação a repeito da classificação dos rios mude.” A profissional defende a criação de metas efetivas de melhoria da qualidade da água dos rios, córregos e mananciais das bacias brasileiras.

A poluição da Billings, inclusive, traz consequências à saúde da comunidade que vive às suas margens. Estudo que vem sendo elaborado desde 2015 indica que metade da população que vive no entorno do manancial sofre com doenças gastrointestinais e 40% têm problemas de pele. “Gastroenterites, dermatites e parasitoses intestinais acabam levando pessoas ao sistema público de Saúde”, ressalta Marta, coordenadora do projeto. “Tem muita gente que depende do reservatório, não só para abastecimento, mas também para a vida, como é o caso dos pescadores”, complementa.

A Sabesp (Companhia de Saneamento Básico de São Paulo) informou que faz a captação de água no braço do sistema Rio Grande, que é separado do corpo central da Billings por uma barragem – responsável pelo abastecimento de 1,6 milhão de moradores da região. "Os parâmetros atuais do indicador geral de qualidade do manancial apresentam classificação ótima no ponto de captação. A água captada segue para tratamento antes de ser distribuída à população, atendendo aos rigorosos padrões de qualidade e potabilidade estabelecidos pelo Ministério da Saúde”, destacou a companhia em nota.

 



Comentários

Atenção! Os comentários do site são via Facebook. Lembre-se de que o comentário é de inteira responsabilidade do autor e não expressa a opinião do jornal. Comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros poderão ser denunciados pelos usuários e sua conta poderá ser banida.

Evolução de ‘nata’ verde na Billings preocupa

Despejo de dejetos sem saneamento faz com que algas cresçam na superfície do reservatório

Ao acessar você concorda com a nossa Política de Privacidade.


Para continuar, acesse com:


  • Aceito receber novidades e ofertas do Diário do Grande ABC e parceiros por
    correio eletrônico, mala direta, SMS ou outros meios de comunicação.


Ou acesse todo o conteúdo de forma ilimitada:

Veja como ter acesso a todo o conteúdo de forma ilimitada:

Copyright © 1995-2017 - Todos direitos reservados

;